Data
Título
Take
1.11.18
1.11.18

Poster68X98_Raiva_31OUT.jpg

A Raiva de filmar!

 

A evidência de uma luta entre classes em Raiva remete-nos sobretudo para o dispositivo de Manuel da Fonseca e o seu romance Seara de Vento (publicado em 1958) em consciencializar um povo para os seus mais profundos desejos políticos. Esta nova ficção de Sérgio Tréfaut, a segunda longa-metragem desta linguagem desde A Viagem a Portugal (2011), é um objeto curioso e subtilmente absorvido pela sua reconstituição histórica, quer a nível cénico ou até mesmo atmosférico (com graças à belíssima fotografia do veterano Acácio de Almeida).

RAIVA 5.jpg

Nessa demanda pela adaptação, o realizador opta pela raiz da matéria-prima, o neorrealismo tão em voga na década de 50, quer na literatura, quer no teatro e até cinema (os falhanços de Manuel Guimarães, realizador que de maneira nenhuma parece não conseguir reavaliar-se), Como tal, Raiva é puramente simbólico e possivelmente dependente desse mesmo simbolismo, o que o configura como um ensaio de ideias, a “mensagem” que o próprio Tréfaut revelou não interessar como foco propagandístico ou didático. É um filme de imagens (termo que neste momento o leitor troça o escriba devido ao óbvio da caracterização), porque são estas, despojadas da dramaturgia cinematográfica ou ditada pela mesma, que realçam todo uma veia narrativo, dentro e fora do filme. E salientando essa ausência de ênfase e epifania, Tréfaut mutila a sua criação, inutilizando-o para esse estado. Como o faz? Simples manobra, transfigura as leis académicas dos três atos narrativos, opções narrativas que vão contra ao tão chamado storytelling que uma vaga de realizadores e argumentistas nacionais tentam impor. Por outro, essa escolha decepa por completo qualquer emotividade que poderá surgir por parte do espectador, ao mesmo tempo que configura um fatalismo irreversível.

Herman José.jpeg

Em Raiva, há um espelho de uma sociedade que hoje entra em plena negação, um revisionismo histórico dos “feitos salazaristas”, ou da urgência pela preservação distorcida da luta entre classes para induzir-se numa batalha contra as instituições erguidas atualmente. Tréfaut comete essa declaração politica sem o uso do mais grave das leituras politizadas, cada um encontra a sua consciência da forma como pretender.

MV5BY2QwMzgzODMtNTM4MS00OWFmLWEwY2UtM2U0OWI3YWJlOW

Mas dentro desse retrato que esboça um Alentejo a passos do esquecimento, Raiva instala-se ainda como uma celebração das mulheres e sobretudo das atrizes portuguesas (passamos pela geração que tão bem traduz todo o nossos legado cinematográfico; Isabel Ruth, Leonor Silveira, Rita Cabaço, Lia Gama e Catarina Wallenstein). O signo feminino presente como juízos, quer finais ou motivos para os trilhos conflituosos do nosso “herói”, Hugo Bentes, o cartaz de Alentejo, Alentejo (o identitário documentário de Tréfaut) para as ribaltas da ficção, incentivando a sombra de um tipo de ator preciso e sobretudo inexistente no nosso leque profissional. Em Raiva há muito por onde olhar e refletir, uma peça discreta que vence por essa mesmo discrição. Mesmo não tendo a histeria de um ativismo a ser demarcado, este é sobretudo um filme necessário para as nossas consciências.

 

“Em terra sem pão, o pobre nasce pobre, o rico nasce rico”

 

Real.: Sérgio Tréfaut / Int.: Hugo Bentes, Isabel Ruth, Leonor Silveira, Rita Cabaço, Lia Gama, Catarina Wallenstein, Diogo Dória, Luís Miguel Cintra, Herman José

MV5BZjJlMWE3NzItYjA4Zi00MjA3LWIxMDItM2IyN2FkYjlkOT

 

 

6/10

publicado por Hugo Gomes às 16:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

21.4.15

outro_país_cartaz_f2.jpg

O mesmo Portugal, mas visto de fora!

 

O primeiro documentário de Sérgio Tréfaut (completado em 1999) revela-nos não só um novo movimento social, como também cinematográfico. Aliás, este é um dos retratos de como o Cinema pode ser bem mais do que um entretenimento visual ou um produto artístico, mas sim um meio de expressão. É a importância do 25 de Abril, não só somente como data da revolução portuguesa, mas como um evento insólito à escala mundial em que, não só houve a possibilidade de mudar o rumo de um país sem resultados catastróficos e sanguinários, como também este é um dos casos únicos em que as forças armadas estiveram do lado do povo e dos ideais dos movimentos socialistas e comunistas. Este dia relevante de um país que acordava para o Mundo, levou inúmeros jornalistas, assim como cineastas, a assistirem a algo digno de ser registado para a posteridade.

 

25 de Novembro.jpg

 

A verdade é que toda essa "peregrinação" originou obras cinematográficas que ainda hoje valorizamos, não só pelo seu conteúdo, mas como documentos de transcrição temporal, entre eles o mundialmente elogiado Torre Bela (Thomas Harlan, 1975), que eternizou a luta de uma cooperativa pela posse de propriedade privada no Ribatejo. Estes filmes quase transcreveram uma temática há muito visionada pelo Cinema de Bolchevique, a força das massas, o coletivo como combustão imparável para drásticas mudanças sociais e politicas. Felizmente, o Outro País de Tréfaut não ostenta qualquer doutrina política, nem se coloca num lado desta passada luta. É a sua neutralidade, o seu fascínio pelos acontecimentos, que o tornam num objeto de estima, numa reflexão social, politica e cinematográfica, o nosso 25 de Abril pelos olhos de "estrangeiros".

 

foto sebastião salgado (Outro País) 3.jpg

 

Por outras palavras, esta é uma coletânea, um guia para descobrir e redescobrir as obras identitárias do nosso panorama, assim como um país datado mas relembrado como uma lenda populista. Nos dias de hoje, retratos como este adquiriram uma dimensão mais aprofundada, "condenados" a novas reflexões e estudos. Tréfaut comanda este "case study", cujos mentores estão reunidos para futuras avaliações (Sebastião Salgado, Glauber Rocha, Robert Kramer, Thomas Harlan e até Chico Buarque). Merece a visualização!

 

Real.: Sérgio Tréfaut / Int.: Robert Kramer, Thomas Harlan, Sebastião Salgado

 

Imagem Cartaz.jpg

8/10

publicado por Hugo Gomes às 21:00
link do post | comentar | partilhar


sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Raiva (2018)

Outro País: Memórias, Son...

últ. comentários
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Padrinho... Mas Pouco: 3*Um filme divertido, mas p...
Impossível esquecer este anjo, este homem.
Triste perda. Que descanse em paz.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
1 comentário
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs