Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Voltaremos a ver Mektoub?

Hugo Gomes, 22.03.20

1372748.jpg

A segunda parte de uma planeada trilogia é hoje um filme "maldito", confinado a uma gaveta oculta de Abdellatiff Kechiche. Dou-me por sortudo por tê-lo visto na passada edição do Festival de Cannes, numa sessão que gradualmente ficou "às moscas" e aos resistentes perante aquele expoente jubilo. Poderemos nunca mais ver esta obra, pelo menos desta forma, e como tal deixo aqui o meu "testemunho" para que não haja dúvidas que ele existiu.

 

"A música é incansável e repetitiva, e por cada ABBA ou shot somos forçados a mais um teste de twerk ou de jovens dançantes, loucos por esquecer o exterior, abraçando o momento na esperança de que este se torne eterno. Mas esta representação do delírio boémio e auto-destruidor tem as suas limitações (sempre acompanhado por uma câmara tão ou mais "ébria" que os próprios jovens). O ensaio rompe pelas suas insensibilidades. Cansaço pode muito ser a vivência perante esta experiência, mas fora essas "sequelas" infligidas nada de mais se absorve. Kechiche auto-mutilou-se no preciso momento em que se deixa vencer pelo Tempo, sem saber o que fazer com ele e sucessivamente ser esmagado pelo mesmo." Ler crítica no C7nema.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.