Quinta-feira, 8 de Novembro de 2018
8.11.18

transferir.jpg

Carga fora!

 

Esperamos ouvir falar futuramente mais do estreante Bruno Gascon, até porque em Carga existe uma garra, um amor à técnica visual e sonora e sobretudo a aptidão para construir um espetáculo de cinema, sublinhando, em recurso português. Porém, é neste mesmo primeiro trabalho que é revelada a sua grande fraqueza, a dependência para com o tema, e não só, pelo “suco” extraído do mesmo, sob um tom pedagógico e meramente descritivo.

 

MV5BMDdiZWU3ODktZGRhMi00NzU2LThlY2EtYTk0ODMxZGZmND

 

Da mente deste vosso escriba surge automaticamente Traffic (2000), de forma a especificar como uma temática (no caso da obra de Steven Soderbergh a “patologia humana” era o narcotráfico) é encarada como combustão para um desfragmentado filme-mosaico (pelo menos a proposta é tentada). Gascon entra nas redes de tráfico humano para se lançar na deriva do “choque” atmosférico, em prol de uma fotografia esgalhada por parte de Jp Caldeano, ou de uma técnica por vezes subtil e com rasgos de primor (a destacar o plano-sequência do suicídio).

 

MV5BNDM1OWYyY2YtNWY0ZC00ZWI4LTk0ZDMtOTI4Y2Q1YTZjN2

 

Mas é nesse mesmo “cast away” que o jovem realizador se perde, as personagens são esquemáticas servindo como protótipos de “exemplos dados às criancinhas”, a banda sonora marca uma omnipresença alarmante e todo o enredo remexe em habituais cantos do senso comum do espectador referente à abordagem. Por cada prova de ambição, Carga se escurece nos modelos mainstream e na demasiada sobreliterarização do panfleto, enquanto que o elenco ou cai na mouche (Michalina Olszanska, Duarte Grilo e Miguel Borges) ou persistes nos personagens-tipos do nosso universo cinematográfico (Vítor Norte, Rita Blanco, Dmitry Bogomolov). 

 

MV5BMjY5ZmI4MzMtMDkzOC00ZjlhLWJiN2YtMGY5YzMyZjRlMT

 

Assim, direto e a frio, escusamos de torturar-nos com experiências - Portugal não tem uma indústria cinematográfica – mas se futuramente existir qualquer indicio do mesmo, possivelmente encontraremos mais dessa tendência em maçaricos como Justin Amorim (Leviano) ou em Bruno Gascon, do que em “veteranos” deste jogo como Leonel Vieira. Esperemos que sim, não cedendo às “palmadinhas nas costas” e às aclamações de um “bom trabalho”, mas o de “vamos estar atentos”. Carga falha, porém, que venham mais falhas como estas no nosso panorama.

 

Real.: Bruno Gascon / Int.: Michalina Olszanska, Duarte Grilo, Miguel Borges, Vítor Norte, Rita Blanco, Dmitry Bogomolov, Sara Sampaio, Ana Cristina de Oliveira

 

MV5BZDJlZWM3N2YtMzA4ZS00YTQxLThmNTUtZmRiOGMwODIwNm

5/10

publicado por Hugo Gomes às 16:51
link do post | partilhar

De Rui Pedro a 9 de Novembro de 2018 às 03:15
Mas quem é o Director de Fotografia? Não estava nos créditos!!


De Patricia Reis a 9 de Novembro de 2018 às 03:22
O Director de Fotografia chama-se JP Caldeano e é português. Aparece nos créditos no final, mas o nome não aparece no cartaz, também não entendo porquê.
O normal é virem os chefes de cada departamento no billing board do cartaz.


De Rui Pedro a 9 de Novembro de 2018 às 03:26
Mas nos créditos também não aparece onde está normalmente!!
Curti bué a iluminação e as cores, acho que foi o que me fez querer ir ver o filme, e o homem não tem crédito pelo trabalho que fez?
Nem no cartaz???
WTF???


De Patricia Reis a 9 de Novembro de 2018 às 03:30
Realmente os planos estavam muito bons e a iluminação deu um força enorme ao filme. Sinceramente acho que a fotografia ajudou muito neste filme. Os tons escuros e sujos, ele fez um óptimo trabalho.


De Rui Pedro a 9 de Novembro de 2018 às 03:33
Sem dúvida... este mesmo filme nas mãos de outro director de fotografia qualquer ia ficar no minimo secante.
O gajo deu-lhe bué mesmo. Eu estudo cinema e não conhecia o trabalho desse JP Caldeano, mas vou pesquisar e ver se há alguma coisa na net com o trabalho dele.
Obrigado Patricia


De Patricia Reis a 9 de Novembro de 2018 às 03:35
Sei que ele tem instagram, porque estava identificado num post do filme...
Instagram: @JPDOP
Mais também não sei mas talvez haja info no IMDB.


De Paulo Oliveira Vaz a 9 de Novembro de 2018 às 03:39
Ele tem site e tem um IMDB muita marado... acho que é o mesmo JP porque só aparece um Caldeano.
Meti JP Caldeano no google e aparecem logo imensas páginas, vimeo, pagina web, facebook e outras. Só vi o site e o IMDB.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs