Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

James Caan, esse patife ... (1940 - 2022)

Hugo Gomes, 08.07.22

O músculo da família Corleone (a sua morte em “The Godfather” foi das mais violentas que presenciei na minha juventude), um ator de fisicalidade cuja essa propriedade foi utilizada como um desafio performativo em “Misery”, e mais tarde, como bem sabemos, Hollywood não lida bem com a velhice dos ‘outros’, um homem relegado ao seu mau humor, sem nunca perder a “pinta”. James Caan atravessou um tempo, diverso de autores, linguagens e estilos, presença reconhecível nos anos 70 que adquiriu dimensão histórica nos anos 90  e no início do novo milénio, até por fim chegar aos últimos anos, demonstrando a sua descartabilidade (papéis relevantes faltaram na sua carreira em término). Mas quanto a isso, não há nada a fazer, só quando desaparecem é que sentimos a falta. Caan, o patife, o criminoso, o intolerável, pelos menos foi essa imagem transmitida anos a fio, e verdade seja dita, era bem bom naquilo que fazia.

7f3e73e7889927dd85aaa06dd7765fc4.jpg

Silent Movie (Mel Brooks, 1976)

image-w1280.jpg

Slither (Howard Zieff, 1973)

james-caan.webp

The Godfather (Francis Ford Coppola, 1972)

misery-kathy-bates-james-caan-today-151009-tease-0

Misery (Rob Reiner, 1990)

MV5BMzViYTQxMDYtOTYwZi00MjFiLThjZWEtOGM3OTJlNTgyM2

Dogville (Lars Von Trier, 2003)

MV5BNDczZjg3NDctZmFmOC00YzVkLTlhMDAtYmJhNjdiYjkwZG

The Yards (James Gray, 2000)

MV5BOThhYzA5OGUtOGVmOC00MTE5LWE4YTgtZDQxZTNhODYzMW

Dick Tracy (Warren Beatty, 1990)

rollerball-1975-featured-pic.webp

Rollerball (Norman Jewison, 1975)

thekillerelite3-1600x900-c-default.jpg

The Killer Ellite (Sam Peckinpah, 1975)

zlodziej_1981_james_caan_12.jpg

Thief (Michael Mann, 1981)

Ad Astra: as estrelas contempladas por James Gray

Hugo Gomes, 13.09.19

71098496_10214689652971850_6939051216135520256_o.j

James Gray decidiu olhar para as estrelas e contemplar a vastidão do universo, possivelmente é através desse ato que se apercebe da sua pequenez enquanto mero mortal num já extenso legado. Ad Astra … para as estrelas, tradução literal … é um virtuosismo véu que cobre as falhas sempre ostentadas ao longo da sua carreira, mas ofuscadas pela veneração de outros. Aqui, Brad Pitt é o peregrino espacial num eterno conflito com a sua persona e aquilo que nós, espectadores, testemunhamos, ou seja, por palavras diretas, uma voz off em modo maliquice tenta vendar-nos dos eternos lugares-comuns e epifanias espaciais que este subgénero encontra-se exausto. Queríamos uma odisseia pelas galáxias e obtivemos uma quimera a cru.

A Oportunidade Perdida de Z

Hugo Gomes, 27.04.17

FB_IMG_1583084569755.jpg

A Amazónia foi em tempos vista como uma selva indomável e impenetrável, o novo filme de James Gray apenas tem em comum o último ponto. É um registo domado pela fanfarrice e pelo constante estatuto de "aluno aplicado" que o realizador sempre fora. Sim, Gray é mesmo o pior que The Lost City of Z tem para nos oferecer, porque de resto encontramos uma autêntico anti-aventura com vinculo na matriz da tão chamada "civilização".