Data
Título
Take
21.11.07

 

Real.: David S. Goyer

Int.: Wesley Snipes, Jessica Biel, Ryan Reynolds, Dominic Purcell

-

 

 

Meio vampiro, meio humano, Blade, que dedicou a sua vida a exterminar vampiros, encontra um adversário á sua altura, o mitico e unico, conde Dracula, invocado por aqueles que tanto mal querem ao nosso caçador de vampiros . A juntar a esta derradeira caçada do nosso herói, Hannibal King (Ryan Reynolds) e Abigail Whistler (Jessica Biel), ambos pertencente ao grupo de Nightstalkers, que possuem os mesmos propósitos de Blade.

Eis o esperado regresso do caçador de vampiros mais notório dos anos 90, Blade, uma personagem da Marvel Comics adaptada ao grande ecrã em 1998 por Stephen Norrington, o qual conheceu um avantajado sucesso de bilheteira e doses generosas de estilo que imortalizaram Wesley Snipes como o perfeito herói da Marvel. Em 2002, Guillermo Del Toro realiza uma sequela ainda mais insurrecta, onde utiliza os artifícios visuais mais sofisticados e proporciona um entretenimento quase surreal. Ambos os filmes de Blade foram escritos pelo argumentista David S. Goyer, que aqui toma as rédeas do projecto e apresenta aquele que poderá ser o último de uma saga que se fica por uma trilogia.

Blade Trinity – Perseguição Final apresenta um dos pesos pesados do universo vampírico, a aparição de Dracula como vilão, mas este “draculazinho” interpretado por Dominic Purcell é mais uma primaveril versão da criatura de Bram Stoker, desde que Gerard Butler interpretou o mesmo papel em Dracula 2001. Tendo um vilão tão fraco, bocejante e pouco impressionante, o resto resume a uma confusão pseudo – moralista, envolvida em cenas de acção iguais a tantas outras, com um Wesley Snipes cansado assim como o argumento.

Pois bem, que para poder atrair novos fãs, é então que surge Jessica Biel, a menina bonita da nova versão de Massacre No Texas de Marcus Nispel, Ryan Reynolds, mais conhecido com o seu registo cómico, dão nova vida a um franchising moribundo pelo tempo, infelizmente, quanto a Biel, só veio valorizar o grafismo estético da fita, contudo é de louvar o sarcasmo de Reynolds, que verdade seja dita não é má de toda. Pouco mais há para dizer de um fita tão fútil como este Blade Trinity.


 

 

4/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 23:48
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Braço de Ferro em Cannes,...

Yomeddine (2018)

Todos lo Saben (2018)

Os sentimentos de um louc...

Cannes arranca com segred...

Morreu Ermanno Olmi, o ve...

I'm here ... again!

Conheçam os vencedores do...

Mais pormenores sobre o n...

Novo trailer de Ant-Man a...

últ. comentários
Para mim é um dos melhores estreados em 2018, amo ...
É já de domínio público que João Botelho adaptou, ...
O sr deve apanhar cada seca no cinema. Nunca conte...
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs