Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Guerras declaradas ...

Hugo Gomes, 14.01.24

image.webp

Fora a sua temática de que o enredo é refém, “L'Amour et les Forêts” poderá ser recordado como um palco para Virginie Efira desempenhar a dobrar, duas personagens, irmãs gémeas, cuja intenção é nos chegada num modo fútil, digamos, descartável. 

Porém, é voltando à temática, essa, a da violência doméstica, seja física ou psicológica, que no cinema pouco ou nada adquiriu forma sem ser a do corpo de “cinema de género” (deste lado, “The Invisible Man de Leigh Whannell permanece como um dos recentes casos funcionais, ou até mesmo “The Entity”, com Barbara Hershey, remontando o ano 1982). Contudo, nas vestes dramáticas, muitos destas explorações resumem-se a pedagogias ou panfletos de mão armada, por exemplo, Jennifer Lopez em “Enough” (2002) cuja solução foi encontrada na retribuição de força, olho por olho, dente por dente, enquanto que no vínculo psicológico, o “gaslight”, palavra à meia-luz que tão bem conhecemos do homónimo filme de George Cukor (em 1944, mas antes um filme de Thorold Dickinson em 1940), esperneia como matéria para thrillers da ordem criminosa e vice-versa.

Aqui, Valérie Donzelli, atriz e realizadora, que deu nas vistas com outro território “maldito” do cinema, o cancro (ou doença terminal várias), com “La guerre est déclarée” (2011), deseja sensibilizar como objetivo crucial (a realizadora e argumentista Audrey Diwan alia-se à missão), usando Efira como um prototipo, uma face para um extenso episódio “e se fosse consigo?”, “coadjuvada” por Melvil Poupaud, ultimamente rotulado de “canalha francês” (“Coup de Chance”, “Jeanne du Barry”), e voilá, temos assunto para final de visionamento. Neste sentido, nada contra o debate do tema, e a urgência de o fazer é mais do que qualquer produção, mas paremos que o Cinema respire através de simples filmes-tema, e aproveitemos o mesmo para manobrar em exercícios mais ricos na linguagem cinematográfica (nesse aspecto, o género é terra fértil para “flic-flacs”).

Hercúleo movimento portanto, mas não impossível, já “L'Amour et les Forêts” é só corriqueiro sem o seu escudo. 

Dance with my self

Hugo Gomes, 04.02.23

A liberdade de um filme é medido pelo tempo que é dado às personagens para poderem dançar sozinhas. Ou parafraseando uma das obras menores de Ken Loach ["Jimmy's Hall"] - “We need to take control of our lives again. Work for need, not for greed. And not just to survive like a dog, but to live. And to celebrate. And to dance, to sing, as free human beings.”.

247166985167.jpg

Spider-Man 3 (Sam Raimi, 2007)

margot-robbie-1-1600x900.webp

Babylon (Damien Chazelle, 2022)

maxresdefault.jpg

La vie d'Adèle / Blue is the Warmest Color (Abdellatif Kechiche, 2013)

saturdaynightfever-1000x600.webp

Saturday Night Fever (John Badham, 1977)

still2_wide-f4478ad9af45dd687aeb8a5258f7ec0a0fd842

Frances Ha (Noah Baumbach, 2012)

tumblr_nxtf72ZQAc1r6lrdfo1_1280.png

Pulp Fiction (Quentin Tarantino, 1994)

Ya no estoy aquí (Fernando Frias, 2019)

f6ec20cd1c21755a1d8f90a420528e7a.jpg

Bergman Island (Mia Hanse-Love, 2021)

grigris.webp

Grigris (Mahamat-Saleh Haroun, 2013)

image-w1280.webp

L'événement / The Happening (Audrey Diwan, 2021)

kickboxer-dance-51.gif

Kickboxer ( Mark DiSalle & David Worth, 1989)

jimmys-hall-2.jpg

Jimmy's Hall (Ken Loach, 2014)

hUr3EpW7AEiDg6B7HMGIGc4iOKUapA_original.jpg

Cold War (Pawel Pawlikowski, 2018)