Data
Título
Take
30.8.08

“A minha vida é uma mala de viagens, sou o viajante mexicano”


Nascido em Guadalajara, na região de Jalisco, México (1964), Guillermo Del Toro, torna-se numa espécie de aprendiz por parte do lendário Dick Smith, o criador dos efeitos e maquilhagem de O Exorcista, decidindo trabalhar na sua primeira curta, Doña Lupe (1985), como também produziu a fita, Doña Herlinda and Her Son, uma comédia dramática sobre um caso amoroso entre um médico e um estudante de música num filme dirigido por Jaime Humberto Hermosillo. Gastou 10 anos a supervisionar e a dirigir a sua companhia, Necropia na década de 80, nesse mesmos anos, produziu, dirigiu e escreveu programas e series para a televisão mexicana. Del Toro teve a sua grande aparição em 1993, em Cannes, enquanto apresentava Cronos, que venceu o premio de Críticos do festival e vencedor de nove distinções no seu país de origem, quatro anos depois se iniciou em Hollywood com Mimic, o qual não obteve o sucesso esperado, tendo voltando ao seu trabalho no México, o qual trabalhou em Espinazo del Diablo (2001), voltando a conquistar críticos e público. Em 2002, regressou aos EUA com a sequela de Blade, ganhando notoriedade e independência com a sua irreverente visão do comics da Marvel. Em 2004, cria o filme de culto, também ele adaptado de uma BD, Hellboy. Foi em 2006, que Del Toro conquistou o Mundo propriamente dito, com a sua fábula gótica, Pan´s Labyrinth, que arrecadou ao todo 64 distinções, incluindo 3 Óscares. Com isso ganhou o estatuto de novo Tim Burton, tendo o seu nome, o favorito para a liderança de vários projectos de vertente fantástica, tendo recusado inúmeros; I Am Legend, Halo, Harry Potter and the Half-Blood Prince e One Missed Call, para poder realizar a sequela de Hellboy em The Golden Army (2008), com um sucesso mais considerável. Produziu também El Orfanato (2007) que se distinguiu por 9 Goyas e foi o candidato oficial a representar a Espanha no Óscar de Melhor Filme Estrangeiro. Neste momento está a escrever e a realizar The Hobbit na prequela de The Lord of the Rings, produzida por Peter Jackson. O futuro ainda lhe reserva.


publicado por Hugo Gomes às 19:47
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Filipe Coutinho a 1 de Setembro de 2008 às 19:05
Não é, de todo, o meu realizador favorito, mas reconheço-lo valor. É detentor de muito talento.

Abraço


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Padrinho... Mas Pouco: 3*Um filme divertido, mas p...
Impossível esquecer este anjo, este homem.
Triste perda. Que descanse em paz.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs