Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

"Eu não quero ser nenhuma Spice Girl"

Hugo Gomes, 07.04.24

2.jpg

É sobre Amy Winehouse de que falamos, da sua ascensão, da sua música e, obviamente, da sua decadência, com reabilitações e uma morte precoce aos 27 anos de idade, elementos que contribuíram para a construção de um mito moderno. Estamos a falar dela numa cinebiografia, vista como uma maldição por muitos dos artistas da nossa cultura, seja pop ou além disso, o que nos deixa num estado de apreensão e por vezes depressivo ao fórmula que o subgénero se transformou. Neste novo capítulo da interminável saga, questionamos: há ousadia ou cobardemente caímos na convencionalidade? Infelizmente, a resposta parece não ser a primeira!

"Back to Black", com a assinatura de Sam Taylor-Johnson - realizadora hoje mais conhecida, infelizmente, pelos créditos de "Fifty Shades of Grey", o fenómeno literário que bem se apercebeu das suas inconsistências (não sendo o filme superior à má escrita do livro, verdade seja dita), mas antes, explorou as demandas de um jovem John Lennon em "Nowhere Boy" (com um igualmente jovem Aaron Taylor-Johnson) - é um biopic "bem-comportado", demasiado inofensivo para com a figura que homenageia / retrata. Acredita-se que se uma mosca pousasse na sua testa, esta nem se atreveria a esticar a mão para a afugentar. Portanto, é inegável o sentimento de telefilme que percorre os pedaços da sua vida, os amores e desamores, a droga ali escondida, e os factos e cheques com paparazzis para nos situar como uma cronologia pedagógica. Novamente, é o esquemático do seu biográfico a ser protagonista, e não a "personagem" / "personalidade". 

Amy Winehouse, aqui representada por Marisa Abela, parece não encantar tanto como se esperava (culpa-se mais a cobardia do filme do que o seu empenho). Ela é apenas uma figura de estudo do meio; associamos a sua voz, os seus êxitos ("Rehab" a "Valerie", "Stronger than Me" ao homónimo single que aufere título, a colectânea está lá toda), o seu penteado "beehive", mas nunca a sua persona. Para os adeptos da cantora, "Back to Black" (referência ao seu marcante álbum de 2005) é um balde de água fria, uma lavagem de relações ambíguas e mais, à sua existência, e quanto a cinema, nada de realmente transgressivo ou, situando-se no percurso da artista que recusava ser uma Spice-Girl, um regresso aos hinos passados ou a estéticas anteriormente validadas, apenas técnica industrializada para “caber” nas mais divergentes telas (cinema transmutável irão nos vender como “banha de cobra”). Por outro lado, o suposto antagonista, o ex-companheiro, e para muitos a via de uma vida de excesso e autodestrutivos para com Amy - Blake Fielder-Civil (interpretado por Jack O’Connell) - emana uma empatia imprevisível. Que estranho! Mas o que se irá fazer, o resultado é deslavado.