Data
Título
Take
12.5.12
12.5.12

A sorte segue os audazes!

 

Qual a probabilidade de calhar um Ás de espada num baralho de cartas? Um em 54. E de conseguir dois seis em um lançamento de dois dados? Um em 12. E de sobreviver a um acidente de avião? Um em milhão. A sorte para muitos é definida como um mero acaso, uma casualidade, e interpretada para outros através de probabilidades, porém Juan Carlos Fresnadillo o retrata como um dom, algo adquirido e com uma aura quase sobrenatural neste thriller de nome Intacto.

 

 

 

Segundo a obra, acredita-se que existem imensos sujeitos por todo o globo com atributos especiais, os sortudos, que absorvem a sorte dos outros através do toque. Vulgares para muitos, mas beneficiados pelos variados atributos casuais, esta classe de indivíduos se confrontam um contra aos outros em rituais e jogos, onde a aposta mais alta é a sorte dos outros.

 

 

Produção espanhola que tem como grande aptidão o seu argumento que quase bebe da mesma água dos filmes de suspense de M. Night Shyamalan ou de David Fincher, conseguido por vezes e com êxito, mimetizar tais ambientes. Fresnadillo aborda o tema da sorte / azar de uma forma próxima da hiperfísica, todavia sempre credível para os olhos dos espectadores, enquanto isso tem a seu dispor um elenco profissional e competente (destaque para Eusebio Poncela e o actor convidado Max Von Sydow) que conduz uma intriga sedutora, mas por vezes prejudicada pelo excesso de ambição que não consegue vingar no total face a este exercício, que sublinho interessante.

 

 

Enigmático e hipnotizante por vezes, Intacto é um thriller europeu que concebe originalidade, classe e profissionalismo na sua elaboração. Uma proposta interessante a não perder. Apresentado e elogiado em festivais de tamanha importância como Cannes, Sundance, Toronto e Fantasporto.

 

Real.: Juan Carlos Fresnadillo / Int.: Eusebio Poncela, Leonardo Sbaraglia, Monica Lopez, Antonio Dechent, Max Von Sydow

 

 

O Melhor – A ideia de um filme misterioso e criativo

O Pior – igual a muitas produções deste género, mais conceito e pouca expressão nele.

 

Recomendações – Panic Room (2002), Se7en (1995), 13 Tzameti (2005)

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 01:02
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Braço de Ferro em Cannes,...

Yomeddine (2018)

Todos lo Saben (2018)

Os sentimentos de um louc...

Cannes arranca com segred...

Morreu Ermanno Olmi, o ve...

I'm here ... again!

Conheçam os vencedores do...

Mais pormenores sobre o n...

Novo trailer de Ant-Man a...

últ. comentários
Para mim é um dos melhores estreados em 2018, amo ...
É já de domínio público que João Botelho adaptou, ...
O sr deve apanhar cada seca no cinema. Nunca conte...
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs