Data
Título
Take
31.10.10

  

Paranormal Activity 2 de Tod Williams, o espanhol (REC) 2 da dupla Jaume Balagueró e Paco Plaza e The Last Exorcism de Daniel Stamm, o mockumentario ou falso-documenatrio parece ser o registo narrativo da moda, onde o mínimo de requisitos é filmar a fita como um vídeo amador se tratasse, usufruindo de um realismo que choca, diverte e oferece ao espectador novas emoções. Assistiremos agora dez filmes que também combinaram esta regressão cinematográfica, mas devidamente eficaz.

 

 

 

A Hard Day’s Night (Richard Lester, 1964) – Produzido durante o auge da “beattlemania”, esta fita protagonizada pelos quatro membros da banda pop Beattles (John Lennon, Paul McCartney, Ringo Starr, George Harrison) apresentava o registo de dois dias das suas vidas como profissionais musicais. Como é de esperar o filme foi um autêntico êxito.

 

 

Cannibal Holocaust (Ruggero Deodato, 1981) – Considerado um dos filmes mais chocantes e controversos de sempre, Deodato teve a excelente ideia de pegar na sua câmara e filmar um autêntico massacre canibal na floresta amazónica. De seguida teve a brilhante ideia de pagar aos seus actores para literalmente desapareceram, dando assim realismo na sua fita, já que a ideia é que o vídeo assemelha-se o mais real possível. Deodato chegou a ser julgado, sendo acusado por homicídio, mas tudo foi em vão com uma rápida intervenção do director em reunir os “desaparecidos” intérpretes.

 

 

Zelig (Woody Allen, 1983) – Interpretado pelo próprio Allen e por Mia Farrow, Zelig é uma fita com um visual dito de um filme documentário preto e branco dos anos 30, que conta a história de Leonard Zelig, um homem com a habilidade de transformar tudo o que lhe rodeia, recebendo o nome de o Homem-Camaleão.

 

 

This is Spinal Tap (Rob Reiner, 1984) – Um filme de êxito que apresentava a falsa digressão de uma falsa banda de rock. Escrito e interpretado por Christopher Guest, Rob Reiner, Michael McKean e Harry Shearer eis uma fita divertidíssima que brinca com as extravagâncias da estrelas e da histeria dos fãs. Como se costuma dizer a vida é rock, sexo e drogas.

 

 

The Blair Witch Project (Daniel Myrick, Eduardo Sánchez) – Depois de Cannibal Holocaust, The Blair Witch Project foi o próximo e referencial mockumentario de terror, a sinopse segue um grupo de estudantes que decidem concretizar um projecto escolar que consiste num documentário de uma lenda local, a lenda da Bruxa de Blair. Foi um frenesim na altura que estreou e ainda hoje um dos filmes de terror mais assustadores dos últimos anos.

 

 

Borat - Cultural Learnings of America for Make Benefit Glorious Nation of Kazakhstan (Larry Charles, 2006) – Só o extenso titulo é sinal de respeito, Borat é uma fita que segue o percurso de um repórter cazaquistanense nos EUA, a sua demanda em busca de Pamela Anderson e dos “estranhos” hábitos dos norte-americanos, tudo isto vindo da cabeça do humorista Larry Baron Cohen.

 

 

Death of a President (Gabriel Range, 2006) – o polémico falso-documentário de Range encena um suposto atentado a George W. Bush (envolvendo tiroteio e não sapatos), relembrando o assassinato de JFK (Kennedy). Eis um oportunista mas também reflexão do medo de terrorismo por parte do norte americanos, apontando para o anterior presidente como o inevitável culpado por essa fobia.

 

 

Surf’s Up (Ash Brannon, Chris Buck, 2007) – Até a animação assistiu a sua faceta mockumentaria com este Surf’s Up, uma produção animada da Sonny Pictures que segue a historia de um pinguim desejoso a tornar-se numa profissional do surf. Um encanto de vozes que conta com Shia LaBeouf, Jeff Bridges e James Wood. Uma animação que parece ter saído dos produtores de um documentário qualquer da MTV.

 

 

Cloverfield (Matt Reeves, 2008) – Imaginem Nova Iorque a ser devastada por um monstro do tamanho de um prédio de sete andares, o único registo que se conseguiu do momento é a câmara de um grupo de jovens que tentam sobreviver ao desastre. Um êxito de bilheteira com o cunho de J.J. Abrams, o criador da inovadora série Lost.

 

 

Humpday (Lynn Shelton, 2009) - Dois amigos se juntam para fazer um filme pornográfico, e de categoria homossexual, o que leva todos de surpresa. Porém tudo aquilo que foi uma ideia que surgiu numa simples noite de bebedeira é agora um desafio que ambos têm que quebrar. Comédia aplaudida em festivais célebres como o Sundance e a Independent Spirits, a ver e sem tabus.

 

Ver Também

Paranormal Activity (2007) 

Paranormal Activity 2 (2010) 

(REC) (2007)

(REC) 2 (2009)

Cloverfield (2008)

Death of a President (2006)

Surf’s Up (2007)

tags:

publicado por Hugo Gomes às 02:05
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Padrinho... Mas Pouco: 3*Um filme divertido, mas p...
Impossível esquecer este anjo, este homem.
Triste perda. Que descanse em paz.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs