Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

(... e porque ninguém 'gosta' de críticos)

Hugo Gomes, 12.02.24

416197711_896096168976305_3409762203180583957_n.jp

Sou um pessimista em relação ao amanhã da Crítica de Cinema... Acredito que a única sobrevivência reside no seu praticado romantismo; o resto é negligência atrás de negligência, seja pela sociedade que, para o bem e para o mal, decidiu democratizá-la, tornando-a somente numa questão de gostos e, com isso, convertendo-a numa "arte" ao nível de qualquer um - ser crítico basta acreditar que se é. É com esta mensagem que nos deparamos na solução da fórmula, mas o que observamos é a sua extinção, adquire-se o "gosto" e o "não-gosto", Rotten Tomatoes e hipérboles adjetivas para descrever o inclassificável, e voilà, mata-se um ofício em prol de uma acessibilidade primordial (reduzindo-se a uma 'opinião').

Com isto, digo, repito e insisto (quem não quiser "ouvir" não é obrigado a estar na minha companhia): a crítica não pode ser servida como aliada ao mercado (ninguém enriquecerá a ser um, e a ingratidão será sempre a “merecida” recompensa); deve-se, ao invés, emancipar-se, apresentar ideias acima da mera catalogação, debater para além do preto e branco, o dito cinzentismo, e não reduzir-se a pragmatismos sem frutos, é uma das vias que manifesta-se como salvação, o Deus Ex Machina para vivências sem futuro. Recordo-me de alguém ter-me apontado o dedo furtivamente após as minhas “queixas” acerca da subsistência desta comunidade, acusando-me: "tens a mania que és o embaixador da crítica de cinema"... Não sei se sou ou se estou apenas a achar, mas é claro que não me limito a seguir para o Batalha e apresentar-me numa bolha protecionista quanto ao meu privilégio, ao menos isso. Nesse sentido, se os críticos que cá estão não conseguem defender a sua própria classe, então "andor", retirem-se e deixem lugar para outros.

A crítica de cinema tem que Viver, nem que para isso tenha que morrer antes, e em efeito Lázaro, ressurgir mais forte e independente. Até porque, como vemos na foto, eles não precisam de nós.

Catálogo UBICinema 2017 - 2021

Hugo Gomes, 11.01.24

419079413_10224546620709883_8014183337733762454_n.

Grato pelo convite de Paulo Cunha, Tiago Fernandes e Manuela Penafria para participar no mais recente catálogo da UBICinema, que já pode ser adquirido pela Lab Com ou para ser lido (gratuitamente) através deste link.
 
A minha contribuição foi para "Esfera", trabalho de Vitor Gonçalves e Karla Cunha. Dançar como na Vida, na Vida como no Cinema.

Tendências 2023: os posts mais acedidos do ano

Hugo Gomes, 31.12.23

Despedida natalícia

Hugo Gomes, 23.12.23

8ea0e6d1874100a9c63bb2d65af4ccbf.jpg

A convite do Cinema 7ª Arte elegi um filme dedicado a este Natal (ou simplesmente à quadra em si), mas como não dessas ‘coisas’ natalícias, dos filmes temáticos ou dos produtos role Hallmark, sugeri a agridoce despedida entre Catherine Deneuve e Nino Castelnuovo no musical “Les Parapluies de Cherbourg” (Jacques Demy, 1964), em que o Natal manifesta a sua melancolia “disfarçada”.

Para ler aqui

O Cinema e o Medo [Índice]

Hugo Gomes, 15.11.23