Data
Título
Take
1.11.07
1.11.07

 

Real.: Danny Boyle

Int.: Cillian Murphy, Michelle Yeoh, Chris Evans, Rose Byrne, Cliff Curtis

 

O Sol está a morrer, e para prevenir a extinção da Humanidade, reuniu-se uma equipa de cientistas a bordo de uma nave de nome Icarus II numa missão suicida. Icarus II transporta um explosivo altamente potente capaz de provocar um novo Big Bang.

Danny Boyle é um flexível realizador de culto, que varia sempre o género dos seus projectos, percorrendo o terror (28 Days Later - 28 Dias Depois), a comédia dramática (Trainspotting) e o filme de família (Millions). Desta vez o género escolhido foi a ficção científica, onde Boyle traz a nós uma incursão de clássicos como Solaris de Andrei Tarkovsky, 2001 – A Space Odyssey de Stanley Kubrick e até mesmo o Alien (a claustrofobia é evidente), voltando a apostar numa premissa básica, mas sempre recorrendo aos interessantes artifícios. Arrastando consigo um dos seus actores predilectos, Cillian Murphy que protagoniza esta ficção inteligente juntamente com um grupo de actores minimamente conhecidos entre o publico; Chris Evans (Fantastic Four), Michelle Yeoh (Hidden Dragon and the Crouching Tiger), Rose Byrne (Troy), Cliff Curtis (Die Hard 4.0) e entre outros, todos eles com qualitativas interpretações e química dentro do grupo. Quanto ao ultimo factor, Danny Boyle quis deixar claro que a ligação entre os actores era um dos topicos mais importantes deste filme, por isso durante a produção a equipa teve que viver junta para fortalecer uma quimica palpavel.

Sem grandes surpresas, mas com uma realização segura e um senso de entretenimento sempre constante, Danny Boyle traz a nós um filme de ficção com uma narrativa madura, sem qualquer registo alucinado de space opera, com bons efeitos especiais e uma reflexão entre a religião e ciência, o qual o Boyle não aprofunda. Não é uma obra-prima, e é capaz de decepcionar lá mais para o final, quando Boyle mostra em si uma veia mais experimental, mas mesmo assim consegue ser um excelente exercício de entretenimento e a ficção científica do ano.

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 21:55
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs