Data
Título
Take
9.3.17
9.3.17

Elis.jpg

Vidas … cinematograficamente … destruídas!

 

Consideravam-na num "furacão", uma mulher que transformou a música brasileira para todo o sempre. Apontada como uma das grandes vozes femininas do Brasil, Elis Regina, o ícone, foi agora "vitima" da típica cinebiografia que é cometida por esse Mundo fora (este fenómeno dos biopics não é exclusivo de Hollywood), a vida retalhada em prol de um profundo anonimato cinematográfico. É triste verificarmos o desperdiçar de vidas formidáveis, condensadas, esquematizadas e convertidas aos enésimos ciclos viventes. Por outras palavras, maioritariamente no cinema, ficamos com a sensação que grandes figuras são transformadas em enfadonhas e inexpressivas vozes. Elis, de Hugo Prata, é um mero telefilme, vulgarizado pelos lugares comuns, pela logística da narrativa forçada pelos factos verídicos e pelo estilo anacrónico e de disposição académica.

Elis-andreia-horta.jpg

A rapariga que euforicamente descobre cantar no mesmo palco que Diane Ross cantara minutos antes, não possui a força, a vontade, nem a criatividade de transgredir o "certinho" formalizado do subgénero, nem mesmo Andréia Horta (que rigidamente limita-se à mimetização, ao alinhamento de tiques e manias em full playback) possui a capacidade de a salvar, nem mesmo invocar a forte presença que Elis fora. Infelizmente, é isto, uma biopic falhada, sem o mínimo interesse, nem para fãs, nem para aqueles que desejam conhecer a sua obra.

el_3119.jpg

Mas nem nós poderemos ficar a rir dos nossos "irmãos", a nossa grande diva musical, Amália Rodrigues, também ela fora "liquefeita" a igual tratamento. O problema não está no Cinema, portanto, está na ideia errada de como devemos retratar a vida de alguém na grande tela, ou simplesmente, o oportunismo de concretizar matérias fáceis e preguiçosas, que dão pelo nome de biopics. Triste ensaio este Elis.

 

Filme de encerramento da 8ª edição FESTin 2017: Festival de Cinema Itinerante de Língua Portuguesa

 

Real.: Hugo Prata / Int.: Andréia Horta, Gustavo Machado, Caco Ciocler

20161206234320_elis_cena_47a_plano_4......jpg

2/10

publicado por Hugo Gomes às 22:32
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Francisco Quintas a 2 de Outubro de 2017 às 22:50
Boas biopics são os verdadeiros e honestos retratos de uma personalidade conhecida, não a sua ostentação forçada. Por alguma razão, o Mark Zuckerberg não gosta de "The Social Network", não é coincidência que esse filme seja uma das melhores biopics do cinema moderno.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Insyriated (2017)

Trailer: The Equalizer 2,...

Cannes: Terry Gilliam, Vo...

Brevemente ...

Arranca o ciclo «O que é ...

Quinzena dos Realizadores...

Morreu R. Lee Ermey, o sa...

Ed Sheeran em filme de Da...

Humores Artificiais vence...

Morreu VIttorio Taviani, ...

últ. comentários
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Filme muito bom. Um tratado de sociologia/psicolog...
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs