Data
Título
Take
6.1.13

A força do amor!

 

Ele chama-se Romeo (Jérémie Elkaïm), ela dá-se pelo nome de Juliette (Valérie Donzelli), conhecem-se e é definitivamente amor á primeira vista. Mesmo com esta assunção de nomes não estamos perante a mais uma das enésimas adaptações da eterna peça romântica de William Shakespeare, ao invés disso temos um drama semi-real que se resume mais a uma declaração de amor do que de guerra (ao contrario do que o titulo indica). Voltando aos nomes, a realizadora, argumentista, actriz e até vida inspirada neste filme utiliza uma deliciosa metáfora do que seria se a dupla arquitectada pelo mundialmente famoso dramaturgo inglês vivesse sem a existência dos obstáculos familiares que conduziram ao seu trágico desfecho.

 

 

Tudo resulta num “mar de rosas” de pouca duração onde o casal vive num conto de fadas amoroso incapaz de romper, porém o seu destino estaria condenado de qualquer forma, não directamente na relação mas sim no fruto desta, o seu bebé tem um tumor cerebral. A partir daqui o espectador fica na dúvida em conformidade com o tom do filme de Donzelli, onde vagueia territórios que facilmente cediam a lugares-comuns e melodramas de puxar as lagrimas. Felizmente e curiosamente, o casal protagonista (Valérie Donzelli e Jérémie Elkaïm) são um casal verdadeiro e ainda mais, viveram realmente a situação exposta na fita. Por isso La Guerre est Déclarée retrata a sua luta, as suas vitórias e as suas derrotas e realça para além de tudo o afecto de ambos, incapaz de ser quebrado fase a tempos negros como verificamos aqui.

 

 

A fita de Donzelli não implora piedade nem compaixão do espectador, é um tour de force que busca inspiração aos elementos mais pops, recorrendo a métodos que por si esquivam a “sete-pés” desse ambiente déjà vu cinematográfico, até mesmo visualizamos um momento musical ao mesmo estilo de Magnólia de Paul Thomas Anderson. E se tratando de um check-up de memórias do casal protagonista, La Guerre est Déclarée apenas se concentra no par sendo que o resto envolto é somente figuras de apoio de carácter quase obrigatório. Mesmo assim eis uma fita corajosa, motivadora e dentro do seu género, diferente!

 

Real.: Valérie Donzelli / Int.: Valérie Donzelli, Jérémie Elkaïm, César Desseix, Gabriel Elkaïm, Brigitte Sy, Elina Löwensohn

 

 

 

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 22:10
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs