Data
Título
Take
22.8.09

Heróis de brinquedo!


Depois de Transformers, G.I. Joe é a nova linha de brinquedos a ter direito á sua variação cinematográfica, e juntamente com os dois filmes de Michael Bay, novamente arquitectados pela empresa Hasbro, a famosa linha de brinquedos que inspiraram esses dois franchisingsHasbro encontrou no cinema a sua “galinha dos ovos de ouro”, um método para encher os seus cofres ou reavivar a venda dos seus produtos, sendo também valido referir tal manobra como uma espécie de “kit” de sobrevivência. Vivemos num tempo em que as brincadeiras das crianças cedem facilmente pelos videojogos, computadores e outras menções tecnológicas, deixando de lado os brinquedos, entre os quais os “as figurinhas de acção” e outros instrumentos que drasticamente caíram no desuso, atingindo um desequilíbrio no mercado preocupante (tal factor veio agravar com a crise económica global).

 

 

O sucesso de Transformers em 2007 foi estrondoso, posicionando a Hasbro em real competição com outros grandes estúdios e empresas de merchandising que também havia lançado as suas sortes no grande ecrã, entre os quais a Marvel. Assim sendo a Hasbro, em parceria com a Paramount Studios, esteja entusiasmada em transformar as suas linhas de brinquedos em sagas cinematográficas, tendo já apostado em Transformers – Revenge of the Fallen (que já é um colossal êxito de bilheteira) e agora este G.I. Joe – The Rise of Cobra  (que não se sai mal no mesmo território), ambos são por enquanto as “armas” para um futuro que se avizinha para a empresa.

 

 

Quanto á fita em questão, G.I. Joe se baseia numa popular linha de brinquedos dos anos 80 que conheceu um sucesso reconhecível que tal gerou bandas desenhadas, programas televisivos e até mesmo videojogos, nos dias de hoje adquiriu um certo estatuto de culto e as suas figuras mais antigas estabeleceram-se como pequenas relíquias, a Hasbro sabe o que faz, não iria gastar milhões em algo que não fosse sustentado por um considerável legião de fãs. Contudo nota-se que o filme tem objectivo maior em mente, a de reconquistar novos adeptos, sendo Stephen Sommers toma rédea de uma produção que lança constantemente “piscar de olhos” á nova geração, cada vez mais dependente aos efeitos visuais.

 

 

Em G.I. Joe, a acção é o nome de ordem, porém o resultado é constrangedor, a fita não nega as suas inspirações, a dos videojogos, mais do que propriamente se comportar numa longa-metragem. O realizador da Múmia e Van Helsing, é sem dúvidas apto nas sequências de acção, mas é incapaz de usufruir de um argumento consistente e sobretudo personagens convincentes (e nisso só se encontra presente bonecos). G.I. Joe : The Rise of the Cobra se revela num objecto com “estilo” para os púberes, confirmando-se com uma narrativamente demasiado rápida e sobrecarregada pelos pontos técnicos, visuais e sonoros, o que o torna num desperdício a quem procura algo mais que somente efeitos especiais e os enésimos gadgets impossíveis que eram capaz de fazer corar James Bond. O enredo originalidade não possui e acima de tudo é inapta em ocultar os maniqueísmos patrióticos norte-americanos.

 

 

Com uma trama cheio de inverosimilhanças, a fita de Sommers é incapaz de encobrir o seu maior defeito, um argumento rudimentar e imaturo (mesmo para a definição de blockbuster). Vale sobretudo pela pose sensual de Sienna Miller, porque de resto apetece é mesmo bocejar, é que filmes como estes há muitos. Para finalizar quero apelar aos fãs para não desesperarem, porque este infeliz “arranque” promete mais, mas muito mais continuações.

 

"Would you look at that? Real American heroes..."

 

Real.: Stephen Sommers /Int.: Channing Tatum, Dennis Quaid, Joseph Gordon-Levitt, Marlon Wayans, Sienna Miller, Rachel Nichols, Jonathan Pryce, Arnold Vosloo, Byung-hun lee, Brendan Fraser



 

A Não Perder – Para quem cresceu com os G.I. Joes e para quem gostou do ultimo Transformers.


O melhor – Sienna Miller, obviamente

O pior – se conhecem os filmes de Sommers, concretamente saberão reconhecer os erros da fita

 

Recomendações – LXG –The League of Extraordinary Gentleman (2003), 007 – Diamonds Are Forever (1971), Transformers – Revenge of Fallen (2009)

 

4/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 23:46
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs