Data
Título
Take
5.8.12

No espaço ninguém pode ouvir … os seus disparos!

 

Enquanto não chega o já anunciado remake de Escape From New York, a obra de acção de culto da autoria de John Carpenter, contenta-se então com esta homenagem produzida por Luc Besson, Lockout – Máxima Segurança.

 

 

Segundo o novo filme de James Mather e Stephen St. Leger, num futuro próximo os mais perigosos criminosos do Mundo serão deportados para uma prisão de alta segurança no espaço, MS One, onde irão cumprir a pena em estado inconsciente. Porém as coisas correm terrivelmente mal e coincidentemente durante a visita da filha do presidente dos EUA, um motim emerge na MS One e a jovem rapariga interpretada por Maggie Grace no seu estado de graça, encontra-se entre os reféns. Para resgata-la é enviado para a tal prisão orbital, Snow (Guy Pearce), numa missão que pode garantir a sua mesma liberdade.

 

 

Guy Pearce encontra-se impagável na pele deste alternativo herói, com um sarcasmo sedutor e sem saldo. Ele é centro de atenções de um filme de ficção científica já revisto e sem grande flexibilidade, o que não era esperado numa obra que se orgulhava ser dos mesmos produtores de Taken – Busca Implacável. Não tendo sequências de acção que fiquem na memória, sendo que aquela perseguição inicial soa a uma artificialidade quase ridícula e completada por efeitos especiais decepcionantes, vilões sem grande relevância, mesmo que Vincent Regan seja carismático e algumas reviravoltas um pouco deslocadas e “who cares” neste tipo de intriga, fazem com que este Lockout não apresente como um espectáculo de acção extravagante, como também ausente de qualquer fascínio que o leve ao tão cobiçado patamar de filme de culto. Vale pelo divertido Guy Pearce e da química obtida com Maggie Grace, obviamente.

 

“I'm being beaten up by a guy called Rupert?”

 

Real.: James Mather, Stephen St. Leger / Int.: Guy Pearce, Maggie Grace, Vincent Regan, Peter Stormare, Joseph Gilgun

 

 

O Melhor – Guy Pearce e o seu irresistível sarcasmo

O Pior – Falta-lhe sobretudo uma noção de espectáculo mais acentuada

 

Recomendações – Pandorum (2009), Escape From New York (1981), Half Past Dead (2002)

5/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 22:49
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Suspiria (2018)

Colette (2018)

Carga (2018)

Raiva (2018)

Conheçam os vencedores da...

Extinção (2018)

Encontrado realizador par...

Venom (2018)

Doclisboa'18 revela toda ...

Cary Fukunaga será o real...

últ. comentários
Desculpe mas isso não faz qualquer sentido...Quand...
Acabei de ver. O de 1998 beneficiava-se do grande ...
Não percebi merda nenhuma do que escreveste, e olh...
Neste caso o director de fotografia não teve qualq...
Vi o filme ontem nos cinemas e adorei. Sendo filme...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs