Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Raridades do cinema da R.F.A. na Cinemateca Portuguesa

Hugo Gomes, 30.10.16

x2.jpeg

Ludwig Ii – Glanz Und End Eines Königs (Helmut Käutner, 1954)

Em julho do ano passado, o crítico alemão Olaf Möller esteve presente na Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, onde apresentou um ciclo de filmes “desconhecidos” do cineasta conterrâneo G.W. Pabst. Numa das sessões, mais concretamente a de “Das Bekenntnis Der Ina Kahr” (“As Confissões de Ina Kahr”, 1954), Möller exibiu a sua indignação sobre o desprezo que o cinema produzido em tempos da R.F.A. obtém nos dias de hoje, inclusive na própria AlemanhaSegundo as suas palavras, era como se esse período fosse “apagado” da História do Cinema, e como grande culpado apontou para o Manifesto de Oberhausen, que viria a gerar o chamado movimento moderno, a partir de 1970, em que se destacaram nomes como Werner R. Fassbinder, Wim Wenders e Werner Herzog e que redefiniram a cinematografia alemã até aos tempos atuais.

Desde então, determinado em fazer redescobrir tais obras para o público e para a comunidade cinéfila, regressa à Cinemateca com uma extensa mostra de “filmes rejeitados“, um pouco como havia feito no anterior Festival de Locarno, mas destas vez sob versão alargada. O programa inclui mais de trinta e uma sessões de produções raras e de tamanho valor histórico, assim como artístico. Desde policiais, thrillers, melodramas, comédias, entre outros, passando pela velha guarda como Fritz Lang, de autores que se impuseram nos anos 50 junto à crítica como Wolfgang Staudt e Helmut Käutner, e ainda revelações surgidas como Jean-Marie Straub. Olaf Möller estará em Lisboa, a partir do dia 15, para apresentar regularmente os filmes e o crítico francês Jean Douchet fará uma conferência, ilustrada com excertos de filmes, sobre “The Indian Tomb” (1959), de Fritz Lang, provavelmente o mais conhecido filme desta extensa selecção.

O ciclo arrancará no próximo dia 2 de novembro, com “O Rei Louco” (“Ludwig Ii – Glanz Und End Eines Königs”, 1954), de Helmut Käutner, com Klaus Kinski no principal papel.

Ver programação completa aqui.