Data
Título
Take
16.1.15
16.1.15

Invencivel.jpg

O invocar da Grande Hollywood!

 

O segundo trabalho de realização de Angelina Jolie, dois anos depois da sua estreia em In the Land of Blood and Honey (Na Terra de Sangue e Mel), é a confirmação de que a actriz, e uma das figuras mais poderosas de Hollywood, concentra uma visão classicista e dotado de toque "hollywoodesco" que se dá pelo nome de "seu cinema". No centro desta perspectiva cinematográfica, Jolie supera a si própria ao esboçar algumas das experiências mais marcantes da vida de Louis "Louie" Zamperini, um atleta olímpico que se tornou num herói da Segunda Guerra Mundial após a sua bravura, coragem e sacrifício num campo de prisioneiros japonês.

 

o-UNBROKEN-facebook.jpg

 

Unbroken (Invencível) é resumidamente uma história que funciona para o seu público como um foco emocional de motivação e superação pessoal, ao mesmo tempo que Angelina Jolie retrata o recém-falecido herói num mártir silencioso quase regido a contornos bíblicos. Tendo como base um homónimo livro de Laura Hillenbrand, o filme salienta os feitos e o forte espírito do seu protagonista, quase servido como "bomba atómica" à moral japonesa, como se pode evidenciar numa das sequências chave e orquestradas para o efeito. Sente-se obviamente traços do cinema de Clint Eastwood aqui, a veia conservador e a limpa linguagem fílmica, resultando no seu todo num filme que surpreende ocasional. Visto ser a dita actriz por detrás das câmaras, é um erro desvalorizar a sua realização.

 

1405106378_unbroken-movie-zoom.jpg

 

Porém o grande problema de Unbroken é a sua narrativa, não no sentido de ser fiel à romantização hollywoodesca quase solicitador de uma nomeação pela Academia, mas pelo desembaraço inicial que empapa a fluidez da mesma. Trata-se de um sinal de pretensiosismo, Angelina Jolie decide colocar um "elefante numa gaiola de pássaros" e inunda a narrativa com impasses cronológicos. Dito isto, é que durante uma sequência inicial de "combates aéreos" de fazer relembrar os clássicos do género, somos alternados a seguir o passado de Zamperini por vias de flashbacks embutidos, dando a sensação de obrigatória uma introdução esquemática ao personagem-chave. Depois somos remetidos a uma sobrevivência à deriva do alto mar (garanto que desta vez não temos tigres, apesar do déjà vu) e é então que deparamos aqui com outra grande falha de Unbroken, a fraqueza no desenvolvimento dos seus personagens. O efeito dado é de uma composição baça das mesmas e derivado a isso, a fraca empatia com o espectador. Resultado? Um personagem morre e não sentimos absolutamente nada.

 

unbroken14.jpg

 

Sucessivamente, o filme adquire um novo ritmo com a captura de Zamperini pelos japoneses, o qual é levado para os campos de prisioneiros. A partir daqui somos endereçados às memórias de alguns clássicos cinematográficos, tais como Merry Christmas Mr. Lawrence, de Nagisa Oshima, mas os nipónicos são num instante mais negros, desumanos, distorcidos e como o filme pertinentemente sugere, de espírito frágil. O embate que se dá entre Zamperini e o sargento do campo, o qual é alcunhado por "O Pássaro" (talvez a única personagem japonesa relevante em toda a jornada trazida por Jolie), é representado somente por violento grafismo, enquanto que de cumplicidade emocional, quer psicológica, esta é deveras nula. 

 

unbroken-movie-image-4.jpg

 

O resto nos implode como uma demonstração de grandeza norte-americano, o elo patriota entre os prisioneiros e o seu país longínquo (o anuncio da morte do Presidente Roosevelt) e o "remexer" nas memórias classicistas do cinema de Hollywood. Nesse aspecto, Angelina Jolie adquire o estatuto de "melhor aluna" em elaborar um filme sobre grandezas mas com demasiadas falhas.    

 

"If you can take it, you can make it."

 

Real.: Angelina Jolie / Int.: Jack O'Connell, Takamasa Ishihara, Domhnall Gleeson, Garrett Hedlund, Jai Courtney

 

unbrokenbanner.jpg

 

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 23:07
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Jean-Pierre Verscheure na...

KINO regressa com a sua 1...

Trailer de Ghostland, o n...

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

Jeanne! será o próximo fi...

Pop Aye (2017)

Quote #8: All Abou Eve (J...

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO