Data
Título
Take
7.4.10

Clyde Shelton vs Justiça

 

Aquilo, que denominamos de justiça não é de certo o eterno confronto entre o bem e o mal, cuja virtude triunfa em todo os ângulos, o que referimos isso, temos que definir como um nada mais conjunto de regras e leis que funcionam como uma teia de atalhos com o intuito de reproduzir essa consciência através do julgamento de terceiras pessoas, como advogados e juízes. Ou seja nem sempre o bem triunfa nesta batalha, sendo ultrapassado por interesses maiores ou tudo reduzido a um mero jogo táctico. Sendo assim, o sistema de justiça não é fiável, chegando a ser corrupto, injusto e cego, até demais, tal factor move o destroçado pai e marido, Clyde Shelton (Gerard Butler), que após perder sua família num brutal assassinato, sendo que os assassinos ficam impunes a tais condenações, decide, segundo ele, destronar todo o sistema jurídico.

 

 

Law Abiding Citizen é a nova fita de acção de F. Gary Gray, realizador do electrizante remake de Italian Job (2003) e a sequela de Get Shorty de Barry Sonnenfeld, Be Cool (2005), que apresenta uma fresca premissa parte do argumento escrito por Kurt Wimmer (realizador de Equilibrium e Ultraviolet), mas que no desenrolar evidencia uma pura inspiração que dissipa com o desenvolvimento e com a conexão da história de teor labiríntico. Mesmo que por vezes se torna numa crítica á existência desse sistema não falível, a sua ambição em surpreender faz com que a fita siga por caminhos de “preguicite” e facilitismo.

 

 

A realização de Gray não é inspirada, banal é o termo correcto, o elenco secundário é descartável e não propicio a qualquer rompante de bons desempenhos, mesmo com o esforço de Leslie Bibb, o carisma de Viola Davis e a mudança de registo de Regina Hall (habituada ás fitas cómicas como Scary Movie e afins, aqui não consegue convencer, mesmo reconhecendo o esforço) e a exaustiva participação de Colm Meaney. Todavia é no desempenho estupendo de Gerard Butler que encontramos uma das razões de sucesso desta fita, a prestação vil de um homem descredibilizado pela justiça é de agarrar ao acento (diria antes que neste momento o melhor papel da sua carreira), ofuscando assim o seu rival, Jamie Foxx numa actuação algo banal.

 

 

Ironicamente Butler estudou para advogado, tendo “caído” no mundo cinematográfico por mero acaso, na produção deste filme, o actor foi apelado para o papel de Foxx e vice-versa, mas ambos decidiram negociar as suas personagens, trocando-as, com a visualização deste filme será difícil imaginar a original entrega de papéis. Sendo assim o actor reconhecido pelo papel de Rei Leónidas no épico visual, 300 de Zack Snyder, é o melhor desta fita desequilibrada que á força quer se identificar como obra inteligente, com um twist final digno do ridículo face á evolução narrativa.

 

“I'm gonna pull the whole thing down. I'm gonna bring the whole fuckin' diseased, corrupt temple down on your head. It's gonna be biblical.”

 

Real.: F. Gary Gray

Int.: Gerard Butler, Jamie Foxx, Colm Meaney, Viola Davis, Leslie Bibb, Regina Hall

 

 

A não perder – o melhor papel de Butler

 

O melhor – o actor de 300

O pior – as dificuldades do argumento em manter um equilíbrio narrativo

 

Recomendações – Se7en (1995), Runaway Juri (2003), Butterfly on a Wheel (2007)

 

Ver Outras Fontes

Cinema is My Life – Law Abiding Citizen (2009)

5/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 00:17
link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De Gustavo a 8 de Abril de 2010 às 19:41
Depois lá, achei um grande filme de acção, o final pode desiludir, mas n achei ridiculo como tu dizes. È a histroia de um homem revoltado pela justiça, não é brilhante, mas é um bom filme e Os dois actores principais são fabulosos, como tambénm a gaja do Scary Movie


De Frederico Daniel a 27 de Setembro de 2015 às 00:51
"Um Cidadão Exemplar" tem um ponto de partida interessante, mas a forma que essa premissa foi desenvolvida fez com que o argumento se tornasse algo desinteressante e cansativo. "Law Abiding Citizen" é um filme bom, mas é apenas isso.
3*
Cumprimentos, Frederico.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Padrinho... Mas Pouco: 3*Um filme divertido, mas p...
Impossível esquecer este anjo, este homem.
Triste perda. Que descanse em paz.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs