Data
Título
Take
6.3.08
6.3.08

 

Real.: Joby Harold

Int.: Hayden Christensen, Jessica Alba, Lena Olin, Terrence Howard

 

Clay Beresford (Hayden Christensen) é um jovem bem sucedido, herdeiro de uma empresa multi-milionária que acaba de fechar um negócio promissor com uma companhia japonesa. Mas Beresford tem uma fraqueza, o seu coração é fraco que com ele o jovem poderá não ter muito tempo de vida, e durante anos espera por um coração novo que possa ser utilizado num transplante, mas devido ao seu raro tipo de sangue, a espera é longa. Mas num inesperado dia, Clay recebe a avassaladora notícia de que um coração está á sua espera no hospital, de bom agrado mas ao mesmo tempo receoso, é submetido á cirurgia e a anestesia. Mas algo corre mal, anestesia falha e Clay é capaz de sentir tudo, ouvir tudo e pensar em tudo, porque na verdade ele se encontra acordado e presente na sua própria morte.

Em semelhança com o filme Corrupção do produtor Alexandre Valente, o realizador Joby Harold não exibiu o seu “produto” á imprensa nacional (EUA) com intuito de evitar um “chuva” de más críticas envolto do seu novo projecto. Descrença em si próprio ou sensatez artística, não sabemos os motivos que o levaram a fazer, mas uma coisa é certa, o filme de Harold á partida, não poderia ser um arrecador de boas críticas, e porquê? Porque o seu argumento ilude de tal maneira a sua premissa, que atribui como esquizofrenia e irrealismo, tal como o remake de Invisível escrito pelo argumentista David S. Goyer, os envolvidos no projecto deitam por água abaixo qualquer tentativa culta ou esforço cinematográfico, o que criam, tal como o filme anterior referido, um moralismo cristão, onde sentimentos bacocos e soluções fáceis são apenas rotina intransponíveis.

Envolvendo um premissa interessante e no mínimo intrigante, Awake – Acordado perde-se facilmente entre a esquizofrenia e falta de coerência entre as relações e as personagens, pouco se pode tirar partido de um filme destes, apenas Lena Olin e Terrence Howard dão alguma força nos seus papéis, Hayden Christensen é demasiado inexpressivo para protagonista e Jessica Alba numa limitação artística, que consegue dizer as frases “amo-te” e “mata-o” no mesmo tom de voz e expressão facial, mesmo assim reserva-se como um atractivo da fita, um entre o fracasso de filme que Joby Harold realizou.

PS – os créditos iniciais do filme são mais interessantes e arrepiantes que todo o resto do filme, só visto.

O melhor – os créditos iniciais e o carisma de Terrence Howard

O pior – o desempenho de Jessica Alba e a esquizofrenia argumental

4/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 12:21
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2019:

 J F M A M J J A S O N D


2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

O pão de cada dia obriga ...

Critica - "Nós" não ficam...

Primeiras impressões: Us

Os patetas do costume

O meu Cinema é feito de M...

Maquilhagem americanizada...

Crítica: Marvel no nome, ...

Críticas: uma portuguesa,...

Primeiras reacções: Capta...

E os Óscares?

últ. comentários
Título do post muito criativo.
Legal o tema do post. Parabéns.
Aguardando. Blog bem legal!
Um luxo de actores num filme de lixo, repito LIXO....
Gostei muito da crónica. Vou acompanhar o seu blog...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
30 comentários
25 comentários
20 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
SAPO Blogs