Data
Título
Take
20.11.11
20.11.11

Tempo é Dinheiro!

 

Andrew Niccol já tinha de certa forma satirizado a diferença social entre classes com o seu provocante Gattaca (1997), sendo que neste In Time tenha praticamente reciclado a anterior temática. Nesta obra deparamos com um cenário alternativo do futuro em que os seres humanos apenas envelhecem até aos 25 anos, a partir daí terão que comprar tempo se quiserem viver um dia mais (nota-se que a obra partiu da ideia gerada pelo velho provérbio – “time is money”). Porém face às injustiças do mundo em que vive, existindo os ricos com séculos e séculos de vida e os pobres que tentam sobreviver com esmeros dias, Will Salas (Justin Timberlake) invoca assim uma revolução com consequências sem precedentes.

 

 

 A distribuição de riquezas é aqui transposta de uma forma quase metafórica, e sob o clima de conspiração, o qual Niccol tece um previsível arquétipo de filme de fugitivos, onde consegue estabelecer uma química altamente sensual entre Justin Timberlake e Amanda Seyfried (duas estrelas em ascensão na industria norte-americana). Os protagonistas brilham com charme em conjunto com um elenco profissional, entre eles, Olivia Wilde (com grande destaque este ano) que protagoniza uma das cenas mais dramáticas e tristemente belas da fita. Mas existe a sensação de ser Cillian Murphy a transportar In Time com energia fluentemente para fora do ecrã, o actor visto e aplaudido em Breakfast on Pluto de Neil Jordan e 28 Days Later de Danny Boyle, interpreta aqui uma espécie de membro de autoridade do tempo com um código de honra a seguir. Elementos esses, por vezes invocados de um certa obra de ficção cientifica de Kurt Wimmer, Equilibrium, onde também o filme de Niccol influencia.

 

 

Mesmo que se desenrole de forma previsível e amontoada de clichés, In Time consegue sobreviver nos tempos de hoje com a ideia, com a crítica, com o charme e da lição bem estudada que Andrew Niccol elabora. Não será propriamente relembrado na Historia do cinema do género, mas merece lugar destaque na ficção científica norte-americana produzida recentemente.

 

Real.: Andrew Niccol / Int.: Justin Timberlake, Amanda Seyfried, Cillian Murphy, Olivia Wilde

 

 

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 23:39
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs