Data
Título
Take
26.10.16
26.10.16

TAANG-poster.jpg

Para onde vamos agora?

 

Vamos ser claros, Wang Bing é daqueles documentaristas com iniciativa, em constante busca por temas transgressivos e, alguns deles, tabus de uma China em plena crise identitária e moral. Sim, ele é incansável no seu trabalho de terreno, nas horas de filmagem, na abrangência do seu olhar que neste caso é a lente da sua câmara, tão operacional como ele.

 

Taang-2.jpg

 

Porém, falta-lhe a objectividade, sobretudo no campo da edição. Existe nele uma possessão de material realmente forte, o que o impossibilita descartar algum do seu tempo de filmagem em prol do produto final. Em consequência, são filmes como estes, de temas fortes, mas sem a força necessária para que o espectador "abrace a causa". Talvez seja por isso que Wang Bing filma tanto, as suas criações não são centradas, nem devidamente frontais para com que realidade que o próprio encara, são objectos deambulados, etnograficamente ricos como documentos de igual matéria, longe da provocação que precisa para realmente ser ouvido.

 

1081819.jpg

 

O documentarista chinês não faz "épicos de violência social", faz ensaios cansativos e completamente desarmantes de temas que deveriam ter o seu "quê" de alarme, e neste caso, Ta'ang, este registo do exilo levado a cabo por famílias inteiras burmesas, como escape da guerra civil, parece apenas servir como uma decoração para ferir os mais susceptíveis. São quadros vivos, mas dentro deles, existem pessoas que lidam com a sua desgraça, uma má sorte que para Wang Bing são matéria que compõem o seu mais recente ensaio de "poverty porn", um embrião dos reality shows dotados de uma certa tendência fetichista.

 

bing.jpg

 

A envolvência neste mundo em "cacos", onde as "personagens" tendem em lidar com as suas próprias situações, deixando para trás partes integras das suas vidas em busca de quem os acolhe, algo mediático tendo em conta a crise dos refugiados que nos bombardeia os medias, sendo que Ta'ang revela-nos um caso especifico ignorado por estes mesmos. Uma viagem desesperante sem fim, que o realizador filma com a maior das tranquilidades. Sentimo-nos cúmplices perante este mau trabalho de investigação, onde os testemunhos secam perante o "on" prolongado da câmara, sem qualquer indicio de moderação nem coordenação.

 

201607407_1_-_h_2016.jpg

 

Talvez, Wang Bing não queira manipular esta realidade, e nisso faz ele muito bem, porém, o que adianta mostrar por mostrar, o que adianta captar este novo-realismo que não nos electriza, ao invés disso nos entendia da forma mais emocional possível. Será Wang Bing um voyeurista da desgraça alheia? Pelos vistos sim, nada aqui aponta-nos estarmos cara-a-cara com o documentarista do novo século como fora aclamado desde sempre. 

 

Filme visualizado no 14ª Doclisboa: Festival Internacional de Cinema

 

Real.: Wang Bing

 

bd8d04_791148f34ba04a75b2e75db6bbbd66f4.jpg_srz_64

 

4/10

publicado por Hugo Gomes às 14:26
link do post | comentar | partilhar

26.10.14
26.10.14

Wang-Bing-Father-and-Sons-07.jpg

O equivoco do "filme-protesto", novos realismos aos poder!

 

Reza a lenda que foi um casaco sobre a câmara a servir como uma forma de protesto para João César Monteiro. O resultado dessa sua revolta, e nem menciono a expressão verbal captada pelas televisões, foi acompanhado por um mediatismo canibal que posicionou o seu Branca de Neve como a) o grito sufocado de um autor contra o sistema, b) a demasiada liberdade dos cineastas portugueses, c) a auto-destruição do próprio Monteiro, tendo sido esta a sua última obra. Conforme seja a opção, avançamos assim adiante.

 

fathersandsons.jpg

 

Caso idêntico é o de Wang Bing, o documentarista chinês que tanta estima tem no Doclisboa e que fora impedido de gravar o seu último trabalho, possibilitando-o apenas organizar o material que havia recolhido. Este é o seu "filme-protesto", uma "colheita" de somente uma hora e meia de duração, o que parecia boa notícia para quem estava habituado aos seus pastelões isentes de edição. Contudo, termina por ser um grito silencioso e penoso de alguém que claramente deseja a atenção de todos nós, mais do que expandir a sua mensagem (se é que a tem).

 

still 2.png

 

Sim, mesmo tendo uma hora e meia, Fu Yu Zi (Father and Sons) é aborrecido, monótono e com todos os adjectivos associados a esse mesmo sentimento. Porquê? Porque invoca um exaustivo novo-realismo, cada vez mais na moda cultural e onde tudo se resume a dois ou três planos - cujo um deles se arrasta por 80% da narrativa. Nesse mesmo plano somos confrontados com uma criança a viver em condições desumanas, mas que mesmo assim tem ao seu dispor uma televisão e um telemóvel. A primeira é perceptível graças ao imparável som que emana; a segunda, só não vê quem é cego. O plano em questão é fixo e de conjunto (academicamente falando), onde a dita criança assiste e "remexe" no seu telemóvel. E, somente isto. Por uns bons quarenta minutos. Até que, em certo momento, surge outra criança no plano, o irmão, como claramente se percebe. Mas ele limita-se a reunir-se ao "velho residente" e ambos acabam por continuar a rotina já retratada (citando João César Monteiro - "queriam telenovela?").Esta sequência é tão longa que chegamos mesmo a presenciar o anoitecer em tempo real. 

 

still 3.png

 

Por fim chega o suposto pai das crianças, o trabalhador que seria o protagonista deste novo filme de Wang Bing, o "herói mártir", se não fossem as ameaças do seu respectivo patrão que impediram do cineasta "recolher" mais filmagens. Continuando, é então que o pai chega à acção e termina com o desligar de luzes, assim como o filme. Rápido? Nem por isso, basta lançar um olhar para o relógio para nos apercebermos que passaram hora e meia de duração. Tempo, foi aquilo que insinuaram no início da sessão no Doclisboa. Sob um jeito metafórico, filosófico ou esotérico, uma coisa é certa: esse tempo não será devolvido. Agora, ou aceita-se ou dispersa-se da elite. A verdade é que Wang Bing já não se esforça, nem mesmo para protestar, mas talvez o problema seja do próprio festival em colocar um chamado "filme-protesto" em plena competição internacional de longas-metragens. Com Fathers and Sons, Bing continua a fabricar reality shows sobre a miséria humana e a vender-nos como se de um Van Gogh se tratasse. Obviamente, é o sistema de autor a funcionar como marketing cinematográfico. Quer queiram, quer não.

 

Filme visualizado no Doclisboa'14

 

Real.: Wang Bing

 

still 4.png

 

 

Ver Também

Feng Ai (2013)

 

2/10

publicado por Hugo Gomes às 13:34
link do post | comentar | partilhar

2.11.13
2.11.13

Loucos entre nós!

 

O que fazer com um filme com quatro horas de duração? Fluir a narrativa e construir diversos pontos de interesse para "agarrar" o espectador e ao mesmo lança-los para os nossos objectivos e ideias ou literalmente leva-los à loucura. Infelizmente o aclamado Feng Ai de Wang Bing integra-se no ultimo exemplo. Trata-se de um registo documental do quotidiano sistemático vivido num hospital psiquiátrico chinês, que alberga mais de 100 docentes em condições desumanas. São enclausuramentos onde a insanidade é um rumo sem retorno, a aceitação do destino, a rotina como desfecho.

 

 

Em boas mãos, tendo em conta a recolha de imagens de Wang Bing, Feng Ai converteria facilmente num cinema urgente, realista e emocionalmente poderoso, sem com isso requisitar o formato televisivo ou mainstream, mas o cineasta chinês prova que não qualquer interesse em "cozinhar" a sua matéria. Contornando qualquer tipo de manipulação e embelezamento, o que é decerto um ponto positivo e corajoso, Wang Bing entra em "queda" quando decide envergar uma atitude purista e anti-cinematográfica, ou seja, tudo aquilo exposto em mais de quatro horas de duração não são mais do que filmagens ausentes de cortes, montagens ou transfiguração. Por vezes os melhores dos cineastas tem que sacrificar o filme em prol de uma narrativa, de uma entrega da sua temática e a eliminação das "sequências-parasitas", ao invés disso temos algo tão cru, tão indigesto, tão repetitivo que facilmente cede à exploração da miséria humana. Um quase congénere dos reality shows que "infestam" as nossas televisões, tão ferino como a própria instituição que aborda.

 

 

Apresentado no ultimo Festival de Veneza, este é um filme intrinsecamente verité que se comporta como um verdadeiro "anti-cinema". Uma experiência que poderia ser valiosa como poderosa, ao invés de se limitar ao espectáculo penoso e sem constituição.      

 

Filme visualizado no DocLisboa'13

 

Real.: Wang Bing

 


 

4/10

publicado por Hugo Gomes às 16:27
link do post | comentar | partilhar


sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Ta'ang (2016)

Fu Yu Zi (2014)

Feng Ai (2013)

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO