Data
Título
Take
16.5.15

Mil e uma Noites - Volume 1 O Inquieto.jpg

A extinção do pagão num país de denuncias!

 

Logo na sua introdução, quando confrontado com a questão de que ligação teria o encerramento de um estaleiro e a exterminação de uma praga de vespas asiáticas em Viana, a resposta negativa de Miguel Gomes foi dada da seguinte forma: "eu sou estúpido e a abstracção dá-me vertigens". Depois disto, e repentinamente, o realizador foge da cena como o diabo foge da cruz. Os vinte minutos que sucedem levam-nos ao encontro de um retrato "docuficcional", esse subgénero que a cinematografia portuguesa adoptou com coração. Nesse preciso momento pensamos estar em mais um enésimo registo etnográfico, um revisitar aos códigos canónicos do género, ou até mesmo (visto Miguel Gomes protagonizar uma sequência intimista de um filme dentro de um filme) numa reciclagem à estrutura do seu Aquele Querido Mês de Agosto.

461182.png

Mas passados vinte minutos tudo pára. A promessa é dada em forma de "imaginem só isto" e voilá, eis que começa realmente O Inquieto, a primeira parte de uma epopeia portuguesa que tem como base a estrutura narrativa do clássico As Mil e uma Noites. Nesta versão, as histórias mirabolantes de um país arruinado pelo comando de "belzebus", como a certa altura são descritos os governantes de Portugal, serve de substituição aos contos narrados por Xerazade: para entreter o cruel rei Shariar, a fim de alimentar a sua curiosidade e assim adiar a derradeira noite de núpcias. É um mundo fantástico criado através de uma imaginação corrosiva e trocista na caricatura e, com isso, sublinhar a "portugalidade" da sua gente. Nisto, Miguel Gomes consegue atingir a critica social.

image_362.jpeg

Dividido em três actos, todos eles sustentados por tons distintos, O Inquieto começa por elaborar uma sátira à política, não só portuguesa, como também europeia. Em The Men with Hard-Ons o absurdo ganha vida e funde-se com a referência persa, na qual as maldições dos feiticeiros e os fundos europeus caminham lado a lado. Depois segue algo mais rústico, mas igualmente surreal: The Story of the Cockerel and the Fire, passada na aldeia de Resende, onde um galo que canta a desoras gera um movimento social e uma onda de protestos pela liberdade de expressão. No decorrer deste episódio espalhafatoso está um trio amoroso cujas consequências são catastróficas.

arabian-nights-vol1.jpg

Encantados até com aqui com todo estes paradoxos e caricaturas em divida com o surrealismo, surge-nos The Swim of the Magnificents, o último ato e provavelmente o mais emocional e revoltado dos três. O actor Adriano Luz desempenha um professor de natação que planeia os banhos do dia 1 de Janeiro, um ritual local, mas que para este possui um significado mais profundo. Neste episódio, o intimismo de Miguel Gomes revela-se mais humano e corajoso em abordar algo que poderia ser motivo de atenção para telejornais ou programas televisivos matinais. É aqui que As Mil e uma Noites funde por completo a ficção com o seu lado mais verité, onde os testemunhos dos desempregados, mais correctamente denominados de "desesperados", auferem um registo colectivo, tudo enquanto Gomes faz maravilhas com a câmara. As sequências tornam-se melancolicamente memoráveis, proclamando a extinção de um mundo fantástico e pagão e abrindo portas ao realismo do quotidiano e social, o nosso Portugal.

921957.jpg

Terminado o primeiro filme da mais promissora trilogia portuguesa do momento, O Inquieto é uma confirmação do que já havia sido afirmado: Miguel Gomes é a cabeça de uma nova vaga Portuguesa. Comparado com a nouvelle vague Francesa ou não, a verdade é que há muito não víamos cinema português tão revitalizante, complexo e, sobretudo, tão criativo.
Uma obra-prima!

 

Filme visualizado na 47ª edição da Quinzena de Realizadores em Cannes

 

Real.: Miguel Gomes / Int.: Adriano Luz, Joana de Verona, Carloto Cotta, Gonçalo Waddington, Rogério Samora, Cristina Alfaiate, Diogo Dória, Maria Rueff, Xico Xapas

 

arabiannightsvolume1tile.jpg

 

Ver Também

Tabu (2012)

 

10/10

publicado por Hugo Gomes às 21:31
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Edgar Pêra "ataca" salas ...

Morreu Kirin Kiki, a noss...

Marco Martins tem novo pr...

The Predator (2018)

Rumor: Kit Harington pode...

Hagazussa: a Heathen’s Cu...

Morreu Burt Reynolds, o a...

The Nun (2018)

Maio 68 invade Lisboa com...

Milla (2017)

últ. comentários
Sei que um filme é bom quando, assim que acaba, te...
Acho que será muito bom. O Joker é um personagem ...
Para quem leu o livro, que diga-se de passagem é u...
Gritos 4: 5*Um filme que traz novas regras, novos ...
Bel Ami: 3*A meu ver é fiel ao livro, gostei do qu...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs