Data
Título
Take
25.1.14

O trágico destino dos super-heróis!

 

O Universo dos super-heróis, principalmente a da cada vez mais ambiciosa instituição da Marvel, têm conseguido tornar este subgénero que no passado esteve diversas vezes ligado a projectos "malditos", num género distinto e independente. Após cumprir o pilar da pretensão que foi The Avengers (Joss Whedon, 2012), um estrondoso sucesso de bilheteira, os estúdios da Marvel em coligação com a Disney estão prontos para repetir tal façanha. Mas apesar do êxito em todo o Mundo, da histeria envolto, os mais recentes filmes da Marvel tem sido enfraquecidos com as ambições comerciais e com uma clara iniciativa de agradar fãs das BDs em geral como os geeks disposto a tornar tais eventos cinematográficos em novos clássicos da 7ª Arte. Parece heresia esta ultima afirmação mas a verdade é que cada vez mais a sociedade actual tem adquirido a tendência e a obsessão para tal. Com isto para dizer que é frustrante ver um filme como Thor: The Dark World, a sequela do filme de 2011 dirigido por Kenneth Branagh, um artificio dos factores mais primitivos do blockbuster inconsequente, obter tamanha adesão e aclamação por parte da critica norte-americana.

 

 

Trata-se de uma continuação mais musculada, mais "espectacular" nos termos visuais e técnicos mas prejudicados pelo ego "bigger than life", a construção ou simplesmente "ilusão" de uma intriga tão pueril em Shakespeare. A verdade é que ao contrário da sua prequela mais modesta, onde as suas principais falhas advém dos objectivos "ocultos" do estúdio, The Dark World possui uma auto-estima insuportável, uma personalidade oca convencida de forma insaciável e incontrolável. Este é um filme pretensioso, concretizado a "três marteladas" e exposto como simples pirotécnica ou simplesmente fantasia adolescente e imatura.

 

 

Kenneth Branagh  dá a vez a Alan Taylor (anexado à série de Game of Thrones), um realizador sem profundidade que demonstra incapacidade em "moldar" um Universo tão limitado como também em trabalhar com actores pouco concentrado no filme, do que no cheque chorudo que os espera. E já que falamos em elenco, vale a pena referir que em nenhum caso (excepto Tom Hiddlestone) encontramos uma prestação esforçada do luxuoso leque de actores que se concentra aqui. Até mesmo Anthony Hopkins, uma presença imaculada, é aqui deteriorada pelos valores da produção e uma Natalie Portman que após ter vencido o Óscar em Black Swan de Darren Aronofsky (agora utilizando a expressão popular) "não tem dado mais nenhuma para a caixa". Ponto positivo aqui é que a produção apercebeu a tempo do erro que foi em 2011 ter transformado a actriz Rene Russo numa figurante, contudo em The Dark World acaba por servir de "carne para canhão" na construção de um suposto suporte emocional.

 

 

E será com isto tudo Thor: The Dark World agradará fãs? Acredito que os próprios fãs da Marvel, cegos pela "destrutiva" máquina de produção que estes filmes encontram-se agora integrados, parecem que perderam a sua exigência, iludindo-a com  os efeitos visuais, as sequências de acção e o elenco de luxo que cuidadosamente ousam em contratar. Se não isto, como podem explicar o êxito e recepção de um filme de super-heróis com um argumento homicida às memórias do sci-fi, todo aquele "stock" cientifico  de dimensões paralelas e buracos negros é digna do pior da série Z, um vilão tão carismático como "areia de praia", um romance "tosco" e sem química (Chris Hemsworth revela mais química com Hiddlestone) e por último um climax que tem mais parecenças com uma comédia digna de Mel Brooks que com um blockbuster de cariz pretensioso. É risível, é pretensiosamente inóspito e uma colagem rebuscada de fantasia exaustiva, Thor: Dark World faz-nos desejar os velhos tempos marginalizados dos filmes de super-heróis ao invés de produções formatadas e sem alma depositada.

 

"Some believe that before the universe, there was nothing. They're wrong. There was darkness... and it has survived."

 

Real.: Alan Taylor / Int.: Chris Hemsworth, Natalie Portman, Tom Hiddleston, Anthony Hopkins, Stellan Skarsgård, Idris Elba, Christopher Eccleston, Adewale Akinnuoye-Agbaje, Kat Dennings, Ray Stevenson, Zachary Levi, Rene Russo

 

 

Ver Também

Iron Man (2008)

Iron Man 2 (2010)

Iron Man 3 (2013)

Hulk (2003)

The Incredible Hulk (2008)

Thor (2011)

Captain America: The First Avenger (2011)

The Avengers (2012)

 

3/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 19:43
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Gustavo a 27 de Janeiro de 2014 às 21:39
Vá lá!!! Só 3??? não é assim tão mau, atéé melhor que o primeiro.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Vejam o trailer de Justic...

A grande ameaça da indúst...

Ornamento e Crime (2015)

Paul Vecchiali e Jem Cohe...

Power Rangers (2017)

Novo Suspiria será negro ...

10ª Festa do Cinema Itali...

Kleber Mendonça Filho pre...

Arranca hoje!

Falando com Alain Guiraud...

últ. comentários
Os Olhos da Minha Mãe: 5*"Os Olhos da Minha Mãe" é...
A Bela e o Monstro (2017): 5*Eu amei o filme.As mú...
Annabelle: 4*A história de "Annabelle" é muito int...
On the reverse side, we still have many of vets th...
Não vejo como foi previsível. Os críticos contavam...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO