Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Nanni Moretti: "a ausência e o vazio são partes integrantes da vida"

Hugo Gomes, 02.11.21

capture-d’écran-2021-07-14-à-12.32.19.png

Há quem encare agora o realizador Nanni Moretti como o “marco de um passado recente”, conquistando o seu espaço com filmes que não reformulam a sua estrutura nem a abordagem, vincando novamente as suas duradouras questões políticas, de certa forma avesso a muitas preocupações atuais.

Contudo, o italiano continua um exímio artesão na sensibilidade com que coloca as suas personagens em situações mundanas ou até mesmo em sentimentos encarregados de preencher as suas respetivas ausências. Acima de cineasta político-satírico, Nanni Moretti é um homem das relações afetivas e como estas se manifestam perante as mais diferentes desventuras.

Inspirado num livro de Eshkol Nevo, o mais recente trabalho chama-se “Tre Piani”, que competiu pela Palma de Ouro na última edição do Festival de Cannes, onde os seus filmes são presença quase sempre garantida. “Os franceses apreciam a minha obra e eu dedico-lhos até esta admiração perdurar”, justificou quando se encontrou com um grupo de jornalistas para uma conversa na cidade francesa. Abaixo segue o resultado da minha conversa com o cineasta. 

Fale-me sobre o seu particular interesse neste livro ao ponto de o adaptar.

Sou um leitor lento, mas neste caso tornei-me viciado nas suas páginas, apercebendo-me de imediato que este era o tipo de personagens e histórias que desejaria contar no grande ecrã. Porém, a estrutura narrativa do livro não era adaptável ao formato cinematográfico. Por exemplo, as três histórias que decorrem num só prédio que não se cruzam, tendo decidido que teriam que ser entrelaçadas no filme. Outra grande diferença é que, no livro, todas estas personagens narram as suas desventuras umas às outras. No guião tentamos trazer a ação descrita nesses relatos, assim como as suas consequências na vida destas mesmas personagens.

Tem o costume de ser duro com as suas próprias personagens, mesmo as interpretadas por si, mas vamos sempre ter um certo afeto por elas. “Tre Piani” vive também disso, de procurar compaixão em personagens sofridas, sem nunca as vitimizar. 

Espero sempre que os espectadores amem as minhas personagens, mesmo que estas tenham um complicado processo de afeição. Falo das minhas encarnações como das outras.

Tenho sentido, principalmente nos últimos trabalhos, seja na realização [“La stanza del figlio”, “Mia Madre”] ou até mesmo na interpretação [“Caos Calmo”], uma certa atração pelo vazio e a ausência. É como se o Moretti quisesse atribuir um corpo possível às mesmas.

Atração não diria. O que acredito é que a ausência e o vazio são partes integrantes da vida e, como tais, incontornáveis nas minhas histórias. Sinto o dever de as colocar no centro delas.

trepiani1.jpeg

“Tre Piani” é possivelmente um dos seus filmes mais dramáticos, mas não é só isso, há aqui uma total ausência de humor. Aliás, o seu característico humor satírico. 

Não me interessava fazer um outro filme 'à la Nanni Moretti' [risos]. Estas personagens, com estas histórias, necessitavam de outro tom, assim como achei por bem não nomear um protagonista nesta comunidade. Todas as personagens estão em pé de igualdade. E sem um protagonismo definido, não ficamos condicionados a um só enfoque, a uma só direção, apenas ao essencial. Estas personagens apenas vivem no meu filme com a sua essencialidade e isso foi desafiante, assim como atribuir a cada história um estilo próprio, uma personalidade.

O que tem contra o filme 'à la Moretti'? [risos]

Nada. Apenas digo que este filme não precisava desse tratamento. Posso adiantar que o meu próximo trabalho será uma comédia, que escrevi durante a pandemia, mas advirto que não será sobre a pandemia. [risos] Mas voltando ao 'filme Moretti', apercebi-me recentemente que os meus filmes são diferentes capítulos da mesma camada, portanto decidi afastar-me desse registo.

Falando no guião, o Nanni Moretti tem por hábito escrever os seus próprios filmes. Em caso de uma adaptação com esta, sentiu-se limitado em termos criativos?

Esta é a primeira vez que adapto em vez de escrever do zero um enredo, mas posso garantir que não me senti minimizado criativamente com isto.

Outro 'modus operandi' é o de atuar nos seus próprios filmes. “Tre Piani” não é exceção. De que forma isso facilita ou dificulta a direção dos outros atores?

As minhas principais preocupações quando trabalho num filme são a escrita, o 'casting' e a direção dos atores. Ou seja, a atuação é a minha grande prioridade no meu cinema, são os atores que fazem e tornam possíveis os filmes, e como tal faço os possíveis para que os seus desempenhos sejam os mais credíveis possíveis. Por exemplo, tento conceber diálogos não tão literais e dirijo aos meus atores com o seguinte conselho: 'Decorem os diálogos, abreviam-nos, mas não os tornem aguçados'. Através desse método tento que os seus desempenhos sejam realistas, mas não naturalistas. Espontâneos, mas não instintivos, apenas simples.

trepiani-filmstill4_2843970_20210924120754.jpg

Visto que tem uma sala de cinema [Nuovo Sacher, em Roma]...

Sim, tenho-a há mais de 30 anos. O primeiro filme lá exibido foi “Riff-Raff”, de Ken Loach, em 1991.

… como encara estas novas formas de visualização dos filmes? Falamos, obviamente, do streaming.

Penso que a sala de cinema é imprescindível. E não digo isto como realizador, produtor ou exibidor, e sim como espectador. Não consigo imaginar a minha vida sem a possibilidade de ir a um cinema. A escuridão, a projeção em grande ecrã, a possibilidade de partilhar a nossa experiência com outros, são estas e mais as atenções a ter numa sala, que não são reproduzíveis noutras plataformas. Continuo a escrever e dirigir filmes somente endereçados para o cinema. Sei bem que as pessoas estão a habituar-se a ver filmes nos seus smartphones, mas pretendo ignorar esse facto. Isso nunca existiu. [assobia]

Disse que o seu próximo filme foi escrito durante a pandemia. Nesse sentido, ela teve algum efeito no seu trabalho? 

Se a pergunta for 'o que aprendeste com a pandemia', então a minha resposta seria automaticamente nula. [risos] Todas as lições supostamente ensinadas nesta pandemia já tinha aprendido antes da sua existência. A morte faz parte do nosso percurso existencial, a desigualdade social foi ‘coisa’ que sempre tive perceção, e que as nossas vidas são dependentes do acaso e da sorte. Sou um ‘sortudo’, mas há quem não teve essa sorte. Parte do meu filme foi rodado depois da pandemia e por isso adquire uma nova interpretação. Começamos  a ver “Tre Piani” como uma analogia sobre a realidade pós-pandemia, a nossa resistência em sair do 'conforto' e 'segurança' dos nossos apartamentos e voltarmos a abordar o exterior, novamente como uma comunidade.

Cannes 2021: recomecemos fresquinhos para mais uma temporada

Hugo Gomes, 18.07.21

214222964_10219664328455628_7484069744455186767_n.

Dou por terminada mais uma edição do festival, desta marcado pelas imensas saudades que tinha deste ritmo e da quantidade de sexo que a Competição ostentou nesta edição. Normalidade, não foi bem o que tivemos, mas o gosto de proximidade foi deveras revitalizador.

Com 36 filmes vistos e somente 12 entrevistas executadas com realizadores e atores como Ryusuke Hamaguchi, Nanni Moretti, Ari Folman, Tim Roth, Viky Krieps, Louis Garrel e Adèle Exarchopoulos (mais uma vez) e uma Palma de Ouro concretizada a “Titane”, o OVNI da Competição que confirmou a visão de Spike Lee em apostar num cinema arrojado, moderno e de género, fora dos conformismo que muita cinefilia apresenta, a 74ª edição de Cannes mostrou que a Sétima Arte permanece viva e vista em grande tela, em contradição às declarações precoces da sua morte, agravadas pela pandemia e pela expansão dominante do streaming.

Assim, deixo a minha lista de 10 filmes (marcantes diria eu) nesta Seleção, quer Oficial, quer secções paralelas (sem ordem de preferência):
 

218359427_10219717304539997_5586325465778182064_n.

A Hero (Asghar Farhadi) – Competição
 

218897078_10219717304780003_4881377919779208414_n.

Drive My Car (Ryusuke Hamaguchi) – Competição
 

218600966_10219717303819979_2221912876172221315_n. Julie (en 12 chapitres) / The Worst Person in the World (Joachim Trier) – Competição

218277632_10219717303179963_6933391566480002573_n.

La Civil (Teodora Mihai) – Un Certain Regard
 

218772960_10219717303339967_1525778472785753653_n. Onoda, 10 000 nuits dans la jungle (Arthur Harari) – Un Certain Regard 

218234430_10219717302379943_2192290718393455478_n.

Mi Iubita, Mon Amour (Noémie Merlant) – Sessão Especial

219818703_10219717305340017_1434929140998024768_n.

Rien à foutre (Julie Lecoustre e Emmanuel Marre) – Semana da Crítica
 

219407939_10219717304219989_4367070920732744759_n. Stillwater (Tom McCarthy) – Fora de Competição

217772587_10219717305660025_2490791907309099624_n.

Titane (Julia Ducournau) – Competição
 

218405531_10219717302619949_814427093262666434_n.j

Tre Piani (Nanni Moretti) – Competição

Nanni Moretti, o homem que viveu três vezes

Hugo Gomes, 13.07.21

Tre-Piani-2021-1.jpg

Deparamos com uma presença, ou será antes ausência, no cinema de Nanni Moretti nos últimos anos, jornada iniciada no “e se…” temporal de “La Stanza del Figlio” (2001) e prolongada por “Habemus Papam” (2011), “Mia Madre” (2015), acrescentando ainda o seu desempenho em “Caos Calmo” (2008), de Antonello Grimaldi, e agora nesta adaptação de um livro de Eshkol Nevo, “Tre Piani”. 

A consistência deste vazio trabalhado, a não-presença de algo ou alguém que motiva as suas personagens a se posicionar entre uma ação-presente e um passado imperativo (impedindo-as de se avançarem para o futuro). Seja Moretti imaginar a vida do seu filho após estar tragicamente suspensa, ou aguardar num banco de jardim pelo irremediável ou nesta sua nova obra, agora passando o testemunho a Margherita Buy, que comunica com o falecido marido através da voz deste captada num gravador de chamadas. Essa ternura, humanização do nada e ao mesmo tempo de tudo, converteram-se em pontos precisos num Moretti, como o próprio aclamou, de não querer mais fazer filmes à Moretti (indicando obviamente as suas comédias satíricas). 

Tre Piani” parte de uma ideia de constante trindade, são três famílias que residem num aparentemente pacato andar, cada uma delas num diferente andar (três), histórias autodidatas que apenas se cruzam em três específicos momentos, e que a ação permanece em três passagens temporais. Como é possível constatar, três é o signo de Moretti neste enviesamento de tramas, dramáticas mas de conflitos e reações minimalistas, até mesmo a incursão de farpas políticas à moda do realizador soam como levianas. E convém afirmar que essa leviandade não é em vão, a vida soa-nos por vezes pesada na experiência mas num olhar de fora ilude a uma trajetória em movimento na sua prescrita órbita.

Assim, como havia indicado, os três eventos específicos em que este grupo de personagens se unem direta ou indiretamente são reveladores quanto à passagem do seus respectivos individualismos. No fim, o que conta é o coletivo fílmico, Moretti filmou um prédio, uma comunidade, e transformou nessa cadeia de reações num cinema humano e nunca cedido ao espectáculo cinematográfico. É como uma peça teatral (aliás, três), cada uma delas atuando no seu papel, em três (mais uma vez) diferentes palcos, fazendo vénia e saindo em cena. Moretti apenas deu-lhe espaço para exprimirem com contenção.