Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Real.: David Fincher

Int.: Jodie Foster, Forest Whitaker, Jared Leto, Kristen Stewart

 

 

David Fincher está entre os realizadores mais exímios da actualidade, cruzando a sensatez do suspense que herdou de Alfred Hitchcock e a electrização e sofisticação de um videoclipp. Os seus filmes somam a mistura entre o passado e o futuro, o legado do thriller, não como um mero objecto comercial, mas sim uma obra de arte. Os seus filmes não estariam completos sem que existem verdadeiros protagonistas que motivassem o espectador a seguir a acção, na verdade David Fincher é talentoso atrás das câmaras mas também consegue expressar-se através dos actores que escolhe para protagonizar as suas fitas. È de verificar que todos os seus filmes até agora foram fortes em termos de elenco, a dupla Brad Pitt e Morgan Freeman entre as melhores de Hollywood após Se7en, o que se diz de Edward Norton e a sua dualidade sob a forma de um Brad Pitt bizarro em Fight Club, Michael Douglas emotivo e um eficaz Sean Penn em The Game, uma Sigourney Weaver guerreira em Alien 3, o trio arriscado, mas competente em Zodiac (Jake Gylenhaal, Robert Downey Jr. e Mark Ruffallo) e por fim, Jodie Foster em Panic Room.

De todos os filmes de Fincher, Panic Room – Sala de Pânico é de todos a sua obra mais influenciável pelo estilo de Hitchcock, o qual reserva-se com um argumento escrito por David Koepp em que claustrofobia e tensão são a ordem do dia. O elenco é curto, tal como por exemplo Rope do inglês mestre do suspense, o espaço é reduzido a uma mera casa e a ligação dos actores entre um deles é de facto beneficiável para a emocionante captura de tensão que David Fincher consegue. Panic Room é uma historia simples em que decorre num assalto a uma casa, em principio abandonada, três larápios, cada um com habilidades especiais tentam encontrar “algo”, contudo a casa que planeavam estar abandonada, afinal está habitada pelas recém-chegadas Meg Altman (Jodie Foster) e a sua filha Sarah (Kristen Stewart, muito antes de Twilight). Quando ambas apercebem que a casa está a ser forjada, mãe e filha abrigam-se na Sala de Pânico, uma das particularidades daquela casa. Sem sabendo no que se estão realmente a meter-se!

Panic Room foi um dos maiores sucessos do realizador, tendo angariado 96 milhões de dólares na sua data de exibição nos EUA, comparado com os 38 milhões de Fight Club. O thriller protagonizado por Jodie Foster é realçado pelo brilhante olho dos estúdios para desenvolve-lo de forma mais fluida e comercial, ou seja enquanto Fight Club tinha um certo fundo anárquico, com certas manifestações nos eu conteúdo, o qual Americano comum despreza tais ideias, Panic Room não traz á luz do dia nenhuma contradição teológica, anarquismos ou nenhuma divulgação, trata-se de um objecto de estúdio (mas estimado), cujo seu objectivo é entreter e é isso que tenta seguir. Alfred Hitchcock fazia o mesmo com as suas fitas, filmes para o público, mas claro, com a sua “garra” artística, que na verdade os definia. Talvez seja herege meter Fincher no mesmo patamar que o realizador de Psycho ou North By Northwest, ainda mais com o destaque deste filme, mas provavelmente daqui a uns anos valentes, David Fincher seja olhado com a mesma celebrização que Hitchcock e Panic Room da mesma maneira que um Rear Window. Mas ainda vivemos no nosso tempo e Panic Room ainda seja visto como mero produto descartável de Hollywood.

O que há para dizer de Panic Room é que ele é de facto um bom thriller, talvez muito devido ao realizador que ao mesmo tempo consegue pressionar nos actores emoções e grandes desempenhos, mesmo no género de filme que é, Jodie Foster é das melhores actrizes do seu tempo e Forest Whitaker já está a dar muito nas vistas, e também um argumento sóbrio de Koepp, com noção para o Norte e Sul e bastante equilibrado no ritmo. A câmara e a sofisticação “videoclippeira” de Fincher é o que lhe dá, á fita, um ar mais moderno, porque se não fosse isso, diria estávamos perante num filme de suspense com alguma acção á mistura, feito á moda antiga. O filme mais comercialidade do realizador de Seven, um dos melhores thrillers do inicio do novo milénio. Vale a pena entrar em pânico com esta Sala …!

A não perder – as referencias ao cinema de Hitchcock, nomeadamente Rear Window.

O melhor – O ritmo equilibrado, Jodie Foster e Forest Whitaker

O pior – alguma estilização em demasia

 

Recomendações – Rear Window (1954), Rope (1948), Assault on Precinct 13 (1976)

 

8/10

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 19:57
link do post | partilhar

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Insyriated (2017)

Trailer: The Equalizer 2,...

Cannes: Terry Gilliam, Vo...

Brevemente ...

Arranca o ciclo «O que é ...

Quinzena dos Realizadores...

Morreu R. Lee Ermey, o sa...

Ed Sheeran em filme de Da...

Humores Artificiais vence...

Morreu VIttorio Taviani, ...

últ. comentários
Tomb Raider: 4*Este é um blockbuster bem conseguid...
Mas, sendo este caso Woody Allen já tão antigo, po...
Filme muito bom. Um tratado de sociologia/psicolog...
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs