Data
Título
Take
8.12.07

 

Real.: Chris Weitz

Int.: Dakota Blue Richards, Nicole Kidman, Daniel Craig, Sam Elliot, Ian McKellen, Ian McShane, Christopher Lee

 

No Univeros existe inúmeros mundos paralelos, um deles o qual Lyra (Dakota Blue Richards) vive é característico pelas almas de cada ser viverem lado a lado com o portador sob a forma de uma animal, conhecidos por daemons. Lyra é uma órfã que vive num colégio interno de nome, a única família que conhece é o seu tio, lorde Asriel (Daniel Craig). Um dia Lyra ouve o seu tio e vários membros superiores do seu colégio a discutir sobre uma tal Poeira encontrada nas terras a norte. A jovem fica intrigada e ainda mais quando uma misteriosa mulher, Mrs Coulter (Nicole Kidman) a convida-a a ir com ela numa expedição a tais terras. Lyra aceita e embarca numa aventura para além da sua imaginação.

Como sabem desde que a New Line Cinema descobriu uma mina de ouro que foi adaptar a trilogia O Senhor Dos Anéis, outros estúdios fizeram o mesmo, dando inicio a uma caça incansável em busca do próximo sucesso, e nisso nasceram versões cinematográficas de obras tão distintas como Harry Potter, Crónicas De Nárnia, Eragon e agora A Bussola Dourada, directamente das paginas de Reinos Do Norte de Philip Pullman, apadrinhado por New Line Cinema que deseja além de tudo repetir o sucesso de O Senhor Dos Anéis de Peter Jackson.

O realizador contratado para dirigir The Golden Compass – A Bússola Dourada foi Chris Weitz, um experiente em comédias como American Pie e About The Boy, veio ocupar o lugar vago de Peter Jackson, despedido recentemente do estúdio, no campo do filme de fantasia e sem mão de manobra para aplicar qualquer tipo de fulgor épico e de aventura, tudo resume num sofisticado festim de efeitos especiais, o qual de pouco utiliza a matéria prima deixada por Pullman, ainda por cima matéria da boa.

Os muitos defeitos do filme de Chris Weitz são quase os mesmo que as adaptações cinematográficas de As Crónicas de Nárnia, Eragon e o Harry Potter e a Ordem da Fenix; os CGI sobrepõem á narrativa, não existem qualquer rigor temporal e emocional, a acção parece estar acelerada desde o primeiro minuto e falta-lhe sobretudo a este The Golden Compass, uma estrutura óssea que sustêm a imaginação fértil de Reinos Do Norte, como também a sua profundidade filosófica e adulta, aqui minimizada para poder agrupar a uma faixa etária rentável para a época natalícia, ou seja um livro adulto convertido num filme para crianças e adolescentes.

Mas nem tudo é espinhos neste novo épico (?) de fantasia, é raro ver uma película deste género em que o elenco é quase todo acertado, desde a radiosa Nicole Kidman num papel de vilã impressionante, até mesmo á estreate Dakota Blue Richards, naquela que pode muito bem ser a melhor interpretação infantil do ano. Outro factor a marcar no elenco de The Golden Compass é o sonante talento vocal de Ian McKellen (X-Men, Codigo Da Vinci) a encarnar no urso blindado Iorek Byrnison, a assinalar presença mesmo sob a forma de uma criatura digital.

Resumidamente, The Golden Compass – A Bussola Dourada é um fast-food recomendado para aqueles que não possuem qualquer paciência para ler um livro ou simplesmente para aqueles que se satisfazem com efeitos especiais e pouco mais. Um pobre filme de fantasia onde apenas o elenco é a única razão que justifique o bilhete de cinema.

PS – quanto á polémica de o filme promover o ateísmo bem está-se mesmo a ver isso tudo não passa de um estratégia de concorrência, do quê não sei. Mas aconselho aos leitores que se estão a pensar ver o filme, não sejam beneficiados pelo que os outros dizem, mas sim a vossa opinião. Boicotar um filme não é correcto e é sempre um sinal de incerteza.

5/10 **

 


publicado por Hugo Gomes às 00:54
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Tany a 8 de Agosto de 2008 às 11:32
eu achei o filme chato...

apesar de concordar na excelentes prestações do elenco, achei a história aborrecida!

muita conversa desinteressante, adormeci a ver o filme!!!


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs