Data
Título
Take
12.2.15

e2119e4ac69ae57aec2034dc4cc71856c40d5.jpg

Brincando aos sadomasoquistas!

 

Com Fifty Shades of Grey testemunhamos o regresso do erotismo na grande indústria cinematográfica, resgatando ao cinema independente e de autor essa tendência e coragem que tanto aplicaram nos últimos anos. Talvez venha a ser esta a mais bem-sucedida franquia do género erótico desde Emmanuelle, e sob essa vertente vemos com certo agrado esta adaptação do romance sensual de E.L. James, um fenómeno literário que nasceu dos fóruns de fãs de Twilight e que posteriormente foi publicado, criando um mediatismo que tão poucas obras conseguiram deste então.

 

50-shades-of-grey-6.jpg

 

Mas não se iludam, as representações sexuais e todas as insinuações que Sam Taylor-Johnson  (Nowhere Boy) invoca estão longe de surpreender, até porque vivemos numa época em que a pornografia está à distância de um clique e o sexo está em todo o lado, por vezes até vulgarizado, seja na televisão ou novas plataformas, assim como no cinema, no qual nos situamos em tempos após Nymphomaniac, a tão badalada exploração sexual que Lars Von Trier dividiu em duas partes.

 

DAKOTA2.jpg

 

Mas uma coisa é certa, Fifty Shades of Grey não irá conquistar ninguém que esteja a viver a descoberta sexual. Ao invés, é um must para todos os que leram o livro e que o idolatram. Uma espécie de júbilo cinematográfico nesses termos, o filme de Sam Taylor-Johnson tem a virtude de ser uma obra esteticamente elaborada, mesmo nas sequências sexuais, todas elas bem filmadas. Porém, este mesmo elemento perde o erotismo em derivação de um ponto crucial. Temos bom sexo softcore, encenado e coreografado a bom ritmo, mas sempre acompanhado por uma banda-sonora demasiado pop que retira de vez sexualidade às cenas. Triste, sabendo que essa era a grande arma de Fifty Shades of Grey, visto que o argumento em si não ajuda, até porque temos tendências mimetizadas ao fenómeno Twilight (a sério que não se entende o porquê de "namorados" com gestos obsessivos e persuasivos para com as liberdades das suas companheiras). Por outro lado, temos uma intriga que parece venerar algo que tende a ignorar profundamente. Falo do sadomasoquismo que nunca é verdadeiramente mencionado, ou o de contrariar a própria integridade da mulher.

 

hr_Fifty_Shades_of_Grey_3.jpg

 

Possivelmente, todos esses defeitos primários são inteiramente culpa do livro que se resumiu desde sempre como uma fantasia fetichista de contornos feministas (embora este ponto seja motivo de um longo debate que o pode catalogar como «machista»). Mas a pergunta reside. O que podemos esperar de Fifty Shades of Grey? Mais do mesmo. Um mediatismo que não se sabe o porquê e um romance disfarçado de ingenuidade e constantemente mal encenado (ao contrário do sexo). Falta-lhe conflito, personagens verdadeiramente decentes e não falo só das principais, mas sim das secundárias, que estão longe de fugir à dispensabilidade, para além de uma dúzia de situações que em nada adiantam à narrativa e que somente estão presentes para compensar o que de muito se cortou no livro.

 

kq_fifty-shades-of-grey_videothumb-620x349.jpg

 

A realizadora Sam Taylor-Johnson esforçou-se para ilustrar uma obra erótica sob parâmetros constrangidos e limitações desde cedo marcadas. O resultado está longe de agradar, mas só pela sua dedicação em trazer alguma dignidade à matéria-prima, pelo menos vale meio bilhete. E o final é prova disso, no qual se tenta contrariar uma fantasia mal resolvida e incompreensivelmente bem-sucedida.

 

Mr. Grey will see you now

 

Real.: Sam Taylor-Johnson / Int.: Dakota Johnson, Jamie Dornan, Jennifer Ehle, Marcia Gay Harden, Max Martini

 

fifty-shades-grey.jpg

 

4/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 07:08
link do post | comentar | partilhar

3 comentários:
De Frederico Daniel a 29 de Fevereiro de 2016 às 03:50
"As Cinquenta Sombras de Grey": 3*

Recentemente vi "As Cinquenta Sombras de Grey" e não é tão mau como o pintam, eu gostei do que vi. O livro é mais aprofundado, mas o filme vê-se bem.
Gostei do que vi em "Fifty Shades of Grey" e recomendo, mesmo não sendo tão bom quanto o livro. O filme emana sensualidade, mas falta sexo e nudez.

Cumprimentos, Frederico Daniel.


De Nádia Ferreira a 29 de Fevereiro de 2016 às 21:51
A sério!!! Mais aprofundado!!! O livro é uma badalhoquice, nem sequer deve ser considerado profundo, a sério vê o filme com olhos de ver, não vejas só os bonecos!!!


De Frederico Daniel a 29 de Fevereiro de 2016 às 22:16
Mais aprofundado no ponto de a história ser mais completa. :)


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Será o "bye bye" dos spin...

FEST exibe Todos Lo Saben...

Nadav Lapid estará no Cur...

A vida de Sammy Davis Jr....

Que caem as fronteiras en...

Pinar Toprak é compositor...

0%!! Gotti, filme de mafi...

Adrift (2018)

Eva (2018)

Primeiras imagens de «Won...

últ. comentários
Bel Ami: 3*A meu ver é fiel ao livro, gostei do qu...
Gritos 3: 5*Que filme excelente e fenomenal, adore...
Um dos meus favoritos 5*
Gritos 2: 5*Sidney, Dewey e Gale estão de regresso...
Para mim é um dos melhores estreados em 2018, amo ...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs