Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

As aventuras de Viola na África de Hollywood

Hugo Gomes, 20.10.22

capa-Mundo-Negro-2022-08-02T173143.978.jpg

Viola Davis de vestes tribais subsarianas, munida de lança e punhal e com insaciável sede ‘matar’ colonos”, dito desta maneira, o filme está automaticamente vendido à minha pessoa, pensava eu após as primeiras imagens divulgadas neste “The Woman King”, prometido épico sobre guerreiras africanas da mesma realizadora de “Love & Basketball” [Gina Prince-Bythewood] … e “Old Guard” para os aficionados em “Netflix & chill”. 

Poderia ser o meu consolo após o fracasso virado em leitura televisiva de “Njinga, a Rainha de Angola" do português Sérgio Graciano, poderia, mas não se cumpriu, o desejo ainda permanece aqui. O projeto em si poderia optar por dois caminhos possíveis; o abraçar sem compromissos ao lado “camp” ou a subversão do espéctaculo de género, apesar disso preferiu uma terceira via, imprimindo-se na condensação de todos os “rodriguinhos” hollywoodescos, com subenredos e artimanhas telenovelescas a reproduzir as enésimas esquivas do outro lado do Oceano. A África que esta equipa nos trouxe é de uma pura higienização yankee, digo até mesmo ‘colonizado’, abordando monarquias do continente à luz do medievalismo em moda. É uma disfarçada e anorética “Guerra dos Tronos”, onde nem mesmo Viola Davis, que seria a figura Altas em todo este cenário, consegue mostrar-se interessada no “buraco em que se enfiou”. Pior que um filme desastroso, é um incompetente e procrastinador naquilo que seria as suas expectativas e objetivos. 

A juntar a uma visão demasiado modernizada e acrítica, eis que nos surge um sofrível português falado numas supostas reproduções colonizadoras, fortalecendo ainda mais a ideia de que Hollywood está-se a ‘borrifar’ para diversidades culturais, linguísticas e históricas (a sua África é a sua Europa, e assim sucessivamente, uma massa homogénea que reúne os mesmos estereótipos, lugares-comuns e resoluções narrativas lecionadas até à exaustão). Por outras palavras, é Hollywood feita pelos mesmos e para os mesmos.