Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Um colecionador de autores ...

Hugo Gomes, 09.02.21

honoree_jean-claude_carriere_-_getty_-_h_2020_-928

Jean-Claude Carrière (1931 – 2021) foi um dos mais impressionantes argumentistas do nosso tempo, e não há adjetivos que chegue para representar a sua genialidade e, mais que isso, hiperatividade. Digamos que a sua carreira fala por si.

birth.jpg

Birth (Jonathan Glazer, 2004)

c3a0-sombra-das-mulheres-2.jpg

L'ombre des femmes / In the Shadow of Women (Philippe Garrel, 2015)

charme_2.jpg

Le Charme Discret de la Bourgeoisie / The Discreet Charm of the Bourgeoisie (Luis Buñuel, 1972)

cyrano-de-bergerac-1990.jpg.crdownload

Cyrano de Bergerac (Jean-Paul Rappeneau, 1990)

the-tin-drum-1200-1200-675-675-crop-000000.jpg

The Tin Drum (Volker Schlöndorff, 1979)

tumblr_moc9a29crn1qdomqvo1_1280.jpg.crdownload

The Unbearable Lightness of Being (Philip Kaufman, 1988)

unnamed.jpg

Possession (Andrzej Zulawski, 1981)

godards-passion.jpg

Passion (Jean-Luc Godard, 1982)

002d405a.jpeg

Antonieta (Carlos Saura, 1982)

7a4c9a982c06481395ff3ce89c7bb7ae.jpg

Valmont (Milos Forman, 1989)

milou-1.jpeg

Milou en Mai / Milou in May (Louis Malle, 1990)

 

Calma ... aqui o bem é praticado

Hugo Gomes, 07.02.21

viridiana.jpg

 

Da mesma forma que um suposto “maluco” que diz ser “maluco”, verdadeiramente nunca o é, uma “pessoa de bem” que diz ser “de bem” nem próximo está. E quem mais apropriado para nos pregar isso mesmo que “Viridiana” de Luis Buñuel (1961), filme que remexe em territórios profundamente sagrados da Cristandade, o seu Poder entre os desfavorecidos e carenciados que nunca resultam na imunidade moral. Enquanto temos um filme-fenómeno na Netflix - “The White Tiger” (Ramin Bahrani, 2021) - que discursa que para subir nesta vida há que corromper os seus próprios ideais sem qualquer tipo de remorso ou consequências, o clássico aqui exposto nos oferece a possibilidade de olhar para o miserabilismo sem candura alguma. A podridão nasce, cresce e persiste, até mesmo nos seios dos “coitadinhos”. É a raça humana, diriam alguns, sem distinção quanto a classes.

O Desejo mata, destrói e corrompe-nos ...

Hugo Gomes, 11.10.20

MV5BZWU2MGFkYmMtMzZlOS00OTA0LTk3NmQtMWI1NTYzMDA2Yz

Neste novo “choque” com A Idade de Ouro de Luis Buñuel apercebi - possivelmente influenciado pela sonoridade da banda Black Bombaim e eletrónica de Luís Fernandes num cine-concerto na Casa de Artes de Famalicão (âmbito do Close-Up: Observatório de Cinema) - que o coração deste devaneio surrealista, dirão alguns, é o Desejo.

 

Mas antes de condensar tudo numa palavra cada vez mais comum e alicerçada aos mais diferentes campos, saliento que este desejo é particular … é um desejo que nos faz salivar pela destruição das ‘coisas’ ao nosso redor que dão origem à nossa índole. O pretexto de um amor platónico, magnético e insaciável de dois amantes que antes disso chafurdavam na lama onde quatro entidades papais (possivelmente a equivalência somada dos quatro cavaleiros do Apocalipse) permaneciam no seu descanso eterno. Aí, perante a violência a seres animalescos, nasceria uma “civilização” sobre o signo apaziguador dessa natureza apelativa ao fim de tudo alguma vez criado - ao armagedão.

 

O reencontro dos “apaixonados” complementa-se com um inevitável senso de mutilação, suicídio e autodestruição quer do corpo carnal, quer do espírito. A Idade de Ouro resgata o desejo dos confins infernais o qual a Religião o aprisiona, para depois servir de olhar inquisidor a essas mesmas “morais” doutrinadas. Porém, o desejo, novamente ele, emancipado torna-se num vetor de pulsão e impulsão, a entropia em todo este universo sem o seu devido nexo. E a partir do Desejo que nasce essas novas … religiosidades e as sua respetivas pregações.

A profissão mais antiga do mundo

Hugo Gomes, 01.11.16

FB_IMG_1582939773895.jpg

O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu (João Botelho, 2016)

FB_IMG_1582939767701.jpg

Total Recall (Paul Verhoeven, 1990)

FB_IMG_1582939764892.jpg

L'Apollonide (Souvenirs de la maison close) (Bertrand Bonello, 2011)

FB_IMG_1582939755316.jpg

Calígula (Tinto Brass, 1979)

FB_IMG_1582939762179.jpg

Byzantium (Neil Jordan, 2012)

FB_IMG_1582939749546.jpg

Noite Escura (João Canijo, 2004)

FB_IMG_1582939770715.jpg

Sucker Punch (Zack Snyder, 2011)

FB_IMG_1582939758127.jpg

Belle de Jour (Luis Buñuel, 1967)

FB_IMG_1582939752108.jpg

Vénus Noire (Abdellatif Kechiche, 2010)

FB_IMG_1582939746801.jpg

Sleeping Beauty (Julia Leigh, 2011)

FB_IMG_1582939740769.jpg

Il Casanova di Federico Fellini (Federico Fellini, 1976)

FB_IMG_1582939743566.jpg

Street of Shame (Kenji Mizoguchi, 1956)

6ec734464b5e55380dabbf8897ee5489-e1456347874728.jp

Pretty Baby (Louis Malle, 1978)