Data
Título
Take
18.11.12

As Sombras de Burton!


 

Johnny Depp e Tim Burton se reúnem pela oitava vez para tornar possível um dos seus objectos de admiração, uma soap-opera dos anos 60 equivalente a uma novela mexicana que se dá pelo nome de Dark Shadows, uma salganhada de temas que incluía algum frenesim sobrenatural como é o caso da sua estrela Jonathan Frid que interpreta nada mais nada menos que um vampiro (anyone?). Movidos por um passado de guilty pleasures, porém tão bem que sabem homenagear a matéria pouco prima, como foi o caso de Ed Wood, filme biográfico daquele que é considerado o pior dos realizadores e falamos a nível mundial, mas que nas mãos desta dupla imbatível resultou num excelente e excêntrico retrato da imperfeição artística. Será que poderia resultar em Dark Shadows? Felizmente nesta Sombras da Escuridão (titulo traduzido) temos a nosso dispor os ingredientes que mais afeiçoamos na carreira de Burton, desde os cenários góticos e imaginativos até às personagens excêntricas e claro, Johnny Depp no seu melhor a demonstrar que é um dos actores mais camaleónicos e flexíveis dos tempos actuais.

 

 

Cheio de referências á novela em questão como também dos próprios anos 70 o qual a fita decorre, Dark Shadows tenta incutir um certa tragédia ao vampiro Barnabas Collins (Depp), um anterior aristocrata playboy que comete o maior erro da sua mortal vida, parte o coração a uma bruxa, para ser exacto á rancorosa e sedutora Angelique (uma fantástica Eva Green). Como castigo a feiticeira lança a uma maldição a Collins e o remete a um sono de mais de 200 anos, quando é libertado, agora na década de 70, ele encontra-se convertido a um sedento de sangue, imortal e amaldiçoado, um vampiro assim por dizer. Segue então ao encontro dos seus descendentes, aqueles que eram uma das mais poderosas famílias do seu tempo são agora reduzidos a uma remanescência. Barnabas decide então ajudar os seus herdeiros a poderem erguer de novo.

 

 

Claro que este Dark Shadows é nem de longe nem dos mais complexos filmes de Burton, e para ser sincero tinha pano para muito mais, historia para dar e vender e personagens que mereciam ser exploradas ao invés de se auto-converter em somente referências. O que gera é uma narrativa bastante apresada no segundo tomo e uma falta de ligação entre as personagens. E é pena porque tínhamos a nosso dispor um excelente elenco que poderia funcionar no seio da extravagância gótica de Tim Burton entre os quais Chloe Grace Moretz, uma pequena actriz em ascensão, contudo é nostálgico ver de novo Michelle Pfeifer de novo sob as ordens do realizador, conta-se 20 anos desde Batman Returns. Na chegada do terceiro tomo, talvez o mais agradável em termos visuais mas o mais trapalhão a nível narrativo, nos revela caóticos twist que são desvendados á velocidade da luz. Porém no último acto o realizador invocar em Eva Green algo do género de Meryl Streep em Death Becomes Her de Robert Zemeckis (nostálgico assim por dizer).

 

 

Em Dark Shadows se consta o gótico de Burton em todo o seu esplendor, mesmo que o filme não funcione como uma obra plena da sua carreira é um amontoado de referências e homenagens não só á série em questão como também inúmeros filmes que fascinam o autor. Um elenco de luxo liderado por um Johnny Depp excelente! 

 

“My name is Barnabas Collins. Two centuries ago, I made Collinwood my home... until a jealous witch cursed me, condemning me to the shadows, for all time.”

 

Real.: Tim Burton / Int.: Johnny Depp, Michelle Pfeiffer, Eva Green, Helena Bonham Carter, Chloë Grace Moretz, Jackie Earle Haley, Christopher Lee



 

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 23:31
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Padrinho... Mas Pouco: 3*Um filme divertido, mas p...
Impossível esquecer este anjo, este homem.
Triste perda. Que descanse em paz.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs