Data
Título
Take
12.1.17

Homenzinhos.jpg

Chamar-lhe "coming to age" é pouco!

 

"O Cinema é a arte do sensível, e não só do visível" já dizia Jacques Rancière num dos seus ensaios sobre a obra de Béla Tarr. Talvez seja essa a ligação emocional que traz algum sabor nostálgico e agridoce a esta nova obra de Ira Sachs, um realizador que tem merecido a atenção da crítica e cinefilia desde Love is Strange.

 

05LITTLEMEN1-master675.jpg

 

Enquanto o enredo dessa obra seguia um casal homossexual pronto a oficializar a sua relação de quarenta e poucos anos, em The Little Men (Homenzinhos), o intuindo da fraternidade não consanguínea volta a ser destacada, os afetos sob o signo inocente de uma amizade entre duas crianças, cujos progenitores iniciam um confronto de interesses.

 

20161010-little-men-inside (2).jpg

 

É um registo ameno, simplista na sua concepção e na forma como os actores induzem nos espaços. Aqui, os apogeus emocionais e os overactings que o espectador mais mainstream gosta de recordar, é posto de fora. O que conta é um sentimentalismo contido por um elenco que se funde nestas personagens, que tão bem poderiam partilhar a nossa realidade. Ira Sachs prima por esse “keep it simple”, usufrui de uma tendência quase proustiana em relação à juventude, galgando pela tenra carne do elenco jovem, servindo-os de condutor para uma perspectiva de "dois gumes" por entre mundos não combinados. O lado adulto, imperceptível para os nossos protagonistas, e os anos verdes, negligenciados por adultos inseridos em vórtices existenciais e ideológicos.

 

little-men-sundance-2016.jpg

 

Por um lado, Sachs vem beber da mesma água dos grandes exemplos do cinema de Linklater, mas ao contrário do registo sensorial de um Dazed and Confused (Juventude Inconsciente), por exemplo, vem culminado dum verdadeiro conto moral com início no incógnito e com desfecho incerto num futuro ainda por prescrever. Sem mais demoras, saliento que poderemos estar presentes num dos melhores exemplos cinematográficos do ano. Um pequeno grande filme!

 

Real.: Ira Sachs / Int.: Greg Kinnear, Jennifer Ehle, Paulina García, Theo Taplitz, Michael Barbieri, Alfred Molina

 

960.jpg

8/10

publicado por Hugo Gomes às 19:31
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Francisco Quintas a 6 de Maio de 2017 às 14:27
Um filme bonitinho e até mesmo relevante tendo em conta a sociedade americana. Não está entre os melhores do ano, mas felizmente apresentou-me um realizador que eu desconhecia até então. Definitivamente vou ver os trabalhos do Ira Sachs com muito gosto.


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Conheçam a programação do...

Trailer: Suburbicon, Geor...

Valerian and the City of ...

Animação portuguesa no fe...

Trailer: Iceman, um crime...

10 anos de Cinematografic...

Sarah Paulson em sequela ...

Quote #6: André Bazin

Michelle Pfeiffer e Laure...

Morreu John Heard, actor ...

últ. comentários
Mesmo sem dar o feedback merecido (cada vez mais n...
A tua "criatura" ganhou vida e já alcançou uma efe...
Nóbrega, mas Nolan não é Deus, tem o direito de er...
Até entendo o ódio de uns críticos contra Shyamala...
Cinquenta tons de anônimo
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO