Data
Título
Take
21.4.18

492272093.jpg

O cineasta canadiano David Cronenberg vai ser homenageado com o Leão de Ouro na 75ª edição do Festival Internacional de Veneza (29 de agosto a 8 setembro). Para o diretor artístico do festival, Albert Barbera, referiu o realizador como um artista “que levou as audiência para lá da fronteira do ‘exploitation’

 

Atualmente com 75 anos, Cronenberg expressou o seu contentamento com o Prémio de Carreira: “Sempre amei o Leão de Ouro de Veneza. Um leão que voa graças a asas douradas - essa é a essência da arte, não é? A essência do cinema. Será insuportavelmente emocionante receber o meu próprio Leão de Ouro.

 

Conhecido autor do cinema de género, David Cronenberg sempre se preocupara com o vinculo psicológico para com o físico em transformação. Proposta evidente em obras suas como The Fly, Crash, Dead Ringers, Videodrome e Eastern Promises.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 18:16
link do post | comentar | partilhar

19.4.18

quixote.jpg

Para além do novo filme de Lars Von Trier, The House that Jack Built, Cannes revelou mais títulos para a sua programação, entre os quais o badalado The Man who Killed Don Quixote, de Terry Gilliam, que se encontra sob disputa judicial quanto aos seus direitos de distribuição. O filme foi escolhido para encerrar o certame.

 

Quanto às outras adições, Un couteau dans le cœur (Knife + Heart) do francês Yann Gonzalez (tendo Vanessa Paradis como protagonista), Ayka do cazaque Sergey Dvortsevoy (realizador galardoado com o Prémio de Un Certain Regard por Tulpan) e o regresso do turco Nuri Bilge Ceylan (vencedor da Palma de Ouro em 2014) com Ahlat Agaci (The Wild Pear Tree) completam a Competição Oficial.

 

fahrenheit-451-trailer-2-fb.jpg

 

Whitney, o documentário assinado por Kevin Macdonald (O Último Rei da Escócia), sobre a cantora mundialmente célebre Whitney Houston, será, em conjunto com Fahrenheit 451, a adaptação do livro de Ray Bradbury pelo canal HBO, serão as sessões da Meia-Noite.

 

Un Certain Regard também com novas adições, e bem lusófonas. Chuva e Cantoria Na Aldeia Dos Mortos, documentários do português João Salaviza e da brasileira Renée Nader Messora sobre o povo Krahô, um comunidade indígena vivente no centro do Brasil, junta-se à competição ao lado de Muere, Monstruo, Muere, do argentino Alejandro Fadel, e de Donbass, de Sergey Loznitsa, que abrirá a secção “Um Certo Olhar”.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 15:18
link do post | comentar | partilhar

18.4.18
18.4.18

30710779_1826865254041687_6049311885654753280_n.jp

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 23:49
link do post | comentar | partilhar

unnamed-14-1024x390.jpg

A importância da preservação do património cinematográfico e os métodos de arquivamento serão novamente debatidos numa segunda edição do Laboratório do Ciclo de Encontros O que é O Arquivo? Depois da primeira edição em 2017, a Cinemateca Portuguesa volta a albergar esta rúbrica que se prolongará durante os próximos três dia (18 a 20 de abril), contando com mesas redondas, sessões de cinema e intervenções de ilustres convidados incluindo o teórico e professor do Pratt Institute, Jonathan Beller.

 

Tendo organização do Arquivo Municipal de Lisboa-Videoteca, em parceria com a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, as sessões do O que é O Arquivo? serão gratuitas (com exceção da sessão de dia 18 de abril, às 21h30), composto cada uma por projeção de filmes seguida das intervenções de cineastas, investigadores, programadores e arquivistas. De forma a perpetuar o debate, no dia 19, será ainda lançado o livro O que é o arquivo? Laboratório 1: Arte / Arquivo.

 

Toda a programação do ciclo poderá ser vista aqui

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 02:49
link do post | comentar | partilhar

17.4.18

quinzaine_2018_314x229_presse_HDcmyk.jpg

 

Longas-Metragens

Amin de Philippe Faucon (estreia mundial)

Carmen y Lola de Arantxa Echevarria (estreia mundial) – primeiro filme

Climax de Gaspar Noé (estreia mundial)

Cómprame un revólver ( Buy Me a Gun ) de Julio Hernández Cordón (estreia mundial)

Les Confins du monde de Guillaume Nicloux (estreia mundial)

El motoarrebatador ( The Snatch Thief ) de Agustín Toscano (estreia mundial)

En Liberté ! de Pierre Salvadori (estreia mundial)

Joueurs ( Treat Me Like Fire ) de Marie Monge (estreia mundial) – primeiro filme

Leave No Trace de Debra Granik première internationale

Los silencios de Beatriz Seigner (estreia mundial)

Ming wang xing shi ke ( The Pluto Moment ) de Ming Zhang (estreia mundial)

Mandy de Panos Cosmatos

Mirai ( Mirai ma petite sœur ) de Mamoru Hosoda (estreia mundial)

Le monde est à toi de Romain Gavras (estreia mundial)

Pájaros de verano ( Birds of Passage – Les Oiseaux de passage ) de Ciro Guerra & Cristina Gallego (estreia mundial) – filme de abertura

Petra de Jaime Rosales (estreia mundial)

Samouni Road de Stefano Savona (estreia mundial) – documentario

Teret ( The Load ) de Ognjen Glavonic (estreia mundial)

Troppa grazia de Gianni Zanasi (estreia mundial) – filme de encerramento

Weldi ( Dear Son – Mon cher enfant ) de Mohamed Ben Attia (estreia mundial)

 

Curtas-Metragens

Basses de Félix Imbert

Ce magnifique gâteau ! ( This Magnificient Cake ! ) de Emma De Swaef & Marc Roels

La Chanson ( The Song ) de Tiphaine Raffier

La lotta de Marco Bellocchio

Las cruces de Nicolas Boone

La Nuit des sacs plastiques ( The Night of the Plastic Bags ) de Gabriel Harel

O órfão ( The Orphan ) de Carolina Markowicz

Our Song to War de Juanita Onzaga – documentário

Skip Day de Patrick Bresnan & Ivette Lucas - documentário

Le Sujet ( The Subject ) de Patrick Bouchard

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 15:07
link do post | comentar | partilhar

15.4.18

ac8f9d08-2744-4d99-912a-28f35c380306.jpg

O mais recente trabalho de Gabriel Abrantes, Humores Artificiais, triunfou na Competição Nacional do 8º Festival Córtex, que ocorreu no Centro Olga do Cadaval, em Sintra, entre os dias 11 a 18 de abril. Segundo as palavras do júri: " um filme que se deseja que chegue ao grande público, através do seu carácter provocador e humor inusitado, constrói uma alegoria surpreendente sobre as várias formas de comunicação entre uma indígena e um robot.". Tudo o que Imagino, de Leonor Noivo, foi premiada com uma Menção Honrosa.

 

Composto pela atriz Beatriz Batarda, a realizadora Margarida Leitão, o realizador Sérgio Tréfaut, o programador do Festival Queer, João Ferreira, a dramaturga Cláudia Lucas Chéu e a programadora de curtas-metragens do Indielisboa, Ana David, o júri ainda elegeu o filme de animação polaco The Wizard of U.S., de Balbina Bruszewska, como o melhor da Competição Internacional. “Um filme arrojado e profundamente livre de diferentes dispositivos de animação”, assim descreveu o júri durante a entrega da distinção.

 

Já na secção Mini-Córtex, destinados a filmes para o público infantil, foi premiado a curta In a Heartbeat, filme norte-americano realizado por Esteban Bravo e Beth David. Enquanto isso, Surpresa, de Paulo Patrício, recebe o Prémio do Público.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 19:45
link do post | comentar | partilhar

14.4.18

MV5BNmNhOTE5NDctM2RiMi00OWM0LTlhMjYtNzAyNGQ0MWM2Zj

Como se sabe, a Netflix não terá qualquer filme presente este ano em Cannes, em consequência está a decisão do Festival em excluir qualquer obra sem distribuição cinematográfica em França da competição.

 

Para a Helen Mirren, tal decisão da empresa de streaming é “devastadora” para qualquer cineasta. Em uma entrevista ao site I News, a atriz de Winchester (em cartaz) revelou a sua posição em relação a este confronto. Mesmo admitindo que gosta de assistir filmes no seu IPad, Mirren encontra-se do lado de Cannes, referindo que é "devastador para pessoas como meu marido [Taylor Hackford], realizadores, porque querem que seus filmes sejam exibidos em uma sala de cinema para um grupo de pessoas. É algo comum".

 

Esta decisão da Netflix afetou a possibilidade de obras de cineastas como Alfonso Cuarón (Roma), Jeremy Saulnier (Hold the Dark), Paul Greengrass (Norway) e dois projetos em torno de Orson Welles: o documentário de Morgan Neville, They'll Love Me When I'm Dead, e The Other Side of the Wind, projeto inacabado do cineasta agora terminado, de integrar a Seleção do Festival de Cannes.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 02:25
link do post | comentar | partilhar

13.4.18

37182-Happy_Winter__5_.png

Happy Winter é o grande vencedor da 11ª Festa do Cinema Italiano. A primeira obra de Giovanni Totaro, um documentário sobre a época balnear de Palermo, em Sicília, arrecadou o cobiçado Prémio do Júri. Por sua vez, Cuori puri, de Roberto de Paolis, também primeira longa-metragem, foi o preferido do público.

 

O júri desta edição foi integrado pelo jovem realizador Pedro Cabeleira, a jornalista Paula Brito Medori e o programador da Cinemateca Portuguesa, Francisco Valente.

 

A cerimónia de revelação e entrega dos prémios foi sucedida pela projeção de The Place, o mais recente filme de Paolo Genovese (Perfetti sconosciuti), que contará com estreia nacional.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 02:02
link do post | comentar | partilhar

12.4.18

30571814_1861076997246561_6806814790773199958_n.jp

Jean-Luc Godard, Spike Lee, Stéphane Brizé, Jia Zhang-kee, entre outros, irão competir pela Palma de Ouro nesta 71ª edição do Festival de Cannes. Uma programação cheio de surpresas e com muitos nomes estreantes irão fazer as delícias dos cinéfilos nos dias 8 a 19 de maio na Riviera Francesa.

 

Destaque ainda para O Grande Circo Místico, do realizador brasileiro Cacá Diegues (Carlos Diegues), uma coprodução portuguesa em sessão especial nesta tão cobiçada mostra cinematográfica.  

 

Filme de Abertura

“Everybody Knows,” Asghar Farhadi (em Competição)

 

Competição

“Asako I & II,” Ryusuke Hamaguchi

“Ash Is Purest White,” Jia Zhang-Ke

“At War,” Stéphane Brizé

“BlacKkKlansman,” Spike Lee

“Burning,” Lee Chang-Dong

“Capernaum,” Nadine Labaki

“Cold War,” Pawel Pawlikowski

“Dogman,” Matteo Garrone

“Girls of the Sun,” Eva Husson

“Lazzaro Felice,” Alice Rohrwacher

“Shoplifters,” Kore-Eda Hirokazu

“Sorry Angel,” Christophe Honoré

“Summer,” Kirill Serebrennikov

“The Picture Book,” Jean-Luc Godard

“Three Faces,” Jafar Panahi

“Under the Silver Lake,” David Robert Mitchell

“Yomeddine,” A.B Shawky

 

 

Un Certain Regard

“Angel Face,” Vanessa Filho

“Border,” Ali Abbasi

“Euphoria,” Valeria Golino

“Friend,” Wanuri Kahiu

“Girl,” Lukas Dhont

“In My Room,” Ulrich Köhler

“Little Tickles,” Andréa Bescond & Eric Métayer

“Long Day’s Journey Into Night,” Bi Gan

“Manto,” Nandita Das

“My Favorite Fabric,” Gaya Jiji

“Sextape,” Antoine Desrosières

“Sofia,” Meyem Benm’Barek

“The Angel,” Luis Ortega

“The Gentle Indifference of the World,” Adilkhan Yerzhanov

“The Harvesters,” Etienne Kallos

 

Fora da Competição

“Le Grand Bain,” Gilles Lellouche

“Solo: A Star Wars Story,” Ron Howard

 

Sessões Especiais

“10 Years in Thailand,” Aditya Assarat, Wisit Sasanatieng, Chulayarnon Sriphol & Apichatpong Weerasethakul

“Dead Souls,” by Wang Bing

“La Traversee,” Romain Goupil

“O Grande Circo Místico,” Carlo Diegues

“Pope Francis – A Man of His Word,” Wim Wenders

“The State Against Mandela and Others,” Nicolas Champeaux & Gilles Porte

“To the Four Winds,” Michel Toesca

 

Sessões da Meia-Noite

“Arctic,” Joe Penna

“The Spy Gone North,” Yoon Jong-Bing

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 12:33
link do post | comentar | partilhar

11.4.18

safari1.jpg

O austríaco Ulrich Seidl estará presente no Cinema Ideal para apresentar um dos seus últimos trabalhos, Safari, uma obra fiel ao seu registo de cinismo que nos leva a olhar e a condenar o “turismos do troféus nos safaris africanos”. Celebrado sobretudo pelas suas takes ácidas ao universo dos modelos (Models, 1999) e da trilogia Paradies (2013), um ensaio cirúrgico aos problemas de “Primeiro Mundo”, Seidl é a figura homenageada na 8ª edição do Córtex: Festival Internacional de Curta-Metragem, que decorrerá, sobretudo, no Centro Olga Cadaval, em Sintra. Este ano, o Cinema Ideal integrará parte da programação do festival exibindo, para além da abertura, as primeiras obras do premiado cineasta austríaco (vencedor do Leão de Ouro em Veneza em 2001 por Hundstage – Dog Days).

 

Mas mantendo a tradição, ambas as Competições prevalecem com tamanho rigor na sua seleção, incluindo a Competição Nacional que é formada nesta edição por alguns dos nomes mais sonantes deste universo em Portugal. Como tal, podemos contar com João Salaviza e o seu Altas Cidades de Ossadas, o premiado em Berlim, Cidade Pequena de Diogo Costa Amarante; Salomé Lamas com Coup de Gracê, o muito badalado Farpões e Baldios de Marta Mateus e os recentes trabalhos de Leonor Noivo (Tudo o que Imagino), Gabriel Abrantes (Humores Artificiais) e Diogo Baldaia (Miragem meus Putos).

 

nightcall.jpg

 

Neste oitavo ano, o Córtex alia-se ao VIS Vienna Shorts Festival, o festival principal de curtas-metragens da Áustria que tem legibilidade aos Óscares da Academia e ainda ao Austrian Film Awards. Como grande novidade o Córtex inaugura o Frontal, uma secção que visa em diferenciar do modus operandis de muito dos festivais de cinema. Ou seja, ao invés de separar as audiências juvenis e seniores em sessões adversas, o festival de Sintra planeia com isto unir estas faixas etárias numa secção adaptável e de linguagem transversal para com estas divergentes perspetivas. Contudo, os mais “pequenos” continuarão a ter o seu espaço imaculado com Mini-Córtex, novamente sob a co-programação da MONSTRA – Festival de Animação de Lisboa.

 

O júri desta edição é composta pela atriz Beatriz Batarda, a realizadora Margarida Leitão, o realizador Sérgio Tréfaut, o programador do Festival Queer, João Ferreira, a dramaturga Cláudia Lucas Chéu e a programadora de curtas-metragens do Indielisboa, Ana David.

 

cidade_pequena_2.png

O 8º Córtex – Festival de Curtas Metragens de Sintra prolongará até 18 de abril, decorrendo nos já referidos espaços Centro Olga de Cadaval, Cinema Ideal e ainda no MU.SA (Museu de Artes de Sintra), que se manterá como palco dos programas paralelos.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 14:05
link do post | comentar | partilhar

6.4.18

MV5BMTg2MjM5NTQ4MV5BMl5BanBnXkFtZTgwNzExMTQ3NDM@._

Han Solo: Uma História de Star Wars será exibido no próximo Festival de Cannes. O filme assinado por Ron Howard que decorre antes dos eventos da trilogia original de Star Wars, tem projeção especial no tão cobiçado evento cinematográfico no dia 15 de maio.

 

Com estreia marcada para dia 24 em Portugal, Han Solo: Uma História de Star Wars conta no elenco com Alden Ehrenreich, Woody Harrelson, Emilia Clarke, Donald Glover, Thandie Newton, Phoebe Waller-Bridge, Joonas Suotamo (como Chewbacca) e Paul Bettany. Esta prequela focará no primeiro encontro entre o famoso mercenário, anteriormente interpretado por Harrison Ford, e o seu comparsa "Chewie".

 

Em relação ao Festival de Cannes (8 a 19 de Maio), esta não será a primeira vez que um filme da saga intergaláctica integra a programação. Em 2002 e 2005 os episódios II (Ataque dos Clones) e III (A Vingança de Sith), respetivamente, tiveram as honras de ser apresentados em Fora de Competição.

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 13:27
link do post | comentar | partilhar

5.4.18

Sem Título.jpg

Penélope Cruz e Javier Bardem são os protagonistas de Todos lo Saben (Everybody Knows), o primeiro filme de língua espanhola do iraniano Asghar Farhadi (Uma Separação; O Passado; O Vendedor). O filme terá as honras de abrir o 71º Festival de Cannes.

 

Este drama familiar e thriller psicológico acompanha Laura, uma mulher que viaja com a sua família de Buenos Aires para Espanha. Mas o que iria ser uma celebração acaba por se tornar num pesadelo e na revelação de segredos que poderão colocar em causa toda a família. Ricardo Darin, Inma Cuesta, Carla Campra e Bárbara Lennie compõe o resto do elenco.

 

Vale a pena referir que este projeto inicialmente teria o selo da El Deseo, de Pedro e de Agustín Almodóvar, mas a empresa abandonou a produção.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 13:31
link do post | comentar | partilhar

4.4.18

silian-ghost-story.jpg

Sicilian Ghost Story, o novo filme da dupla Fabio Grassadonia e Antonio Piazza (Salvo), será o filme de abertura da 11ª Festa do Cinema Italiano, evento que se prolongará até dia 12 de abril no Cinema São Jorge, UCI El Corte Inglês e Cinemateca Portuguesa.

 

A edição deste ano será marcado por uma retrospetiva do muito ácido Marco Ferreri, as novas obras dos irmãos Taviani (Una Questione Privata), Paolo Virzi (The Leisure Seeker), Marco Tullio Giordana (Nome di Donna), Paolo Genovese (The Place) e ainda a esperada estreia de Nico, 1988, de Susaano Nicchiarelli. Durante o tempo de festival, o sempre adorado Nuovo Cinema Paradiso será reposto nos cinemas nacionais.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 18:42
link do post | comentar | partilhar

2.4.18

201712400_4_IMG_FIX_700x700 (1).jpg

Colo, de Teresa Villaverde, foi premiado com o Prix Sauvages no 13.º Festival L'Europe Autour de l'Europe, em Paris. Numa edição que teve como destaque uma retrospetiva ao cineasta catalão Albert Serra (A Morte de Louis XIV), a obra da portuguesa venceu o prémio principal da Competição, segundo o comunicado oficial, unanimidade pelo júri composto pelos realizadores Ralitza Petrova, Szabolcs Tolnai, Rafael Lewandowski, o produtor György Raduly e ainda o crítico de cinema Tue Steen Müller.

 

Colo que estreou há poucas semanas nos circuito comercial, tendo passado em festivais como Berlim e Indielisboa (encontra-se inserido no programa de cinema português do ACID em Cannes), é um filme que debate sobre a crise no seio familiar enquanto assiste gradualmente à sua deformação. A obra competiu com filmes como Wild, de Nicolette Krebitz (Alemanha), Wild Roses, de Anna Jadowska (Polónia), Aurora Borealis, de Márta Mészáros (Hungria) e November, de Rainer Sarnet (Estónia), este último acabou por sair do festival com Prémio Luna.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 15:04
link do post | comentar | partilhar

1.4.18

umapedranosapato_terra_franca_5a787b2de0f4e (1).jp

James Benning é o grande vencedor da 40ª edição do Cinéma du Réel, o Festival Internacional de Cinema Documental que acontece todos os anos na cidade de Paris. A nova obra do veterano realizador norte-americano, L.COHEN, um filme-panorama em jeito de homenagem ao falecido cantor Leonard Cohen, conquistou o Grande Prémio do festival.

 

Em destaque a portuguesa Leonor Teles (premiada com o Urso de Ouro em Berlim pela curta A Balada do Batráquio) é laureada com o Prémio Internacional de la Scam graças à sua primeira longa-metragem, Terra Franca.

 

Grande Prémio

L.COHEN

 

Prémio Internacional de la Scam

Terra Franca

 

Prémio Instituto Francês Louis Marcorelles

Les Proies

 

Menção

Image you Missed

Roman National

 

Prémio The Joris Ivens / Cnap

Lembro mais dos Corvos

 

Prémio de Curta-Metragem

White Elephant

 

Menção

Gens Du Lac

 

Prémio Bois-D'arcy's Prisonners

Saule Marceau

 

Prémio de Júri Jovem

Lembro mais dos Corvos

 

Prémio The Library

Rêver Sous Le Capitalisme

 

Menção Honrosa

Al Di Là Dell'uno

 

Prémio Herança Intangível

Harvest Moon

 

Prémio Música Original

The Image you Missed

 

Menção Honrosa

Salarium

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 13:51
link do post | comentar | partilhar

29.3.18

christopher-nolan-time-100-2015-artists.jpg

Christopher Nolan marcará pela primeira vez presença no Festival de Cannes. Porém, não será para apresentar nenhuma das suas obras, mas sim para celebrar os 50 anos de 2001: Uma Odisseia no Espaço, a ficção cientifica clássica de Stanley Kubrick.

 

Datado de 1968, o filme que se tornou numa das incontornáveis referências do género no Cinema será projetado na 71ª edição do festival com uma cópia de 70 mm (formato que será exibido pela primeira vez desde a estreia do filme). A sessão será apresentada pelo realizador de Dunkirk, no dia 12 de maio, sendo que no dia seguinte, o cineasta coordenará uma masterclass onde abordará a influência da obra de Kubrick na sua própria carreira, em especial o seu trajeto na ficção científica em Interstellar (2014).

 

2001-space-odyssey-stanley-kubrick-50th-anniversar

 

Uma das minhas primeiras recordações no cinema foi de ver o filme de Stanley Kubrick, 2001: Uma Odisseia no Espaço, em 70mm, no Leicester Square Theater, em Londres, com o meu pai. A oportunidade de estar envolvido na recriação dessa experiência para uma nova geração e de apresentar a nova cópia não restaurada de 70mm da obra-prima de Kubrick em toda a sua glória analógica no Festival de Cannes é uma honra e um privilégio. ” declarou Nolan em comunicado oficial.

 

O Festival de Cannes começa a 8 de maio e prolonga-se até dia 19 do mesmo mês. A seleção oficial será anunciada no dia 12 de abril.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 00:22
link do post | comentar | partilhar

28.3.18

pjimage.jpg

15 anos é uma longevidade a merecer ser celebrada, mas o Indielisboa não apresentará nenhuma novidade ou reestruturação no seu mapa de secções, assim como na natureza do próprio festival. “Perguntam-me quais são as novidades do Indielisboa deste ano e eu respondo que há 245 novidades, que são os filmes”, afirmou o diretor e programador Nuno Sena em conferência de imprensa. Mesmo não tendo qualquer alteração radical na sua programação, a festividade desta edição adquirirá um certo gosto nostálgico, um 15º festival que dialoga sobretudo com os primeiros passos do evento de Cinema Independente de Lisboa.

 

Nesse sentido, o contingente português continua em altas. O Indielisboa continuará a contar com um grande número de obras portugueses que vão desde curtas a longas metragens, estreias a confirmações, passando por estudantes a veteranos. É uma celebração lusitana, por outras palavras, 49 produções portugueses a figurar a montra deste ano, sendo que 18 comporão a Competição Nacional. E sob aventuras portuguesas, o Festival arrancará e encerrará com uma obra nacional. Drvo: A Arvore de André Gil Mata (filme que debruça sobre os fantasmas permanentes da Guerra dos Balcãs, tendo marcado presença na secção Panorama do último Festival de Berlim) terá as honras dar o passo em frente na programação, enquanto que Raiva, a nova obra de Sérgio Tréfaut, salienta-se, autor habitual na História do Festival, é encarregue de marcar o “The End” da temporada.

 

indielisboa18programacao_02.jpg

 

Falando em habitués, a programação deste ano prepara-se para reencontrar novos trabalhos de "velhos amigos", grande parte deles reunidos na secção Silvestre. Poderemos contar com Paul Vecchiali, o herói independente da edição passada, que regressa a Lisboa para apresentar os seus recentes Les sept déserteurs ou La guerre en vrac e Train de vie ou les voyages d’ Angellque, o duo do bielorrusso Serge Loznitsa (A Gentle Creature, Victory Day), Eugène Green (Waiting for the Barbarians), James Benning (Readers), Claire Simmon (Young Solitude), Claude Lanzmann (The Four Sisters) e Radu Jude (The Dead Nation). Em destaque, e um dos grandes focos do festival, O Processo, filme controverso de Maria Ramos que aborda o julgamento da destituída presidente do Brasil, Dilma Rousseff.

 

Sem surpresas as secções Indiemusic, Director’s Cut e Boca do Inferno se manterão, esta última com uma sessão espacial no terraço do Capitólio com a exibição de As Boas Maneiras de Juliana Rojas e Marco Dutra, dupla impagável do cinema de género brasileiro. Ainda podemos contar com o especial televisivo, a projeção dos dois primeiros episódios de Sara com Beatriz Batarda, trabalho de Marcos Martins (Alice; São Jorge) sobre uma atriz farta de chorar no cinema, e ainda uma montra de metragens que visam o relacionamento entre Portugal e Macau, o Ocidente e o Oriente.

 

as-boas-maneiras.jpg-696x429.jpeg

 

Por fim, como também é habitual, os heróis independentes. Lucrecia Martel, um nome que acompanhou os primórdios do festival, vai marcar presença e será acompanhada com uma mostra integral da sua filmografia. É de notar que para além dos seus trabalhos consagrados como La Niña Santa (A Rapariga Santa) e La Mujer sin Cabeza (A Mulher Sem Cabeça), será ainda exibido Zama, até à data o seu último filme.

 

Um autor cirúrgico”, assim o descreve Maria João Madeira, programadora da Cinema-Portuguesa, sobre o segundo Herói Independente do Indielisboa, o histórico Jacques Rozier, apontado como um dos pilares da Nouvelle Vague, mas que infelizmente não usufrui da mesma notoriedade de Godard, Truffaut e até mesmo de Rohmer. O realizador de Adieu Philippine e Maine Ocean será homenageado pelo festival através de uma retrospetiva organizada em colaboração com a Cinemateca Portuguesa e a Cinemateca Francesa.

 

O 15º Indielisboa decorrerá na capital de 26 de abril a 6 de maio na Culturgest, Cinema São Jorge, Cinemateca Portuguesa e Cinema Ideal. Este ano, a Biblioteca Palácio Galveias funcionará como uma espécie de Festival Center.

image-w1280 (1).jpg

 Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 00:07
link do post | comentar | partilhar

18.3.18

Cinderella_The_Cat02.jpg

A animação italiana Gatta Cenerentola (Gata Cinderela), de Ivan Cappiello e Marino Guarnieri, foi premiada na 17ª edição da MONSTRA. O júri laureou o filme com o cobiçado Grande Prémio, distinguindo-o "grande técnica de animação, uma boa adaptação de uma história bem conhecida de um ponto de vista moderno; e também pela forte e original culturalidade e pelas grandes personagens." O filme ainda recebeu o Prémio de Melhor Banda Sonora.

 

Enquanto isso o chinês Have a Nice Day (Tem um Bom Dia), de Liu Jian, vence o Prémio Especial do Júri e The Breadwinner (A Ganha-Pão), de Nora Twomey, conquista o Público. Já A Sonolenta, de Marta Monteiro, arrebata a a Competição Portuguesa - Prémio SPAutores / Vasco Granja, "uma história encantatória que nos atraiu pela sua coerência forte, com uma excelente qualidade de desenho e, genericamente, de realização", segundo o júri. A Surpresa, de Paulo Patrício recebeu o Prémio do Público nessa mesma competição.

 

COMPETIÇÃO PORTUGUESA - PRÉMIO SPAUTORES / VASCO GRANJA

Melhor Curta Portuguesa

A Sonolenta/Sleepy | Marta Monteiro | Portugal, 2017, 10´20

Menção Honrosa

Água Mole/ Drop by Drop | Laura Gonçalves, Alexandra Ramires (Xá) | Portugal, 2017, 9´15

Prémio do Público

Surpresa/ Surprise | Paulo Patrício | Portugal, 2017, 8’40

 

COMPETIÇÃO DE LONGAS-METRAGENS

Grand Prix MONSTRA Longas-Metragens

Gata Cinderela/Cinderella The Cat, Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak, Dario Sansone | Itália/Italy, 2017, 86´

Melhor Banda Sonora

Gata Cinderela/Cinderella The Cat| Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak, Dario Sansone | Itália/Italy, 2017, 86´

Prémio Especial do Júri

Tem um Bom Dia/Have a Nice Day | Liu Jian | China, 2017, 77´

Prémio do Público

A Ganha-Pão/The Breadwinner | Nora Twomey | Irlanda/Ireland, Luxemburgo/Luxembourg, Canadá/Canada, 2017, 94´

 

COMPETIÇÃO DE CURTAS-METRAGENS

Grand Prix MONSTRA Curtas-Metragens

Espaço Negativo/Negative Space | Max Porter & Ru Kuwahata | França/France, 2017, 5´30

Melhor Curta-Metragem Experimental

Das Gavetas Nascem Sons/The Sounds From the Drawers | Vítor Hugo | Portugal, 2017, 6´16

Melhor Curta-Metragem Portuguesa

Água Mole/Drop by Drop | Laura Gonçalves, Alexandra Ramires (Xá) | Portugal, 2017, 9´15

Prémio Especial do Júri

Quarta-feira com Goddard/Wednesday with Goddard | Nicolas Ménard | Reino Unido/United Kingdom, 2016, 4´

Menções Honrosas

O Ogre/L'ogre | Laurène Braibant | França/France, 2017, 9´41

Manivald | Chintis Lundgren | Estónia/Estonia, Croácia/Croatia, Canadá/Canada, 2017, 13´

Avô Morsa/Grandpa Walrus | Lucrèce Andreae | França/France, 2017, 14´53

Prémio do Público

Espaço Negativo/Negative Space | Max Porter & Ru Kuwahata | França/France, 2017, 5´30

 

COMPETIÇÃO DE CURTAS-METRAGENS DE ESTUDANTES

Melhor Curta de Estudantes

Penelope | Heta Jäälinoja | Estónia/Estonia, Finlândia/Finland, 2016, 4´08

Melhor Curta de Estudantes Portuguesa

The Voyager | João Gonzalez | Portugal, 2017, 4´39

Menções Honrosas

Quando substituí Camille/Quand j'ai remplacé Camille | Nathan Otaño, Rémy Clarke, Leïla Courtillon | França/France, 2017, 6´47

Prémio do Público

Love me, Fear me | Veronica Solomon | Alemanha/Germany, 2017, 6´07

 

JÚRI JÚNIOR (apenas aplicável a estudantes)

Melhor Curta-Metragem de Estudantes

Night Witches | Julie Herdichek Baltzer | Dinamarca/Denmark, 2016, 8´12

Melhor Curta-Metragem de Estudantes Portuguesa

A Viagem | João Filipe Horta Monteiro; Luís Daniel David Vital; Ricardo Jorge Aguiar Livramento | Portugal, 2017, 3´41

Menção Honrosa

Count Your Curses | Lorène Yavo | Bélgica/Belgium, 2017, 8´30

 

COMPETIÇÃO MONSTRINHA

Grand Prix MONSTRINHA

The Box | Merve Cirisoglu Cotur | Reino Unido/United Kingdom, 2016, 6´48

Menção Honrosa 3 aos 6

Two Trams | Svetlana Andrianova | Rússia/Russia, 2016, 10´

Menção Honrosa 7 aos 12

Homegrown | Quentin Haberham | Reino Unido/United Kingdom, 2017, 9´15

Menção Honrosa > 13

Hedgehog's Home | Eva Cvijanovic | Croácia/Croatia, 2017, 10´

Prémios do Público

MONSTRINHA 3 aos 6/ 3 to 6

Two Trams | Svetlana Andrianova | Rússia/Russia, 2016, 10´

MONSTRINHA 7 aos 12

Ethnophobia | Joan Zhonga | Grécia/Greece, Albânia/Albania, 2016, 14´20

MONSTRINHA > 13

Hedgehog's Home | Eva Cvijanovic | Croácia/Croatia, 2017, 10´

Prémio Especial do Júri Programa Pais & Filhos

Birdlime | Evan DeRushie | Canadá/Canada, 2017, 10´53

Menção Honrosa Programa Pais & Filhos

Bene's Horizon | Jumi Yoon and Eloic Gimenez | França/France, 2016, 13´01

 

COMPETIÇÃO CURTÍSSIMAS

Melhor Curtíssima

CNN Colorscope Black | Matt Abbiss | Reino Unido/United Kingdom, 2017, 1´30

Melhor Curtíssima Portuguesa

Uma Manhã na Feira | Alunos da ESMAD e do 12º ano, sob a orientação de Laura Gonçalves e Xá | Portugal, 2017, 2´30

Menções Honrosas

Hate for Sale | Anna Eijsbouts | Países Baixos/The Netherlands, 2017, 2´39

Max Morrison | Ziga Pokorn | Eslovénia/Slovenia, 2017, 1´56

 

CINEMA MAIS PEQUENO DO MUNDO - COMPETIÇÃO AMENDOIM DE OURO

Amendoim de Ouro

Island | Robert Löbel, Max Mörtl | Alemanha/Germany, 2017, 2´30

Amendoim de Prata

Disillusionment of 10 point font | Greg Condon | EUA/USA, 2017, 1´12

Amendoim de Bronze

Handbook for a Happy Scout | Billy Huntington | Reino Unido/United Kingdom, 2017, 2´30

 

 Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 21:09
link do post | comentar | partilhar

6.3.18

Redemoinho.jpg

Redemoinho, de José Luiz Villamarim, conquista o prémio de Melhor Longa-Metragem de Ficção na Competição da 9ª edição do FESTin. Contando o reencontro de dois amigos de infância que não se viam desde um evento trágico, o filme conseguiu para além da distinção máxima, o prémio de realização.

 

Nas interpretações, Grace Passô em Praça Paris e Marat Descartes por Mulher do Pai saem os vencedores das suas respetivas categorias, enquanto que o Açúcar, de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira, detêm o título de Melhor Filme para o Júri da Crítica.

 

Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky, que contará com estreia nacional, conquistou o “paladar do público”.

 

 

CATEGORIA DE LONGA-METRAGEM

Melhor longa-metragem: “Redemoinho” de José Villamarim

Melhor realizador: José Villamarim por “Redemoinho”

Melhor atriz: Grace Passô por “Praça Paris”

Melhor ator: Marat Descartes por “Mulher do Pai”

Melhor filme – Júri da Crítica: “Açúcar” de Renata Pinheiro e Sérgio Oliveira

Menção honrosa de longa-metragem - Júri da crítica: “Mulher do Pai” de Cristiane Oliveira

Melhor filme – Júri Popular: “Como Nossos Pais” de Laís Bodanzky

 

CATEGORIA DE CURTA-METRAGEM

Melhor curta-metragem: “A gis” de Thiago Carvalhaes

Menção honrosa de curta-metragem: “África na Europa” de Atcho Express e “Carga” de Luis Campos

Melhor curta-metragem – Júri Popular: “Hospital da memória” de Pedro Paula de Andrade

 

CATEGORIA DOCUMENTÁRIO

Melhor Documentário: “Saudade” de Paulo Caldas

Menção honrosa de Documentários: “Serviçais das memórias à identidade” de Nilton Medeiros

Melhor documentário – Júri Popular: “Serviçais das memórias à identidade” de Nilton Medeiros

 

CATEGORIA INFANTOJUVENIL

Melhor filme – Júri popular infantil: “Como surgiram as estrelas” de Renato Barbieri e Adriana Meirelles

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 22:57
link do post | comentar | partilhar

5.3.18

000f7ac3-800.jpg

 

Melhor Filme: The Shape of Water

Melhor Realizador: Guillhermo Del Toro, The Shape of Water

Melhor Ator: Gary Oldman, Darkest Hour 

Melhor Atriz: Frances McDormand, Three Billboards Outside Ebbing Missouri 

Melhor Ator Secundário: Sam Rockwell, Three Billboards Outside Ebbing Missouri

Melhor Atriz Secundária: Allison Janney, I, Tonya

Melhor Argumento Original: Get Out

Melhor Argumento Adaptado: Call Me By Your Name

Melhor Filme Em Língua Não-Inglesa: Una Mujer Fantastica(Chile)

Melhor Documentário (Longa-metragem): Icarus

Melhor Documentário (Curta-metragem): Heaven Is a Traffic Jam on the 405

Melhor Ficção (Curta-metragem): The Silent Child

Melhor Filme de Animação: Coco

Melhor Filme de Animação (Curta-Metragem): Dear Basketball

Melhor Fotografia: Blade Runner 2049

Melhor Montagem: Dunkirk

Melhor Cenografia: The Shape of Water

Melhor Guarda-Roupa: Phantom Thread

Melhor Banda Sonora: The Shape of Water

Melhor Canção Original: Remember Me, de Coco

Melhor Caracterização: Darkest Hour

Melhores Efeitos Visuais: Blade Runner 2049

Melhor Mistura de Som: Dunkirk

Melhor Montagem de Som: Dunkirk

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 13:00
link do post | comentar | partilhar


sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

David Cronenberg será hom...

Cannes: Terry Gilliam, Vo...

Brevemente ...

Arranca o ciclo «O que é ...

Quinzena dos Realizadores...

Humores Artificiais vence...

Helen Mirren defende Cann...

Happy Winter vence 11ª Fe...

Conheçam a programação do...

Ulrich Seidl é o homenage...

últ. comentários
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Filme muito bom. Um tratado de sociologia/psicolog...
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs