Data
Título
Take
2.12.11

O Gato que deixou o Ogre!

 

Shrek está para a Dreamworks Animation como o Rato Mickey está para os estúdios da Walt Disney, e com o ogre verde que surgiu em 2001 origina-se assim um universo ainda por explorar. E então que após três sequelas de grande êxito, eis que surge o spin-off de uma das personagens que partilham o dito espaço com estrelar monstro verde, O Gato das Botas.

 

 

Tal como havia sido feito nas animações do estúdio, Puss in Boots é uma irreverência do famoso conto de Charles Perrault em combinação com outras histórias infantis como O Pé de Feijão de Benjamin Tabart, mas muito mais que isso é uma tentativa de lucrar com o personagem criado como sidekick nas aventuras de Shrek. Com isso o famoso Gato das Botas protagoniza uma aventura com toques e referências ao subgénero western e aproveita-se de todos os efeitos da voz de Antonio Banderas para concretizar um mundo referencial envolto da figura de Hollywood. Por mais estranho que pareça esta manobra financeira torna-se assim num entretenimento para tudo e todos que não vergonha ninguém, para além de mais indicia uma maturidade do estúdio em criar novas histórias e saber aplica-las no grande ecrã.

 

 

Puss in Boots tem todos os ingredientes que sempre nos fizeram gostar das produções animadas da Dreamworks, é alegre, de espírito aventureiro, ousado, amontoado de gags sendo que muitos deles são executados apenas como menções, graficamente impecável, vozes famosas mas cativantes e personagens de mesmo adjectivo. Mas neste filme nota-se a maturidade que vimos crescer ao longo dos anos, é que por vezes Puss in Boots esquece do espírito endiabrado e conduz automaticamente para uma vertente dramática quase clássica. É que quando realmente o filme de Chris Miller (um dos principais tarefeiros da Dreamworks Animations) deve puxar á emoção e a cativação, o consegue não da forma exemplarmente clássica digna de um filme da Pixar mas de uma ligeireza saudável e bastante acolhedora.

 

 

O resto é mais palha para enriquecer o universo de Shrek, aproveitando a onda das sequelas e spin-offs do estúdio. Trata-se de uma animação competente, de boas referências e de personagens bem desenhadas. Destaque para as vozes e química entre Antonio Banderas e Salma Hayek (só por este conjunto já é uma piscadela a uma certa obra de Robert Rodriguez Desperado).

 

Real.: Chris Miller / Int.: Antonio Banderas, Salma Hayek, Zach Galifianakis, Billy Bob Thornton

 

 

Ver Também

Shrek (2001)

Shrek 2 (2004)

Shrek, The Third (2007)

Shrek Forever After (2010)

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 01:24
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs