Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Cinematograficamente Falando ...

Quando só se tem cinema na cabeça, dá nisto ...

Michael Douglas: o homem que odeia mulheres?

Hugo Gomes, 14.02.21

636409389750085163-DOUGLAS-FATAL-1534361-1-.jpg

Fatal Atraction (Adrian Lyne, 1987)

Basic_Instinct-932988286-large.jpg

Basic Instinct (Paul Verhoeven, 1992)

disclosure_00.jpg

Disclosure (Barry Levinson, 1994)

Digamos que o maior inimigo de Michael Douglas sempre fora a Mulher, o resumo da suas intrigas hollywoodescas, muitas destas integradas na sua joia da coroa enquanto ator. Assim foi em 1987, quando por vias do desejo (sempre o desencadeador desta trindade que vos falo) envolve-se com Glenn Close em “Fatal Atraction”, de Adrian Lyne (que mais tarde concederia uma resposta mais amena a este extremismo com “Unfaithful”), uma espécie de “Jaws para homens casados”, adquire nos dias de hoje um novo sentido e compaixão pela, diversas vezes reduzida a psicopatia compulsiva, Alex Forrest (Close).
 
Cinco anos depois, na pele de um detetive, Douglas viola o seu próprio código deontológico, seduzindo e deixando-se seduzir pela novelista e principal suspeita do brutal homicídio que investiga - Catherine Tramell (Sharon Stone) - em “Basic Instinct”. Não tendo o mesmo impacto que os anteriores, e porque por vezes a “terceira não é de vez”, Douglas, mero empregado, é assediado sexualmente pela sua superior hierárquica, uma Demi Moore pronta a destruir tudo e todos em nome da sua fantasia em “Disclosure”.
 
Com esta trilogia e a passagem de anos que acarreta, começamos a duvidar da, até então, “inocência” de Douglas nestas suas avessas com o sexo feminino, e sob um novo olhar (entendendo a dominância masculina em Hollywood), questionamos se não será o próprio ator o verdadeiro antagonista, o atormento deste clube de incompreendidas? A verdade, é que todas elas cedem ao seu encanto de alguma forma!

 

 

Um colecionador de autores ...

Hugo Gomes, 09.02.21

honoree_jean-claude_carriere_-_getty_-_h_2020_-928

Jean-Claude Carrière (1931 – 2021) foi um dos mais impressionantes argumentistas do nosso tempo, e não há adjetivos que chegue para representar a sua genialidade e, mais que isso, hiperatividade. Digamos que a sua carreira fala por si.

birth.jpg

Birth (Jonathan Glazer, 2004)

c3a0-sombra-das-mulheres-2.jpg

L'ombre des femmes / In the Shadow of Women (Philippe Garrel, 2015)

charme_2.jpg

Le Charme Discret de la Bourgeoisie / The Discreet Charm of the Bourgeoisie (Luis Buñuel, 1972)

cyrano-de-bergerac-1990.jpg.crdownload

Cyrano de Bergerac (Jean-Paul Rappeneau, 1990)

the-tin-drum-1200-1200-675-675-crop-000000.jpg

The Tin Drum (Volker Schlöndorff, 1979)

tumblr_moc9a29crn1qdomqvo1_1280.jpg.crdownload

The Unbearable Lightness of Being (Philip Kaufman, 1988)

unnamed.jpg

Possession (Andrzej Zulawski, 1981)

godards-passion.jpg

Passion (Jean-Luc Godard, 1982)

002d405a.jpeg

Antonieta (Carlos Saura, 1982)

7a4c9a982c06481395ff3ce89c7bb7ae.jpg

Valmont (Milos Forman, 1989)

milou-1.jpeg

Milou en Mai / Milou in May (Louis Malle, 1990)

 

Calma ... aqui o bem é praticado

Hugo Gomes, 07.02.21

viridiana.jpg

 

Da mesma forma que um suposto “maluco” que diz ser “maluco”, verdadeiramente nunca o é, uma “pessoa de bem” que diz ser “de bem” nem próximo está. E quem mais apropriado para nos pregar isso mesmo que “Viridiana” de Luis Buñuel (1961), filme que remexe em territórios profundamente sagrados da Cristandade, o seu Poder entre os desfavorecidos e carenciados que nunca resultam na imunidade moral. Enquanto temos um filme-fenómeno na Netflix - “The White Tiger” (Ramin Bahrani, 2021) - que discursa que para subir nesta vida há que corromper os seus próprios ideais sem qualquer tipo de remorso ou consequências, o clássico aqui exposto nos oferece a possibilidade de olhar para o miserabilismo sem candura alguma. A podridão nasce, cresce e persiste, até mesmo nos seios dos “coitadinhos”. É a raça humana, diriam alguns, sem distinção quanto a classes.

Todo o amor do mundo para Plummer

Hugo Gomes, 05.02.21
Há poucos dias de Hal Holbrook ter “ido” sem nos avisar, chegou a vez de Christopher Plummer, um daqueles atores que tem sido um secundário de luxo, uma honra de cumplicidade, partir aos 91 anos de idade. Tendo um carreira longuíssima desde o inicio dos anos ‘50, contando com alguns filmes memoráveis entre os quais o melhor dos Michaels Manns – “The Insider” – ou alguns dos trabalhos mais reconhecíveis de Terry Gilliam. Até mesmos nos esquecíveis o homem conseguia encher a tela com a sua presença e posicionar-se em escolhas ingratas como aquela substituição de Kevin Spacey no hediondo filme de Ridley Scott (“All the Money in the World”).
 
Uma vénia da minha parte ...
 

3d70da41ac0cc82ae7ae63e51771836f.jpg

The Imaginarium of Doctor Parnassus (Terry Gilliam, 2009)

1446776183_1.jpg

Wind Across the Everglades (Nicholas Ray, 1958)

image.jpg

The Girl with the Dragon Tattoo (David Fincher, 2011)

MV5BYTk4NjAxYjgtOWI4Yi00ZGUxLWI1OGItNTBhM2UyYTgyY2

The Insider (Michael Mann, 1999)

MV5BZTViZDYxMmYtYjg5NC00Y2Y3LWI1MjMtNGNlNGIzN2Y4ND

Eyewitness (Peter Yates, 1981)

plummer_704.jpg

The Sound of Music (Robert Wise, 1965)

plummer_custom-e6d5567d417d0aed4824e7b679a8765a4c4

Beginners (Mike Mills, 2010)

Sem Título2.jpg

Stage Struck (Sidney Lumet, 1958)

A adopção de Hal Holbrok: a resiliente despedida a um secundário de luxo

Hugo Gomes, 02.02.21

intothe wild.jpg

Não foi certamente a última vez que o vi, mas não deixaria de mencionar a sua, talvez, última grande presença. O momento em que Hal Holbrok resiste à despedida do jovem Emile Hirsch, na pele de Ron Franz em “Into the Wild” (Sean Penn, 2007), o – “Let me adopt you” – é de uma calorosa subtileza e sensibilidade que só um ator com tal longevidade, experiência e também vivência poderia retribuir. Hoje em dia, “Into the Wild” é quase um sacrilégio ser relembrado por muita cinefilia (muito por culpa de “The Last Face”), mas é um filme de pequenas ‘coisas’, e Hal Holbrok, não sendo necessariamente ‘pequeno’, faz parte dessa espontânea magia.

 

Fora do território selvagem, o ator, que nos deixou aos 95 anos, nunca fora um protagonista emancipado (assumindo como tal em projetos pouco memoráveis), ao invés disso, um secundário de luxo, um valioso suporte do enredo em causa. Quem não esquece o seu obscuro conselho de “Follow the money” em “All The President’s Men” (Alan J. Pakula, 1976), que curiosamente partilha convivência com o seu sermão elitista em “Wall Street” (Oliver Stone, 1987) - “The main thing about money, is that it makes you do things you don't want to do” - ou da sua indignação enquanto padre Malone ao confrontar o criminoso segredo em “The Fog” (John Carpenter, 1980) - “The celebration tonight is a travesty. We're honoring murderers”.

 

1 Q2O5zZrlMeT3E0aX4QhRTw.jpeg

Wall Street (Oliver Stone, 1987)

deepthroat.jpg

All The President's Men (Alan J. Pakula, 1976)

3966209b0d2fc996080a4797ccd7060c.jpg

The Fog (John Carpenter, 1980)

magnum-44-magnum-force.jpg

Magnum Force (Ted Post, 1973)

MV5BMTYzNGExOWItNjZlOC00YWRhLThjYmQtYTZkNWIwNDRiZD

Lincoln (Steven Spielberg, 2012)

MV5BZWNmN2NiNjYtMzdiZC00MTU0LThjZjEtZDgzZTY1MDM2YW

The Unholy (Camilo Vila, 1988)

 

 

Carey Mulligan contra a Crítica e a Crítica contra o resto do Mundo

Hugo Gomes, 30.01.21

201221-think-carey-mulligan-promising-young-woman-

"Todo esta “novela” remete-nos a vários problemas que reforçam ainda mais a fragilidade da crítica de cinema nos dias de hoje. Primeiro, pelo uso da Crítica como meio de promoção, e como bem sabemos a publicação em questão é uma das maiores influenciadoras da indústria em geral, desde agentes a distribuidores, com um dedo “culposo” na award season. Segundo, pela sua cedência ao politicamente correto e das causas que se integram nas fontes de capitalização, e terceiro, e possivelmente a mais agravante e questionável, a liberdade artística e opinativa do crítico, deixando este à mercê de decisões e propósitos editoriais."
 
O episódio da Variety subjugada por Carey Mulligan (Promising Young Woman) leva-me a manifestar um pesar sobre a frágil vitalidade da crítica nos dias de hoje.
 
Ler artigo aqui.