Data
Título
Take
6.5.09

Real.: Jon Kasdan

Int.: Adam Brody, Kristen Stewart, Meg Ryan, Olympia Dukakis, Makenzie Vega

 

 

Mulheres! Será que existe algo de tão complexo como o seu Mundo, será capaz um homem sobreviver sem danos entre elas? Tudo isto acontece metaforicamente neste drama com toques humorísticos, In The Land of Women, uma espécie de American Beauty convertido num “estudo” ao sexo feminino e seus “acessórios” sem grande profundidade mas com um acertado sentido de dever e delicadeza. Na realização encontra-se Jon Kasdan, filho do célebre argumentista / realizador, Lawrence Kasdan (Silverado, Dream Catcher), tem aqui uma estreia entusiasmante cuja sua sensibilidade num tema povoado de lugares-comuns se faz sentir mesmo no mais frio espectador, nota, também ele escreve o argumento. O melhor é que mesmo sendo um filme centrado na relação de várias gerações de mulheres num só homem, nunca se abafa na “pieguice” e “feminismo cor-de-rosa” dos inúmeros projectos norte-americanos que por aí povoam os cinemas.

Tudo se inicia com um término de uma relação, Carter (Adam Brody) fica despedaçado pela forma com que a sua bela namorada, Sofia (Elena Anaya) cessa uma relação amorosa promissora. O jovem argumentista sente que o mundo expirou para ele e devido a isso decide ir viver com a sua lunática avó (Olympia Dukakis – vencedora do Óscar de Melhor Actriz Secundarias em 1987 por Moonstruck) que acredita piamente que irá falecer em breve mesmo que os médicos contrariam a sua opinião. Decidido a mudar de vida, Carter vê-se envolvido num triângulo amoroso na vizinhança que irá trazer algo mais que uma simples mudança.

De argumento muito simples, In The Land of Women, conjunta doença, desespero, adultério, criatividade, romance e muitos mais ingredientes que tanto integram a mulher como ser da sociedade e glorificam a sua imagem. Mais que uma simples novela, temos aqui um “feel-good” movie em que “depois da tempestade vêm a bonança” , In the Land of Women também pode destacar-se pelo regresso de Meg Ryan, que após um “desaparecimento” de três anos desde o “fracasso” de Against the Ropes (Charles S. Dutton, 2004), tem aqui um desempenho esforçado, mas sente uma falta de pratica devido á grande ausência, alguma inexpressividade á mistura e fraca intensidade  emocional onde devia contrair. Kristen Stewart, uma daquelas moças revelação (irá sentir o estrelato um ano depois devido ao sucesso internacional de Twilight) é também deveras decepcionante, as suas emoções podem mesmo rivalizar com um mineral, a jovem actriz mostrou muito melhor em The Messengers e Into The Wild.

Mas no campo das interpretações nem tudo é fraco, Makenzie Vega é uma criança muito talentosa, mesmo subestimada, no papel de Paige. Não estimada o bastante está Olympia Dukakis, como já havia referido, vencedora de um Óscar, está brilhantemente louca. Por fim, Adam Brody escapa ileso. Não ficará na memoria e sendo de catalogo independente, pode dar-nos ares de dar mais expectativas do que aquilo que promete. Um exercício nada vago sobre um mundo que é praticamente desconhecido ao sexo masculino. Nada demais.

 

A não perder – Para quem sente desejado pelas mulheres, mas mesmo assim não se encontra feliz.

O melhor – a sensibilidade de Jon Kasdan

O pior – Não é profundo, todavia não é oco nem vazio, mas temos a sensação que poderia ser mais do que se apresenta.

 

Recomendações – Lolita (1962), Something´s Gotta Give (2003), Forgetting Sarah Marshall (2008)

 

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 19:33
link do post | comentar | partilhar

4 comentários:
De Filipe Coutinho a 7 de Maio de 2009 às 21:41
Eu gostei muito do filme. Foi uma das maiores surpresas do seu ano de estreia quanto a mim. Uma comédia romântica com classe e com um Adam Brody a excelente nível.

Abraço

PS: Espero pela tua crítica ao Star Trek.


De FC a 9 de Maio de 2009 às 01:04
Não é profundo? o que faltou então?


De Popet a 30 de Julho de 2009 às 00:42
Achei um bom filme, mas em certas partes um pouco longe da realidade.

Gostei de ver o papel da kristen neste filme.


De aer conditionat a 5 de Setembro de 2011 às 16:10
Este filme é uma grande história de amor e acho que toda garota deve vê-lo.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Encontrado realizador par...

Venom (2018)

Doclisboa'18 revela toda ...

Cary Fukunaga será o real...

A Simple Favor (2018)

Edgar Pêra "ataca" salas ...

Morreu Kirin Kiki, a noss...

Marco Martins tem novo pr...

The Predator (2018)

Rumor: Kit Harington pode...

últ. comentários
Um filme lindo. Um dos melhores do Ang Lee. O meu ...
"Deveria ser um crime ignorar um filme destes.". B...
Nem tinha vontade de ver o filme. Pensei que apena...
Sei que um filme é bom quando, assim que acaba, te...
Acho que será muito bom. O Joker é um personagem ...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs