Data
Título
Take
8.11.18
8.11.18

transferir.jpg

Carga fora!

 

Esperamos ouvir falar futuramente mais do estreante Bruno Gascon, até porque em Carga existe uma garra, um amor à técnica visual e sonora e sobretudo a aptidão para construir um espetáculo de cinema, sublinhando, em recurso português. Porém, é neste mesmo primeiro trabalho que é revelada a sua grande fraqueza, a dependência para com o tema, e não só, pelo “suco” extraído do mesmo, sob um tom pedagógico e meramente descritivo.

 

MV5BMDdiZWU3ODktZGRhMi00NzU2LThlY2EtYTk0ODMxZGZmND

 

Da mente deste vosso escriba surge automaticamente Traffic (2000), de forma a especificar como uma temática (no caso da obra de Steven Soderbergh a “patologia humana” era o narcotráfico) é encarada como combustão para um desfragmentado filme-mosaico (pelo menos a proposta é tentada). Gascon entra nas redes de tráfico humano para se lançar na deriva do “choque” atmosférico, em prol de uma fotografia esgalhada por parte de Jp Caldeano, ou de uma técnica por vezes subtil e com rasgos de primor (a destacar o plano-sequência do suicídio).

 

MV5BNDM1OWYyY2YtNWY0ZC00ZWI4LTk0ZDMtOTI4Y2Q1YTZjN2

 

Mas é nesse mesmo “cast away” que o jovem realizador se perde, as personagens são esquemáticas servindo como protótipos de “exemplos dados às criancinhas”, a banda sonora marca uma omnipresença alarmante e todo o enredo remexe em habituais cantos do senso comum do espectador referente à abordagem. Por cada prova de ambição, Carga se escurece nos modelos mainstream e na demasiada sobreliterarização do panfleto, enquanto que o elenco ou cai na mouche (Michalina Olszanska, Duarte Grilo e Miguel Borges) ou persistes nos personagens-tipos do nosso universo cinematográfico (Vítor Norte, Rita Blanco, Dmitry Bogomolov). 

 

MV5BMjY5ZmI4MzMtMDkzOC00ZjlhLWJiN2YtMGY5YzMyZjRlMT

 

Assim, direto e a frio, escusamos de torturar-nos com experiências - Portugal não tem uma indústria cinematográfica – mas se futuramente existir qualquer indicio do mesmo, possivelmente encontraremos mais dessa tendência em maçaricos como Justin Amorim (Leviano) ou em Bruno Gascon, do que em “veteranos” deste jogo como Leonel Vieira. Esperemos que sim, não cedendo às “palmadinhas nas costas” e às aclamações de um “bom trabalho”, mas o de “vamos estar atentos”. Carga falha, porém, que venham mais falhas como estas no nosso panorama.

 

Real.: Bruno Gascon / Int.: Michalina Olszanska, Duarte Grilo, Miguel Borges, Vítor Norte, Rita Blanco, Dmitry Bogomolov, Sara Sampaio, Ana Cristina de Oliveira

 

MV5BZDJlZWM3N2YtMzA4ZS00YTQxLThmNTUtZmRiOGMwODIwNm

5/10

publicado por Hugo Gomes às 16:51
link do post | comentar | partilhar

29 comentários:
De Paulo Oliveira Vaz a 8 de Novembro de 2018 às 18:20
"fotografia esgalhada por parte de Jp Caldeano" ... Este JP Caldeano promete...
Pesquisei o trabalho dele e parece-me um Director de Fotografia da nova geração mas com muito conhecimento técnico. Com um IMDB invejável, parece estar no bom caminho.
Sendo eu um apaixonado por fotografia, estou bastante curioso para ver o filme nos cinemas esta semana. Para ver se realmente se destaca do look dos filmes portugueses.


De Jorge Caetano a 8 de Novembro de 2018 às 18:22
A ver pelo trailer, as imagens parecem estar com POWER.


De OBSERVADOR a 8 de Novembro de 2018 às 19:46
Se a concisão, a eficácia dramática e a lógica narrativa de “Carga” estivessem à altura da veemência e da insistência com que o realizador faz passar a sua “mensagem”, este seria um filme perfeitamente potável. Tal como está, não é.


De Anonimo a 9 de Novembro de 2018 às 03:55
HATER?? eheh


De Patrícia Reis a 8 de Novembro de 2018 às 19:49
Não é um filme com pinceladas românticas, com desculpas ou ilusões, é uma realidade dura que, mesmo que ficcionada, reflecte o que se vive diariamente nos cinco continentes. Parabéns a toda a equipa pelo trabalho!


De André a 8 de Novembro de 2018 às 20:05
As imagens não parecem ser o típico cinema português, são bem mais carregadas e com um contraste brutal e cor.
Vi o trailer online e não tinha ideia que o filme era português. Quando estreia?


De Paulo Oliveira Vaz a 8 de Novembro de 2018 às 20:09
O filme estreia hoje dia 8 de Novembro em várias salas do País. Está uma lista dos cinemas no facebook do filme.


De Anonimo a 9 de Novembro de 2018 às 03:57
A cor está mesmo TOP. Também adorei. e o tema fui para casa a pensar... é duro mas foi muita bom!


De Ricardo Antunes a 9 de Novembro de 2018 às 02:50
Acabei agora de ver o CARGA.
A fotografia WOW... está Incrível. O filme está bom mas a narrativa podia estabelecer mais relações entre histórias.


De Anónimo a 9 de Novembro de 2018 às 02:53
O filme está bom para filme Português, a música é boa mas muito intensa do inicio ao fim, desvenda quase tudo o que poderia ser surpresa. Mas o tema é forte e faz-nos pensar, Vim do cinema satisfeito.


De Anonimo a 9 de Novembro de 2018 às 02:57
A fotografia não diria WOW... Está realmente muito boa, e nota-se uma certa atenção ao detalhe em alguns planos, mas por vezes está escuro demais. Mas muito acima dos filmes portugueses.


De Maria a 9 de Novembro de 2018 às 03:00
Musica TOP nem parece feito em Portugal, em geral muito bom. Amei como a mulher é a protagonista e é respeitada no filme. Parabéns


De Paula ribeiro a 9 de Novembro de 2018 às 03:03
Fui com o meu marido à antestreia e confesso que tinha receio da violência que o filme pudesse ter. Em vez disso encontrei um filme de grande sensibilidade e em que me senti respeitada enquanto mulher. A realidade retratada deve ser vista. Recomendo vivamente e irei com a minha filha ao cinema.


De Miriam da Silva a 9 de Novembro de 2018 às 03:05
Muito bom filme, gostei imenso.


De Ana Regner a 9 de Novembro de 2018 às 03:06
Sou portuguesa e ao saber que ia passar um filme português em Winchester não consegui resistir e que orgulho ver atores excelentes como Rita Blanco e Vítor Norte. As reações foram óptimas. O filme envolve-nos de uma maneira que nos faz ficar a pensar em como a vida pode mudar num minuto. Agora queremos mais filmes portugueses a chegar ao UK.


De Filipa Viana a 9 de Novembro de 2018 às 03:07
Talvez um dos melhores filmes deste ano. A fotografia está super boa. Adorei. As cores e o contraste dão muita força ao filme e ao seu conteúdo escuro e pesado. Foi a fotografia que me deixou agarrado ao ecrã.
Apesar dos técnicos e outros criativos normalmente não aparecerem à frente da câmara. O director de fotografia está de parabéns assim como o resto da equipa. Trabalho fantástico.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Suspiria (2018)

Colette (2018)

Carga (2018)

Raiva (2018)

Conheçam os vencedores da...

Extinção (2018)

Encontrado realizador par...

Venom (2018)

Doclisboa'18 revela toda ...

Cary Fukunaga será o real...

últ. comentários
Neste caso o director de fotografia não teve qualq...
Vi o filme ontem nos cinemas e adorei. Sendo filme...
Não menosprezando o colorista, que obviamente fez ...
Eu acho que você deveria olhar bem aqui em relação...
Fogo, não pode ser. Esse JP Caldeano é mesmo tuga?...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
29 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs