Data
Título
Take
23.5.15
23.5.15

Macbeth.jpg

 

Desta vez, sem Orson Welles!

 

Justin Kurzel (Snowtown) acaba por nada acrescentar à tão emblemática peça de William Shakespeare, Macbeth, para além de um tratamento visual mais apelativo e gráfico, infelizmente nada que surpreenda visto que vivemos numa época depois do êxito das adaptações de 300, de Frank Miller, e da Game of Thrones, de George R.R. Martin. Assim sendo, o que vemos é mais do mesmo, seguindo a mesma linha das mais variadas conversões da obra do famoso dramaturgo inglês para o grande ecrã, ou seja, preserva-se os diálogos proclamados de forma poética, pomposa e airosa, dignos do palco teatral, incorporando-os com uma linguagem cinematográfica.

 

macbeth-fimages-02.jpg

 

São os híbridos que invocam uma essência de estranheza, efeito também transmitido pela sua falta de liberdade fílmica. Vejamos o exemplo de Corolianus, a primeira obra dirigida por Ralph Fiennes, que pega num dos trabalhos mais políticos de Shakespeare e o leva para tempos modernos, conservando integralmente os diálogos. A ideia é boa, os textos do dramaturgo eram sofisticados para a sua época (como o são agora), mas enquanto não houver liberdade no seu registo, na sua acção e nas suas personagens, dificilmente um filme consegue sair das suas limitações de "teatro filmado". Macbeth, de Kurzel, sofre desses mesmos sintomas, mesmo que o estilo visual torne a experiência mais apelativa para as audiências mais jovens (um bom indicio para estes descobrirem, ou redescobrirem, a peça) e os actores sejam ricos nas suas performances.

 

marioncotillard_macbeth.jpg

 

Michael Fassbender transforma-se assim no atormentado homem regido pela profecia e sede de poder. A personagem homónima é descrita de forma bruta, esquizofrénica e é erguida com robustez por parte do actor. Por sua vez, Marion Cottilard consegue emanar magistralmente a culpa da Lady MacBeth, e Sean Harris tem carisma suficiente para dar e vender com o seu Macduff. Mas isso tudo é quase inútil, sabendo que o filme nunca consegue respirar devidamente.

 

Filme visualizado na 68ª edição do Festival de Cannes

 

Real.: Justin Kurzel / Int.: Michael Fassbender, Marion Cotillard, David Thewlis, Sean Harris

 

Macbeth.jpg

6/10

publicado por Hugo Gomes às 13:57
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Don't Call me Angel

Sempre iluminado!

«Vitalina Varela»: a noit...

Terminator: Dark Fate - o...

No Country for Old Women

«Il Traditore»: a máfia m...

Porquê ver Mutant Blast? ...

Quote #12: Ventura (Vital...

Feios, Porcos e Maus: epi...

Na Netflix, nem tudo é or...

últ. comentários
Lógico, foi uma ótima narrativa... Os personagens ...
escadas moduladas
receita de chicha morada peruana
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
31 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs