Data
Título
Take
13.1.13
13.1.13

Seguindo de perto o realismo cinematográfico!

 

Quando entramos é difícil querermos sair, Polisse de Maïwenn ficou conhecido no início deste ano como a dor de cabeça do galardoado ao Óscar, The Artist nos prémios da academia francesa de cinema (Césars). Enquanto o famoso e tão falada fita de Michel Hazanavicius era de certa forma uma homenagem a um certo cinema praticamente extinto, o mudo pós anos 30, Polissia é cinema-jornalismo, combinando ficção com o realismo, neste exemplo a inspiração vem de casos reais da Brigada de Menores francesa.



 

Maïwenn não limita-se a recriar telenovelas, não existe um argumento coeso e definido aqui, apenas relatos, casos que sucedem uns aos outros, sem obrigatoriamente ser destacados, cumpridos nem ficcionados para o espectáculo cinematográfico. Enfim, tudo isto poderia ceder facilmente ao puro ensaio documentarista, mas Polisse consegue ir mais longe, ganhando força na constituição de uma equipa o qual poderemos acompanhar mais de duas horas de filme sem perdermos em essências entediantes.

 

 

Durante este tempo de duração, esse leque de personagens torna-se a nossa família, os nossos refúgios como também os nossos depósitos. São personagens limadas á realidade, que se comportam como tal e que não se reduzem a meros estereótipos. Parece existir vida nestes “bonecos” e Maïwenn aposta nisso, onde demonstra intrinsecamente tal afeiçoamento. Ela para além de realizadora e argumentista, ainda desempenha um papel importante neste seio, Melissa, uma jornalista com a tarefa de seguir a trupe da Brigada de Menores Francesa, e a faz apaixonar-se por uma das personagens mais carismáticas e forte do grupo, Fred, desempenhado com rigor pelo actor Joey Starr.



 

Polisse é um exemplo forte de como o cinema pode conjugar com o realismo e mesmo assim recriar histórias tão interessantes como apelativas e sedutoras, sem fazer uso do choque, nem da dramatização digna do registo hollywoodesco, todavia tendo a proeza de mesmo assim apelar á emoção. Uma fita fabulosa de uma autora cativada pelo jornalismo, a seguir!

 

Real.: Maïwenn / Int.: Karin Viard, Joey Starr, Marina Foïs, Frédéric Pierrot, Maïwenn



 

10/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 20:01
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Insyriated (2017)

Trailer: The Equalizer 2,...

Cannes: Terry Gilliam, Vo...

Brevemente ...

Arranca o ciclo «O que é ...

Quinzena dos Realizadores...

Morreu R. Lee Ermey, o sa...

Ed Sheeran em filme de Da...

Humores Artificiais vence...

Morreu VIttorio Taviani, ...

últ. comentários
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Filme muito bom. Um tratado de sociologia/psicolog...
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs