Data
Título
Take
18.9.07
18.9.07

 

Real.: James Mangold

Int.: John Cusack, Ray Liotta, Amanda Peet, Alfred Molina

 

 

Apanhados por uma tempestade e impedidos de sair da zona, dez estranhos muito diferentes encontram-se refugiados num motel, enquanto tentam arranjar maneira de sair, algo quer que eles fiquem lá para sempre e quando tempo passa, um indivíduo morre e assim sucessivamente.

James Mangold é um nome a reter, depois de ter arrancado de Sylvester Stallone uma óptima interpretação no quase esquecido Cop Land – Zona Exclusiva, de ter participado na entrega do Óscar de melhor actriz secundária a Angelina Jolie em Vida Interrompida, é um realizador nato, onde o seu pior erro foi a comédia romântica Kate E Leopold, que apenas falhou devido a uma esquizofrenia temporal. Mangold consegue captar o interesse nas suas fitas e prender o espectador ao enredo, por isso mesmo que Identity é um filme repleto de suspense e tensão, baseado na famosa obra de Agatha Christie, Os Dez Negritos, onde o realizador vai cosendo ma teia de enredo imprevisível e na sua maneira de ser surpreendente, apesar de o inicio ter alguns soluços narrativos idêntico ao historia recontada em que certos pormenores esquecidos durante a historia são abrangidos em pausas. Mangold também aposta “forte e feio” nas personagens, onde algumas realmente causam simpatia, outras apatia, noutras o nosso “julgamento” muda de um momento para o outro, mesmo assim sempre antecipamos quem vai ou não morrer no inicio.

O ambiente é um dos artifícios mais importantes nas cenas tensão, sombrio e mais aterrador que vários cenários dado por inúmeros filmes de terror com o propósito mais acentuado, mas muito menos eficaz que Identity, o qual este não pretende assustar, mas aos poucos conseguem. È basicamente um filme onde a questão mais importante é “Quem é o assassino?” o qual consegue despertar do espectador o interesse merecido, mas que perde-se ao não seguir o raciocínio do mesmo, o que resulta num final original, mas sem chama e credibilidade que devia ter e quando o enredo dá um volta de 360º graças a um twist decepcionante que faz com que o espectador perca o interesse em saber quem é o assassino, porque conforme o resultado, nada mais importa.

 

6/10 ***


publicado por Hugo Gomes às 12:04
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Sempre iluminado!

«Vitalina Varela»: a noit...

Terminator: Dark Fate - o...

No Country for Old Women

«Il Traditore»: a máfia m...

Porquê ver Mutant Blast? ...

Quote #12: Ventura (Vital...

Feios, Porcos e Maus: epi...

Na Netflix, nem tudo é or...

Primeiras Impressões: «Te...

últ. comentários
escadas moduladas
receita de chicha morada peruana
Chamar uma desentupidora!
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
31 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs