Data
Título
Take
22.10.16
22.10.16

MV5BNGJkNmExN2ItMjQ1Zi00Zjc5LTk0OGEtMGQ5ZGZmOTYzYj

Redesenhando as imagens que faltam!

 

No surgimento das memórias sem registo que fora o nomeado ao Óscar, A Imagem que Falta (L'Image Manquante), o cambojano Rithy Panh retoma aos fantasmas que o assombram, deambulando sobre as suas naturezas e reconhecê-las como reminiscência de um homem de hoje. Sim, esta é a história do exílio do próprio realizador, em tempos que a sua terra natal era transgredida por uma constante metamorfose político-ideológica, e as consequências que essa “revolução” ditará no seu consciente.

 

thumb_4884_media_image_975x616.jpg

 

Tal como havia sucedido com As Imagens que Falta, Rithy Panh narra e colecta vivências sob a batuta de imagens cinematográficas produzidas, assim recorrendo ao pouco uso das imagens de arquivo para centrar a sua proposta contada. Contudo, é talvez na sua força pessoal, assumindo como um conto autobiográfico, que Exile (Exílio) atinge o seu pico emocional, mas, até lá, a beleza plástica e por vezes metafórica do enclausuramento humano torna-se pomposamente artificial e de certa maneira, artisticamente pretensioso. Enquanto que os horrores de A Imagem que Falta são preservados, e aos mesmo tempo restaurados pelo simbolismo, em Exile é a performance e a grandiloquência visual que preenche esse vazio de complementos narrativos.

 

exil.jpg

 

A história descrita segue em paralelo um Cambodja em gradual transmutação (o anterior Kampuchea Democrático), anexando-o com uma riqueza quotes e frases poético-filosóficas que reflectem, não só contribuído para a emocionalidade da vivência de Rithy Panh, como também a natureza metafísica desta revolução determinada (grande parte destas são citações de Mao Tsé Tung arrancadas directamente do seu Livro Vermelho, o julgamento estará cargo do próprio espectador). Sim, Exile aposta nos ecos deixados pela A Imagem que Falta, mas infelizmente essas imagens que substituem não impotentes perante o relato deixado, assim como a jornada gastronómica que Rithy Panh parece deliciar no seu leito de sobrevivência.

 

exil-de-rithy-panh-la-si-belle-presence-de-l-absen

 

Vindo desse mesmo realizador, e tendo em conta que o registo é bem mais pessoal,  esta é uma obra decepcionante, de repetição autoral, mas alicerçado a um discurso sobretudo fantasmagórico.

 

Filme visualizado no 14ª Doclisboa: Festival de Cinema Internacional

 

Real.: Rithy Panh

 

HTFile.jpg

7/10

publicado por Hugo Gomes às 00:42
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Insyriated (2017)

Trailer: The Equalizer 2,...

Cannes: Terry Gilliam, Vo...

Brevemente ...

Arranca o ciclo «O que é ...

Quinzena dos Realizadores...

Morreu R. Lee Ermey, o sa...

Ed Sheeran em filme de Da...

Humores Artificiais vence...

Morreu VIttorio Taviani, ...

últ. comentários
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Filme muito bom. Um tratado de sociologia/psicolog...
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs