Data
Título
Take
6.2.17
6.2.17

Jackie.jpg

Histórias de Camelot!

 

Há quem refira Jackie como um retrato de luto, a persistência no estatuto e o trago de futilidades ao serviço de uma utilidade, essa, a dignidade até ao último tomo. Pois bem, para além da mulher representada, submetida a uma longa entrevista que por si ironiza a natureza da biopic convencional, este é a entrada de um dos mais prolíferos realizadores do nosso tempo - o chileno Pablo Larrain - ao mercado de Hollywood. No mesmo ano em que nos havia apresentado Neruda, um enredo que ligava marcos na vida do poeta e activista político Pablo Neruda, Larrain avança com uma história tão yankee, e a despe dessa ocidentalidade em prol do seu olhar cinematográfico. Jacqueline Kennedy, relembrada nos livros de História como a mulher de JFK, é agora elevada a protagonista, tornando-se na "boneca" desta experiência, assim o chamaremos. 

 

6ije59bg9k5iabf8b7fad.jpg

 

Enquanto que Neruda foi o esboço, Jackie é "a prova dos nove". Neruda foi a desfragmentação, e em Jackie encontramos a fragmentação. Enquanto que um usufruía da liberdade em ficcionar, o outro tende em encontrar liberdade por entre a agenda de Hollywood. Mas Jackie, em todo os casos, é um oásis nesse deserto que têm sido os biopics da "award season". É a catarse da História escrita e difícil de rescrever, Larrain usufrui dos seus falsos raccords que atropelam a fluidez dos diálogos, e de certa maneira, ainda bem. Existe camadas sobrepostas e interpostas nesta narrativa que remexe em prol de um vórtice e esse mesmo, sob leve cinismo, gradualmente cedido à dor oficializada da protagonista.

 

jackieReview.jpg

 

Natalie Portman é essa mulher, sujeita a uma culpa egocêntrica pelo movimento desta caldeira memorial. Não importa a veracidade do campo narrativo, a fidelidade com as personalidades e os eventos, marcantes, reduzidos a cenas e mais cenas. Não, o que torna Jackie devidamente conquistador, é a sua resistência na tradução dessa mesma veracidade, metamorfoseado. Pena que Natalie Portman funcione como uma mimetização, algo representativo, onde serve de rebelião o olhar para com a rigidez da sua personalização.

 

MV5BNjgyNTg4NDcyOF5BMl5BanBnXkFtZTgwNzkyNzc4MDI@._

 

Dito isto, ficamos com uma biopic autoral devidamente inserida no universo de Larrain, e que é enfraquecida pelas suas tentativas de assumir-se na convencionalidade de estúdio. Portanto, esperemos com agrado pelos desenvolvimento da carreira do chileno em terras de Hollywood, cuja estreia, os derradeiros suspiros da última família real norte-americana, o qual tornou a Casa América na tão requisitada Camelot do Rei Artur.

 

"I believe the characters we read on the page become more real than the men who stand beside us."

 

Real.: Pablo Larrain / Int.: Natalie Portman, Peter Sarsgaard, Greta Gerwig, Billy Crudup, John Hurt

 

t-natalie-portman-jackie-kennedy-first-look.png

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 20:05
link do post | comentar | partilhar

16.11.16

História Americana, Uma.jpg

Todo o cinema é político!

 

Ewan McGregor junta-se à mesma mesa dos actores convertidos a realizadores e ceia através de uma ambiciosa operação de adaptar o romance de Philip Roth, American Pastoral, vencedor de um Pulitzer. É certo, que existe um preconceito, se não antes uma precaução, em relação a estas passagens para o outro lado da câmara, que diversas vezes obtiveram resultados "mais ou menos" desastrosos como Brown Bunny, por Vincent Gallo, e Lost River, de Ryan Gosling, para dar alguns exemplos.

 

maxresdefault.jpg

 

Mas, McGregor, mesmo não deslumbrando, não cede ao desastre egocêntrico e consegue um agradável ensaio de classicismo cinematográfico. O actor / realizador é o protagonista desta história que remexe em consciências obscuras de uma América em extrema rebelião, captando temáticas pouco períodos ignorados como o activismo The Weather Underground, ou do extremismo liberal que em paralelo com a sua oposição, adquirem tons de gravíssimas perturbações de percepção moral. Aliás, como refere a personagem de Dakota Fanning (ressuscitada das sombras, mas não na sua total forma) a certa altura deste enredo de gerações, "a Politica está em todo o lado, até mesmo lavar os dentes é um acto politico".

 

363888.jpg

 

É sabido que o cinema adquiriu a sua faceta politica no preciso momento em que aprendeu a narrar, se já os irmãos Lumière criaram ensaios de tal conotação?  Todo o acto é politico, até o mero entretenimento pode ser visto numa igual vertente. Em relação a American Pastoral, existe uma clara evidência de McGregor disfarçar a politica deste seu cinema com uma emoção vinculada nos desempenhos das suas personagens, porém, sobra-nos uma réstia de impressão nesta busca pela verdade negada.

 

AP_D06_02393.jpg

 

American Pastoral evita o território do thriller que por ventura poderia gerar, assume tons caricaturais do seu tempo descrito para integrar-se precisamente no foro sentimental desta família desfeita (perfeita aos olhos de fora, mas em "cacos" pelos olhos "de dentro"). Contudo, esta emocionalidade poderia tomar proporções furtivas se Ewan McGregor conseguisse controlar a durabilidade do momento, não cedendo aos fade outs estéreis, nem abraçar inteiramente a arte clássica de fazer cinema em Hollywood, que já soa como um guia "para totós".

 

american-pastoral.jpg

 

American Pastoral pode não ser a adaptação perfeita do prestigiado bestseller, mas adquire tudo menos o efeito de desastre. Provavelmente temos em Ewan McGregor um sólido realizador. Veremos se este não será a sua única experiência no ramo. 

 

Real.: Ewan McGregor / Int.: Ewan McGregor, Jennifer Connelly, Dakota Fanning, Rupert Evans, Valorie Curry, David Strathairn

 

t-american-pastoral-ewan-macgregor.jpg

 

7/10
tags: , ,

publicado por Hugo Gomes às 19:50
link do post | comentar | partilhar

15.11.16

Animais Nocturnos.jpg

Será Tom Ford um homem singular?

 

Aviso desde já, que este não é A Single Man, o filme que marcou a estreia do estilista Tom Ford na realização, um ensaio poético sobre a perda dirigido por um Colin Firth na sua melhor forma. Sim, uma obra inesquecível, onde Ford provou capacidade para induzir-se numa carreira cinematográfica, visto que conseguiu evitar, no seu primeiro filme, os erros que muitos cometeriam à primeira.

 

nocturnal-animals-amy-adams-image.jpg

 

Com Nocturnal Animals (Animais Nocturnos), a perda já lá vai, contudo, é o ensaio de uma infelicidade “bovariana” que perdura neste cheesecake cinematográfico, um filme de duas camadas que exorciza fantasmas que o próprio Tom Ford interage, simultaneamente invocando um medo quase irracional a uma América cosmopolita e burguesa, que tal como os créditos inicias indicam, viventes de um país de excessos. Amy Adams, destroçada e vencida pela melancolia, é uma dona de uma galeria de arte que descobre que mesmo tendo tudo ao seu alcance, a sua vida é um mero vazio. Esse vácuo é perpetuado até certo ponto que recebe um romance escrito pelo seu ex-marido. Perdida nas insónias que teimam não a deixar, a personagem de Adams arranca numa leitura a este livro misterioso, o que encontra é uma intriga de vingança e de impotência que parece, gradualmente, confundir com a sua vida em ruínas.

 

screen-shot-2016-09-15-at-8-49-48-am.png

 

O expoente estético de Ford é uma meticulosa arte de engano e desengano, até porque a “beleza” fingida de Animais Nocturnos disfarça a sujidade formal exposta na sua segunda camada do filme, a ficção por detrás da ficção, onde Jake Gyllenhaal é um homem duplamente perturbado, pela desilusão de um homem fraco e indefeso que habita no seu ser até à sede insaciável de vingança que parece alimentá-lo furtivamente. As duas camadas, tão diferentes como água e azeite interpõem-se uma à outra, sucessivamente, e aí que entra a maior falha de Tom Ford neste segundo produto, a ficção ficcionada é mais interessante que a história primária, e o pior é que sentimos que não foi preciso muito esforço para o conseguir.

 

image.jpg

 

Sim, sabemos, Tom Ford quis explorar o vazio do mundo de aparências que o próprio intriga, mas é incapaz de tecer a crítica apropriadamente, mas pelo menos, faz melhor figura que Nicolas Winding Refn e a sua passerelle que fora The Neon Demon, simplesmente porque não cede à provocação fácil, tentando encontrar nos seus becos sem saída, uma eventual escapatória. Como cúmplice desta artimanha montada, está o elenco que consegue descolar dos bonecos que o próprio insuflou, nesse contexto as nossas atenções vão para Michael Shannon, um peixe dentro de água, cujas movimentações levam Gyllenhaal aos seus picos de indecência emotiva.

 

header1-4.jpg

 

Voltando ao ponto inicial, não temos aqui um A Single Man, infelizmente, Ford parece ter tremido por momentos, mas não o suficiente para ceder à pressão. Ele constrói um filme de camadas, como já havia sido referido, e a gosto, coloca o seu “quê” de sugestão. O final inesperado que atraiçoa o espectador e a catch phrase, “um romancista escreve sobre ele próprio”, a persistir após o desfecho dos créditos. Afinal, há aqui margem para explorar!

 

"When someone loves you, you have to be careful with it!"

 

Real.: Tom Ford / Int.: Amy Adams, Jake Gyllenhaal, Michael Shannon, Aaron Taylor-Johnson, Isla Fisher, Armie Hammer, Laura Linney, Karl Gusman

 

noct.jpg

7/10
tags: , ,

publicado por Hugo Gomes às 23:52
link do post | comentar | partilhar

14.11.16

Divã de Estaline.jpg

O homem que a História quer esquecer, mas o Cinema quer cobiçar!

 

Num determinado momento de Le Divan de Staline (O Divã de Estaline), uma fotografia do verdadeiro líder soviético é gradualmente sobreposta por uma imagem da personagem homónima encarnada por Gérard Depardieu. Não existem muitas semelhanças entre os dois (o real e o da ficção), mas somente a vontade de recriar e trabalhar a História, tirá-lo do seu estatuto imaculável e intocável, e fazer o Cinema exercer-se como um poço de criatividade em vias de exploração.

 

stalin-s-couch.jpg

 

O homónimo livro de Jean-Daniel Baltassat (uma perspectiva freudiana a uma das figuras incontornáveis da nossa História) é transportada para o grande ecrã pelas mãos de Fanny Ardant, a emblemática actriz que teima em deixar a sua marca como realizadora. A sua terceira longa-metragem vem inicialmente evitar os "becos sem saída" e o pedantismo "farsolas" de Cadências Obstinadas (Cadences Obstinées). Onde antes havia vazio emocional, agora há um outro sob o desejo de ser preenchido, como uma tela aguardando pelas suas cores. É nesse aspecto que o filme vem ganhando a sua devida forma. Assume-se então uma representação de um pedaço de História vencida, onde o teor psicológico aventura-se acima da veracidade dos factos.

 

490239.jpg

 

Há um regresso à ritualidade de Cinzas e Sangue (Cendres et sang), aquele fascínio pela plasticidade do organismo fílmico e a aspiração pela arma mais potente do teatro: a sua recorrente imaginação, aquele "faz-de-conta" na recriação. Talvez seja por isso que Depardieu funciona simbioticamente como uma alternativa estalineana, mais do que as vestes camaleónicas que um qualquer biopic de Hollywood tentaria culminar.

 

img6.jpg

 

Neste universo, o actor é o perfeito Estaline, numa versão que anseia respirar a breve emancipação. Um homem frio, calculista, inteiramente regido às ideologias criadas por ele próprio e estabelecidas no seu regime, um reinado com tamanho medo. O líder soviético espera aqui o seu momento de fragilidade, a desmistificação dos métodos de Sigmund Freud - a psicanálise - que o próprio considera charlatanices igualmente competentes que "roubam segredos a burgueses ricos" do outro lado da Europa. As sessões improvisadas, ensinadas no momento, servem de catarse para a desconstrução dessa mesma personalidade.

 

img8.jpg

 

Em contracampo, surge Emmanuelle Seigner como Lídia, a referida improvisada "psicanalista", a mulher "privilegiada" no seio afectuoso de Estaline, encarada como uma "ponte quebradiça" entre a emocionalidade resgatada do seu líder. As duas figuras constituem dois vértices de um triangulo formado por ódio / amor / medo, completado pelo pintor Danilov (Paul Hamy), um artista reprimido por uma expirada inspiração. Mas este triângulo é isósceles, dois lados servem como "sessões" de teor psicanalista a uma só figura, e a esta altura o leitor já se apercebeu qual sai beneficiada neste registo.

 

stalin-s-couch (2).jpg

 

Mesmo que a psicologia não esteja no ponto(uma ciência não exacta neste filme) é indiscutível o passo em frente que Fanny Ardant dá na sua carreira de direcção. O Divã de Estaline, é até à data, a sua obra mais completa, concisa e sobretudo, cinematográfica. Acreditando que o Cinema é uma arte de criação desprovida de rédeas, eis a minha saudação a Madame Ardant!

 

Filme visualizado no 10ª Lisbon & Estoril Film Festival

 

Real.: Fanny Ardant / Int.: Gérard Depardieu, Emmanuelle Seigner, Paul Hamy, Joana de Verona

 

stalin-s-couch (1).jpg

7/10
tags: , ,

publicado por Hugo Gomes às 18:42
link do post | comentar | partilhar

27.10.16

14715003_1765543413711434_2131133520695787002_o.jp

Procurando o mestre …

 

Será este Cruzeiro Seixas: As Cartas do Rei Artur, o documentário falhado de Mário Cesariny? Falhado, porque o foco da câmara embica para um outro vértice, não do poeta e pintor surrealista que tanto se fala e no qual é referido como uma das mais valiosas prestações portuguesas no campo da arte contemporânea.

 

transferir.jpg

 

Artur Cruzeiro Seixas, o outro artista, possui uma ligação incontornável no percurso emocional e artístico de Cesariny, a câmara de Cláudia Rita Oliveira logo cedo fica seduzida pela sua figura, aquela postura de derrotado, passando ao lado da verdadeira notoriedade, daquela luz que todos os artistas ambicionam chegar. Porém, o "mestre", como é várias vezes apelidado, é um anfitrião afável que deixa à vontade quer o espectador, quer o ensaio documental de Oliveira. A sua ironia vencida contagia o resto. Deixemos então, reféns dessas suas palavras, das memórias enriquecidas pelos escritos trocados entre dois seres, umbilicalmente interligados às suas convenções artísticas, assim como, cada um à sua maneira, na procura de um espaço afectivo que os não julga.

 

597464670.jpg

 

Talvez seja por isso, que é impossível desligar Cesariny de Cruzeiro Seixas, e Cruzeiros Seixas de Cesariny. O testemunho de uma vida no limiar do limbo vivente e o fantasma que encoraja esse mesmo pesar. No seu limite, As Cartas do Rei Artur é um filme sobre a morte de Cesariny contado pelo seu mais intimo amigo … e, porque não … amante. Mas, por sua vez, Cláudia Rita Oliveira direcciona a lente, aponta o holofote na sua pessoa e assim, em paralelo com o artista-sombra, seguimos o percurso deste subestimado,"mestre" de nome, porém, não ainda de título. Neste território artístico que é um campo de batalha onde a luta é desigual, Cruzeiro Seixas é dos grandes derrotados. O filme serve-lhe de consolo, de "prémio de participação", criativo na variação do seu paladar.

 

CruzeiroSeixas_01.png

 

Todavia, Cruzeiro Seixas, este menosprezo incontável, poderá ter os dias expirados, e na deriva das profecias deste documentário biográfico e memorial, o pintor surrealista poderá por fim conhecer esse afortunado destino. Aliás, ele é a grande alma deste projecto, a sua personalidade é a narrativa condutora, a sua grandiloquência converte e atira Cláudia Rita Oliveira para segundo plano. Ela não guarda rancor, até porque o filme existe sob um signo apenas - o signo de um Rei Artur.

 

Filme visualizado no 14ª Doclisboa: Festival Internacional de Cinema

 

Real.: Cláudia Rita Oliveira / Int.: Artur Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny

 

12647152_1661059314159845_9037870075697192882_n.jp

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 14:36
link do post | comentar | partilhar

22.10.16
22.10.16

MV5BNGJkNmExN2ItMjQ1Zi00Zjc5LTk0OGEtMGQ5ZGZmOTYzYj

Redesenhando as imagens que faltam!

 

No surgimento das memórias sem registo que fora o nomeado ao Óscar, A Imagem que Falta (L'Image Manquante), o cambojano Rithy Panh retoma aos fantasmas que o assombram, deambulando sobre as suas naturezas e reconhecê-las como reminiscência de um homem de hoje. Sim, esta é a história do exílio do próprio realizador, em tempos que a sua terra natal era transgredida por uma constante metamorfose político-ideológica, e as consequências que essa “revolução” ditará no seu consciente.

 

thumb_4884_media_image_975x616.jpg

 

Tal como havia sucedido com As Imagens que Falta, Rithy Panh narra e colecta vivências sob a batuta de imagens cinematográficas produzidas, assim recorrendo ao pouco uso das imagens de arquivo para centrar a sua proposta contada. Contudo, é talvez na sua força pessoal, assumindo como um conto autobiográfico, que Exile (Exílio) atinge o seu pico emocional, mas, até lá, a beleza plástica e por vezes metafórica do enclausuramento humano torna-se pomposamente artificial e de certa maneira, artisticamente pretensioso. Enquanto que os horrores de A Imagem que Falta são preservados, e aos mesmo tempo restaurados pelo simbolismo, em Exile é a performance e a grandiloquência visual que preenche esse vazio de complementos narrativos.

 

exil.jpg

 

A história descrita segue em paralelo um Cambodja em gradual transmutação (o anterior Kampuchea Democrático), anexando-o com uma riqueza quotes e frases poético-filosóficas que reflectem, não só contribuído para a emocionalidade da vivência de Rithy Panh, como também a natureza metafísica desta revolução determinada (grande parte destas são citações de Mao Tsé Tung arrancadas directamente do seu Livro Vermelho, o julgamento estará cargo do próprio espectador). Sim, Exile aposta nos ecos deixados pela A Imagem que Falta, mas infelizmente essas imagens que substituem não impotentes perante o relato deixado, assim como a jornada gastronómica que Rithy Panh parece deliciar no seu leito de sobrevivência.

 

exil-de-rithy-panh-la-si-belle-presence-de-l-absen

 

Vindo desse mesmo realizador, e tendo em conta que o registo é bem mais pessoal,  esta é uma obra decepcionante, de repetição autoral, mas alicerçado a um discurso sobretudo fantasmagórico.

 

Filme visualizado no 14ª Doclisboa: Festival de Cinema Internacional

 

Real.: Rithy Panh

 

HTFile.jpg

7/10

publicado por Hugo Gomes às 00:42
link do post | comentar | partilhar

11.10.16

Agnus Dei - As Inocentes.jpg

A inocência está à flor-da-pele!

 

Este é o mais belo dos filmes de Anne Fontaine. Beleza essa, salientada pela fotografia de Caroline Champetier, que conjunta o brilho reluzente da neve caída com a escuridão opressiva resida nos obscuros compartimentos do convento onde esta acção decorre quase integralmente. Freiras violadas, deixadas à sua mercê com o fruto dessa agressão sexual no ventre, uma história passada nos ecos da Segunda Guerra Mundial, com o avanço soviético na Europa como percalço.

 

4861781_7_d73e_lou-de-laage-dans-le-film-francais-

 

Fontaine atribui neste drama histórico, nuances quanto à integridade feminina, passando por uma análise político-social de uma Polónia fustigada pela Guerra. Todo o ambiente de opressão, medo e ignorância vivido neste convento isolado, funciona como alusão dos medos interiores de uma Europa sob temor de eventuais "invasões". Sob o retrato passado, Fontaine abrevia o futuro, assim como a posição da mulher, a sua vulnerabilidade perante um ambiente hostil.

 

320113.jpg

 

Lou de Laâge (vista no fenomenal L'Attesa) e Agata Buzek revelam-se no ying-yang destes mundo em plena transformação ideológica, as suas posições de combate às tradições enraizadas no medo de outros tempos, esse receio pela Mão Divina de Deus que parte em castigos severos perante as obscenidades corporais, essa violação da "sagrada" virgindade, descrito nos seus livros sagrados. E quem não é mais adequada para personificar essa Ordem, esses Mandamentos prescritos, do que Agata Kulesza (Ida), a desempenhar uma intolerante Madre Superiora?

 

les-innocentes-d-anne-fontaine-lou-de-laage.jpg

 

Em todo o tempo que nos compele, Agnus Dei - As Inocentes nunca faz jus às complexidades das temáticas político-sociais que extrai, e tendo como especial cuidado o território religioso. Trata-se daqueles filmes emoldurados com técnica e experiência, e sustentados por desempenhos sólidos por parte do seu elenco. Já agora, vale a pena salientar o papel mais sério do actor Vincent Macaigne, para mostrar que o homem serve muito mais do que preencher o estereótipo de "loser" quarentão, que muita comédia francesa recorre. Resumindo e concluindo, eis o melhor filme da carreira de Anne Fontaine.   

 

Filme visualizado na 17ª Festa do Cinema Francês

 

Real.: Anne Fontaine / Int.: Lou de Laâge, Agata Buzek, Agata Kulesza, Vincent Macaigne

 

Les-Innocentes.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 23:48
link do post | comentar | partilhar

Cinema, Manoel de Oliveira e Eu.jpg

Graças a Oliveira!

 

"Os filmes são histórias, o cinema é o modo de as filmar". É sob esse signo que João Botelho relembra Manoel de Oliveira, um homem incansável para contar a sua história, onde os filmes seriam o seu elixir da Vida, o segredo da sua imortalidade. Botelho declarou-se, como sempre, no mais admirado dos admiradores do cinema de Oliveira, no seu mais fervoroso defensor e agora, "depois das lágrimas enxugadas" (como o próprio refere), determinado a condensar um legado em pouco mais de 80 minutos de duração. Sim, o tempo é aqui uma "bata ingrata" perante anos e anos de filmes, anos de vida e o cinema que fora inventado e reinventado pelo "mestre de honras" do Cinema Português.

 

143fc.jpg

 

Mas nenhuma homenagem faz jus aos seus homenageados, e por isso, Botelho injecta nesta hora e pouco mais, todo o seu carinho e veneração pelo seu "padrinho cinematográfico". Sim, O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu, é fruto de um amor, não apenas com a figura "paternal" de Oliveira, mas com o cinema em geral, uma proposta honesta e sentida para com esse pesar de saudade, pelo mestre não vivo que impossivelmente será recolocado. Por entre trechos dos filmes, salientado a sua técnica invejável, assim como os marcos deixados em cada uma das obras, o filme tende em partir da homenagem até ao próprio ensaio audiovisual, o que poderá servir, quem sabe, num futuro próximo como arranque para novas gerações conhecerem Manoel de Oliveira.

 

141fc.jpg

 

Esta é uma obra com a bênção da mesma entidade divina, e por fim, a homenagem propriamente dita, onde Botelho torna-se no Botelho emancipado, o realizador que sob a autorização da história de outros, espelha o seu cinema ensinado e a marca autoral que, entretanto, nasceu nas suas veias. Trata-se de A Rapariga das Luvas (ou Prostituição), a curta filmada pelo próprio, tendo como base uma história que Oliveira o segregou, um dos enredos que infelizmente não pode filmar. E é nessa confissão entre amigos que o nosso realizador evita a montagem e a selecção de carreiras centenárias para se dedicar ao seu cinema em expansão. Pois, é que fora a ideia, A Rapariga das Luvas é um filme de Botelho, requisitado por um universo à lá Oliveira, mas continuamente dotado com a clemência de memórias.

 

Captura-de-ecrã-2016-10-3-às-22.11.34-620x346-1.

 

O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu, entra em paralelo com outro tributo cinematográfico português - João Bénard da Costa: Outros Amarão as Coisas que eu Amei, de Manuel Mozos. Porém, este último beneficia não só do seu "quê" de homenagem mas da postura "fraternal" com que o realizador preserva as memórias, mais concretamente o sentimento vivido e exprimido por Bénard da Costa em relação à Sétima Arte. Botelho, por outro lado, não quer apenas preservá-las, mas sim emoldurá-las, para que possa gritar alto, audível a tudo e todos: "Manoel de Oliveira morreu. Longa Vida a Manoel de Oliveira".  

 

Real.: João Botelho / Int.: João Botelho, Mariana Dias, Leonor Silveira, Maria João Pinho

 

142fc.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 00:41
link do post | comentar | partilhar

8.9.16
8.9.16

PHoAawdU19QPrv_2_l.jpg

Somos filhos da violência!

 

Será demência sinónimo de genialidade? Para Rob Zombie e a sua nova obra 31, está muito mais em jogo do que a simples homenagem ao cinema "nasty" e "torture" de um Texas Chainsaw Massacre ou de um I Spit in Your Grave. Está sim, o embate com um estilo próprio, de "mau gosto" para alguns, mas verdadeiramente requintado para a proposta que apresenta.

 

19-days-31-rob-zombie.jpg

 

Um cruzamento entre Texas Chainsaw Massacre e The Hunger Games, 31 centra-nos no típico "horror road trip" com demasiados "piscares de olhos" ao eterno filme de Tobe Hooper até chegar a uma delirante trip à lá Devil Rejects. Maniqueísmos estão à "borda do prato", a refeição é crua e indigesta e é nesse tipo de espectáculo que o músico e agora realizador, Rob Zombie, concentra na sua crítica social. Até porque nós todos somos "animais", as personagens que tentam sobreviver num sádico jogo orquestrado por aristocratas até nós, espectadores, que aceitamos a viagem imaculada dos seus acordes.

 

rob-zombie-31-movie.jpg

 

A provocação é aqui facilitada, mas é nesse leque de "nasty things" que a exploração torna-se real para a audiência, tudo se resume a um circo munido por identificáveis peças, nada que não difere dos nossos habituais videojogos, das manchetes sedentas de mediatismo e do fascínio intimo de cada um pela violência. Sim, somos todos filhos da violência e Rob Zombie não é o demónio por nos mostrar isso ao longo da sua carreira enquanto realizador, porém, é o autor que mexe "cordelinhos" desse desejo proibido.

 

Rob-Zombie-31-trailer.jpg

 

A sua câmara que se desloca à velocidade da luz em alturas críticas revela-se numa poderosa aliada em território sensorial, não é todos os dias que vemos um filme de terror que nos desperta adrenalina, uma incomoda sensação de vermos tudo e ao mesmo tempo vermos absolutamente nada. Os maiores episódios de violência estão na mente do espectador, por esta altura Rob Zombie ri-se que nem um perdido perante tal feito.

 

312.jpg

 

O único senão deste retrato é também aquela possível marca autoral do realizador, a sua mulher, Sheri Moon Zombie que nunca nos verdadeiramente convenceu. Mas tal é compensado com as participações de Judy Geeson (Rilington Place, de Fleischer), Meg Foster (They Live, de Carpenter) e Malcolm McDowell (Clockwork Orange, de Kubrick), entre outros, actores que instalam-se como memórias de uma terrifica cinéfila, o "lado negro" admirado pelo próprio Zombie, proclamador do género de terror. Ah, e já me ia esquecendo, Richard Brake a citar-se como um psicopata "campónio", transgredindo o estereotipo pelo qual é submetido.

 

31-rob-zombie.jpg

 

Pormenores que tornam 31 num filme que receamos em venerar, mas a confirmação de que Rob Zombie é um autor de terror, daqueles subvalorizado (tal como Eli Roth) por um cultura subjugada ao cinema de estúdio de um The Conjuring ou do enésimo remake de um clássico qualquer.  

 

"Now, you may think you see a grease-painted performer sitting before you. But trust me - I'm not here to brighten your dismal day; I am here to end your miserable life. You know, all in all, you've had a pretty good run, but deep down inside you must've known it all had to end somewhere - might as well be now."

 

Real.: Rob Zombie / Int.: Sheri Moon Zombie, Malcolm McDowell, Richard Brake, Jeff Daniel Phillips, Meg Foster, Judy Geeson, Pancho Moler, Tracey Walter, Lawrence Hilton-Jacobs, Kevin Jackson

 

lew31temple.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 19:33
link do post | comentar | partilhar

7.9.16

TheWailing-406x600.jpg

 

O Conjuring coreano!

 

Os coreanos sempre foram assim, ambiciosos e igualmente descontraídos nas suas incursões fantásticas, e quem não se lembra de The Host, de Joon-ho Boong, esse reavivar do cinema kaiju, para dar uma ideia do que lidamos em relação a tons neste The Wailing.   

 

960.jpg

 

Dirigido por Hong-jin Na (The Chaser), este é uma costura de variados “trapos” que consolida o terror com os lugares do suspense policial, o humor até mesmo a um fino drama familiar, sem com isso negar a sua atmosfera de “filme-de-desastre”. A enésima história de possessão teima aqui em não persistir em linha recta, vagueando fantasmagoricamente em outras nuances e complicações argumentativas, chegamos mesmo a pensar que uma simples intriga foi deliberadamente convertida numa pesadão “mastodonte”, a jornada é cansativa e as nossas forças cinéfilas tendem em desvanecer tais como a do nosso protagonista. 

 

the-wailing-1.jpg

 

O herói, interpretado por Do Won Kwak, bem poderia ser uma personagem extraída de uma comédia, um policia trapalhão cujo porte físico é representado por uns quilinhos a mais, bem, uma chacota digna lá para os lados de Hollywood. Contudo, é o exemplo de heroísmo acidental, sem com isso branqueá-lo do lado negro habitual do ser humano. É na construção deste protagonista que The Wailing demarca de muitas outras produções de terror, é nos seus laivos competentes de teor que chegamos curiosamente a dar uma espreitadela a esta sombra que paira numa tradicional cidade, assombrada por espíritos florestais e receosa por superstições arcaicas.  

 

wailing60.jpg

 

Não negando o charme de The Wailing, há, no entretanto, uma infelicidade em encontrar nesta produção sul-coreana uma replicada ambição de ser um The Conjuring (aviso desde já que o filme de James Wan é aqui inserido não sob forma de elogio). É como já havia referido, a costura de vários “trapos” é também reciclado, e a reciclagem teima em ser homenagem a um cinema de género. De The Exorcist até aos terrores amaldiçoados do J-Horror, passando pelo policial feroz de Fincher e até certo ponto um side-by-side de I Know What you Did in Last Summer, é novamente a impotência de não saber o que fazer com tantos lugares-comuns. Ganhou-se um sólido filme de género, mas perdeu-se uma eventual obra-prima.

 

Real.: Hong-jin Na / Int.: Do Won Kwak, Jun Kunimura, Jung-min Hwang, Woo-hee Chun

 

thewailing_trailer1.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 23:09
link do post | comentar | partilhar

7.9.16

Milagre no Rio Hudson.jpg

Clint Eastwood e os seus heróis!

 

Um dos episódios mais impressionantes da História da Aviação aconteceu em 2009, quando o piloto norte-americano, Chesley "Sully" Sullenberger, concretiza com êxito uma arriscada aterragem no Rio Hudson. Estamos a falar do  US Airways 1549, um avião comercial que trazia a bordo 155 almas, porém, devido ao heróico feito de "Sully" que actuou no momento certo, nenhuma delas se perdeu. Uma "boa notícia em Nova Iorque principalmente com aviões", como é referido a certo momento nestas adaptação de Clint Eastwood, tem recebido um extremo frenesim mediático. "Sully" foi automaticamente elevado a estatuto de herói, tendo até sido nomeado pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes.

 

3061462-poster-p-1-sully-movie-hanks.jpg

 

Mas passando para o filme propriamente dito, Clint Eastwood remexe novamente na História norte-americana para analisar um dos seus heróis recentes. Contudo, este Sully está mais próximo de Flags of our Fathers do que o equívoco de American Sniper (continuo a acreditar que o filme não foi fruto de Eastwood), o qual procura uma definição concreta de heroísmo, posicionando a câmara para os homens comuns que os "imortalizam". Enquanto que no filme de 2006, o retrato dos soldados que içaram a bandeira dos EUA na ilha de Iwo Jima, os ditos "heróis" questionavam-se perante uma sociedade sedenta pelo estatuto, em "Sully" é a própria sociedade que questiona a natureza do nosso herói, sendo este o conflito que prossegue toda a narrativa, desaguando no limiar existencialista do protagonista.

 

Sully-640x400.jpg

 

Tal como sucedera com o fracassado Flight, de Robert Zemeckis, é a busca dos factos e responsabilidade acima de qualquer factor humano, mas Sully apresenta-nos um "punhado" dessa última dose com Tom Hanks a funcionar como um actor "capriano", a erguer toda a trama em cima dos seus ombros mesmo que para isso torne descartável todo o conjunto de personagens secundárias. No fim percebe-se, que os veios analistas não chegam a ser profundos, as marcas não nos levam ao seu extremo e o classicismo moralista é a solução para uma dedicada homenagem.

 

maxresdefault.jpg

 

Talvez tenha sido American Sniper, que fora o embate com um realizador anónimo, que fez com que "Sully" converter-se numa experiência acima da média, mesmo assim interiorizada no cinema norte-americano academista. Mas é Clint Eastwood que se encontra na batuta, quer que se ama, ou odeia, é esse factor humano que conta.

 

Real.: Clint Eastwood / Int.: Tom Hanks, Aaron Eckhart, Laura Linney

 

Sully-Poster.jpg

 

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 17:48
link do post | comentar | partilhar

27.8.16

Comuna, A.jpg

A comunidade de Vinterberg!

 

"Qual é o valor da tua ferramenta?" foi com esta pergunta que uma das cenas mais memoráveis do documentário Torre Bela, de Thomas Harlan (o relato da transição ideológica de um Portugal pós-25 de Abril), se iniciou. Nesta mesma, os sonhos de uma politica de esquerda, a vontade de uma comunidade, é afrontada pela necessidade e orgulho de um só individuo, aqui um agricultor nada disposto a ceder a sua enxada a uma cooperativa agrária.

 

13882449_1463492610331428_5895509523294432697_n.jp

 

Quarenta anos depois, Thomas Vinterberg, um dos fundadores do Dogma 95 ao lado de Lars Von Trier, dirige The Commune (A Comuna), um exorcizar de uma ingenuidade politica que o realizador acolhera na sua juventude, porém, como o próprio parece demonstrar nesta sua nova obra, uma quebradiça ideia face às necessidades individuais. O casal preferido do cinema dinamarquês (Ulrich Thomsen e Trine Dyrholm), são novamente requisitados como volantes desta trama que arranca com uma herança imobiliária e um desejo de harmoniosa comunidade. Contudo, essa mesma fabricada colectividade, uma comuna entre amigos, é abalada com o aparecimento de um novo amor, uma terceira pessoa num relacionamento matrimonial de anos.

 

13876703_1463495630331126_3012367363178377604_n.jp

 

Thomas Vinterberg estende num prolongado confronto entre a comunidade e o individuo, salientando a "humanidade" de cada um face às ideologias politicas. Parece que este "sonho esquerdista" não é à prova de bala, neste caso de sentimentos vividos. Não com isto induzir-nos numa propaganda politica e tendo em conta o calor de posições do género que afronta o nosso país (quarenta anos desde Torre Bela e essa reconstrução ideológica continuamos com dúvidas acerca da nossa governação e dos requisitos destas), A Comuna é um filme que valida-nos como seres específicos e personalizados e não como rebanho de uma só voz. É também o retrato de que uma correcta politica é uma fantasia sonhada por homens idealizados. Não existe nenhum maniqueísmo, até mesmo a democracia é aqui questionada, segundo a personagem de Ulrich Thomsen, "não é a maioria que ditará como viverei a minha vida".

 

13912619_1463495626997793_3779811526683222676_n.jp

 

Longe da provocação fácil dos seus congéneres, Thomas Vinterberg segue o caminho mais subtil e difícil, porém, o faz com o auxilio de bons "tenores". Neste caso, Trine Dyrholm é uma musa expressiva, uma "bomba" emocional que testa qualquer doutrina sociopolítica.

 

Real.: Thomas Vinterberg / Int.: Fares Fares, Ulrich Thomsen, Trine Dyrholm, Julie Agnete Vang

 

MTG_20160405_MTG_1675-e1461433149746.jpg

 

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 21:45
link do post | comentar | partilhar

7.7.16

Amigo Gigante, O.jpg

O amigo EXTRA-terrestre!

 

Um enredo de gigantes "caçadores de sonhos" escrito por Roald Dahl em 1982, é, teoricamente, "pano para mangas" do habitual cinema familiar de Steven Spielberg, aquele que é visto por muitos como um dos maiores contadores da história da indústria cinematográfica norte-americana. Por isso, não há que enganar, The BFG é um claro filme de Spielberg, confortavelmente composto pelo sua costura clássica e embrulhado com os últimos avanços tecnológicos que adquirem o seu quê de "credibilidade".

 

bfg-new-570x297.jpg

 

É a pausa do cinema politico que o realizador tem vindo a tecer nos últimos anos e o retorno aos condimentos que fizeram ET um verdadeiro êxito. Obviamente que o cinema dito blockbuster actual segue em outras direcções, contraiu uma faceta de multi-plataformas e foi influenciado por essas referidas e paralelas convenções. Já soa um cliché mencionar a megalómana indústria Marvel para perceber um pouco como funciona a indústria dos nossos dias, mas é talvez essa comparação que nos leva a "conspirar" porque é que um filme como The BFG, ligado a um nome mundialmente reconhecido, falhe nas bilheteiras do seu país.

 

BN-NK227_bfg040_G_20160405120620.jpg

 

Spielberg esboça um ingrediente hoje perdido nesse grande cinema de entretenimento - ingenuidade - não da forma ignorante ou "acanhada" como muito do cinema de teor politico (e não só) que parece hoje tomar, mas a inocência do simples storytelling, e se não for, a suposta atribuição desta. Ao ver The BFG vem-nos os aromas de um cinema perdido, a fantasia levada com exclusividade na grande tela, e Spielberg reconhece essa extinção que só poucos autores, muitos deles veteranos nestas andanças, continuam a invocar (com excepção do jovem J.J. Abrams, o "aprendiz" que tem vindo a reafirmar esse tão obsoleto toque com alguma eficácia). Por isso não esperem aqui um revitalizador Spielberg, como havia sido mostrado em Munich ou até mesmo em Lincoln, porém, aguardem por um cineasta que resiste ao tempo, mesmo que este não seja o seu melhor amigo.

 

maxresdefault (1).jpg

 

Como cedência ao mesmo, os efeitos visuais são de topo, com Mark Rylance, a caminho de se tornar num dos eventuais colaboradores do realizador, "vestindo" a pele deste simpático gigante possibilitado com o método "motion capture". Os resultados suscitaram no  espectador algumas curiosas afinidades. A companhia deste gigante pedaço de CGI é a jovem actriz Ruby Barnhill, de carne e osso, que nos retransmite essa mesma sensação de inocência de primordial.

 

maxresdefault (2).jpg

 

Quanto às iminentes imaturidades da história e o desfecho inacreditavelmente fácil, isso, só será possível ao reclamar com o próprio Roald Dahl, que não faz parte deste mundo há mais de 26 anos. Todavia, os seus relatos continuam a inspirar gerações, em particular um "menino" chamado Spielberg.

 

"Because I hears your lonely heart, in all the secret whisperings of the world."

 

Real.: Steven Spielberg / Int.: Mark Rylance, Ruby Barnhill, Penelope Wilton, Jemaine Clement, Rebecca Hall

 

TheBFG-1200x630-e1449691047623.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 00:19
link do post | comentar | partilhar

6.7.16

Chevalier.jpg

A Liga dos Cavalheiros Extraordinários!

 

Eis uma obra que coloca à prova a masculinidade, a sua natureza e a razão de tremenda existência. Hoje visto como um forçado sinónimo ao machismo, sexismo ou até homofobia, a masculinidade é um acto de afirmação de um homem perante os outros. O respeito, a dignidade, o exemplo de ser um individuo à altura de tal representação, tudo fragmentos que compõem o ego do género masculino.   

 

chevalier (1).jpg

 

Chevalier incendeia essa mesma capa, esse estatuto de cobiça alcançável, ao mesmo tempo que atribui o seu quê de misticismo, pois, a masculinidade é um mito, e tais lendas são exorcizadas por Athina Rachel Tsangari. (sim, uma mulher a dirigir um filme onde não existe réstia presencial do lado feminino). A realizadora havia concretizado em 2010, o singular Attenberg [ler crítica], um filme de duas raparigas assexuadas em busca da sua própria identidade, em Chevalier, a jornada não é exclusivamente identitária, mas sim social, o regresso ao nosso lado animalesco, onde ansiamos cumprir os requisitos de macho alfa.

 

Chevalier-3-560x282.jpg

 

Contudo, mesmo sendo uma “ela” a apresentar este caricato enredo de um grupo de amigos, ou “camaradas” (a camaradagem é também ela uma manifestação da tão referida masculinidade), adeptos de pesca submarina que decidem jogar um prolongado jogo de competição, Chevalier (= Cavaleiro), onde o objectivo é avaliar individualmente cada um para eleger o mais “cavaleiros dos cavaleiros”, este é sobretudo um filme que transpira a "mão masculina" em todo os esporos.  Tal como fizera o brasileiro Gabriel Mascaro, em Boi Neon, a respectiva masculinidade é desconstruída, neste caso, a comédia bromance serve de veiculo para essa análise. A sátira de Chevalier é leve, mas eficaz, o ridículo é interiorizado no realismo das situações e nunca expande para o modo spoof nem sequer das comédias tresloucadas ao dispor do burlesco.  

 

maxresdefault (3).jpg

 

Os desempenhos funcionam na sua perfeita harmonia, visto que os atores se voluntariam como “cobaias” na própria teorização das respectivas essências de homem. Adereços que tornam o filme numa proposta imperdoável. Por isso, fica o aviso, quem não o vir - menos 10 pontos. Não percebeu? Menos 10.

 

Real.: Athina Rachel Tsangari / Int.: Vangelis Mourikis, Nikos Orphanos, Yorgos Pirpassopoulos

 

chevalier.jpg

7/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 15:35
link do post | comentar | partilhar

28.5.16

Vendedor.jpg

O correcto acto da vingança!

 

Asghar Farhadi é um moralista, mas é o nosso tipo de moralista. Ao contrário do conto moral propagandista que muita da Hollywood faz e refaz, o cinema de Farhadi é de uma delicadeza articulada a espaços limitados, a mistérios "antonianos" não resolvidos e a dramas humanos impulsionados através de um olhar crítico e abrangente, e essa dita moralidade ocorre, não como uma lição a ser aprendida, mas sim num reflexo de múltiplas contemplações.

 

the-salesman.jpg

 

Contudo, em O Vendedor, premiado com a distinção de Melhor Argumento no Festival de Cannes, possuímos um episódio competente na linha dos seus anteriores manifestos, mas perde-se numa loop de repetição autoral. Para o espectador ainda não inserido no universo deste badalado e consagrado cineasta iraniano (A Separation, Le Passé), este paralelismo entre a ficção e as encenações teatrais de Morte de Um Caixeiro Viajante, de Arthur Miller, revela-se numa fascinante experiência de juízo de valores, até estabelecer num climax narrativo que desagua facilmente em território de elipse.

 

forushande-2.jpg

 

É um tipo de cinema que nos faz debater sobre a nossa própria moralidade, é aquele "mundo" longe ao nosso alcance, aqueles seres de uma civilização distante que não se afastam, rigorosamente nada, dos nossos quotidianos. Aliás, essa persistente comparação entre o drama de vingança e o teatro que vem adquirido contornos algo caóticos, remetem-nos a um elo cultural que interliga essa constante separação anunciada entre Ocidente / Oriente.

 

maxresdefault (1).jpg

 

É um exercício meticuloso, devidamente empregue à mercê dos seus actores que tudo fazem para adereçar a ênfase dramática nos conformes deste conceito de realismo. O Vendedor aproxima-se em passos personalizados ao território de Alain Resnais, a esse erudito estado de alma, sem como tal abandonar as suas heranças, quer culturais, cinematográficas e pessoais. No fim, a moralidade nos joga como uma força que nos embate consequencialmente, mas sem nunca constituir uma só verdade. A moral nasce, cresce, vive e morre em cada um de nós, o cinema Farhadi apenas providencia essas ferramentas.

 

Filme visualizado no 69º Festival de Cannes

 

Real.: Asghar Farhadi / Int.: Shahab Hosseini, Taraneh Alidoosti, Babak Karimi

 

The-Salesman-Cannes-copy.jpg

7/10

publicado por Hugo Gomes às 13:59
link do post | comentar | partilhar

19.5.16

Exame, O.jpg

Cristian Mungiu coloca a sua graduação fílmica em prática!

 

Bacalaureat (O Exame) é indiscutivelmente um filme de Cristian Mungiu, nota-se a "léguas", desde o seu vincando realismo inserido em longos takes até ao gradual desafio em que as suas personagens são submetidas nas mais drásticas situações, passando por uma atmosfera rodeada por fantasmas oriundos dos tempos de Ceauseascu.

 

61 - Cópia.jpg

 

O realizador romeno, um dos braços fortes da sua Vaga Cinematográfica que tido cada vez mais presença nos festivais mundiais, é um homem sob um constante olhar para a condição humana, o encarando como um entusiasmante retrato da vida mundana. Os seus "heróis" não são mais que meros mortais, prevalecidos por seus actos involuntários e pela natureza que os rodeia e que os obriga a camuflar. Neste mesmo Cinema, não existe maniqueísmo, somente personagens sem passado definido e muito mais, sem futuro à vista do espectador.

 

bacalaureat.jpg

 

Em O Exame, o retrato segue ao encontro dos limites da paternidade, da educação que damos aos nossos "rebentos", o mundo idealizado que queremos os inserir. Porém, a realidade é mais violenta e "suja" que essa mesma idealização, e a inadaptação é o que espera a esta geração iludida. A jornada de um pai para preservar o futuro pretendido para a sua filha, o leva para os cantos mais obscuros e psicanalistas da consciência moral. Aliás, não existe o certo nem o errado, somente escolhas, aquelas decisões que agimos sem pensar em um momento que seja. Será a corrupção uma característica mais que natural do ser humano do que a imagem que o moralismo social nos quer fazer acreditar?

 

bacalaureat-3.jpg

 

Cristian Mungiu consegue um forte drama ambíguo, envolvido numa melancolia cautelosa, até porque esta Roménia ainda é conduzida por espectros, as vivências de tempos negros, aquela "prometida" Idade do Ouro. Como veiculo emocional (ou não) deste O Exame, está Adrian Titieni, uma das caras mais reconhecidas do cinema romeno recente, o qual tem vindo a provar estofo para exercer o papel de anti-herói em sociedades replicadas à nossa. Não sendo a melhor obra da Cristian Mungiu, este é um filme certamente para ver e reflectir, sem a imperatividade do sentimento manipulado.

 

Filme visualizado no 69º Festival de Cannes

 

Real.: Cristian Mungiu / Int.: Adrian Titieni, Maria-Victoria Dragus, Rares Andrici

 

graduation-bacalaureat-cristian-mungiu.jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 20:00
link do post | comentar | partilhar

15.5.16

Bons Rapazes.jpg

Los Angeles Confidencial!

 

Depois de Deadpool ter demonstrado que os super-heróis conseguem ser indisciplinados, The Nice Guys (Bons Rapazes) é o novo "prego" numa gradual onda politicamente incorrecta que tem dado caras na indústria de Hollywood (bem haja).

 

arton11003.jpg

 

Nesta continuação não assumida de L.A. Confidencial, com Russell Crowe de novo como um durão justiceiro (ou algo parecido), a célebre cidade dos Anjos veste agora cores groove como memória a uns libertinos anos 70, aqui a indústria pornográfica expande a todo o gás e nisso é evidenciado no seu enredo satírico. Agora com uns "quilinhos" a mais, o conhecido actor de Gladiator e An Beautiful Mind (por cá gostamos de pensá-lo como o Jeffrey Wingand de The Insider, de Michael Mann) faz dupla com um Ryan Gosling caricatural e sem rédeas, e os resultados chegam a ser … surpreendentemente explosivos.

 

maxresdefault.jpg

 

Shane Black tem um upgrade (e um lifting) do seu anterior, não tão bem sucedido, Kiss Kiss Bang Bang (a sua estreia na direção), onde conseguiu ressuscitar Robert Downey Jr. à comunidade cinéfila e tentou, falhando descaradamente, resgatar Val Kilmer, e para além disso tem no seu currículo o muito amado Lethal Weapon (A Arma Mortífera), um dos pedestais do buddy cop movie. É o regresso das duplas ying/yang, e dos policiais mórbidos, deliciosamente ousados, com gags referenciais aos neo-noir e do cinema de acção oriundo desta "avant-garde" década. Aliás, este é um filme que tem os seus ares de hedonismo incorrecto, e nesse aspecto explora, brincando à sua maneira, com as suas condições de exploitation, assim como enraizar o termo numa intriga bem vintage.

 

Nice-GUys-Bar.jpg

 

É entretenimento, como parece já ser cliché insinuar, à moda antiga, com um dupla erguida sob uma inesperada química, um argumento simples mas astuto, armadilhado com gags sem escrúpulos e uma ou outra surpresa que tornam este produto num irreverente do género. Ou será repescagem de outros tempos? Assim sendo, esta é o esticado dedo médio de Shane Black à sua constrangida experiência na Marvel Studios [Iron Man 3].

 

Filme visualizado no 69º Festival de Cannes

 

Real.: Shane Black / Int.: Russell Crowe, Ryan Gosling, Kim Basinger, Angourie Rice, Keith David, Beau Knapp, Matt Bomer, Margaret Qualley

 

nice-guys-ryan-gosling-russell-crowe.jpg

7/10

publicado por Hugo Gomes às 17:45
link do post | comentar | partilhar

14.5.16

The-Handmaiden-posters-1-600x857.jpg

Ligações Perigosas!

 

Chan-Wook Park (Oldboy: Velho Amigo) apropria-se do romance literário da britânica Sarah Waters para incutir um conto de erotismo e de técnica luxuriosa onde, novamente, a "scissor sister" volta a ter a sua relevância enquanto ligação terna entre um casal (sim, algo que nos faz suspirar por La Vie d’Adélè).

 

2016 - The Handmaiden.jpg

 

No centro deste jogo de enganos, traições, ciumes e artimanhas, digno de qualquer thriller hitchcockiano, The Handmaiden é uma espécie de "Origami", machucado, recortado, dobrado, aspirando uma forma que não é a sua, mas que no final o resultado é de pura beleza de criação. Uma beleza presente na direcção segura e estilística de Park, que prolonga os "fracassos" omitidos na sua produção norte-americana, Stoker, ou na sedução captada pelos corpos nus, pelas sugestões sexuais e corporais que as nossas personagens transmitem com toda a satisfação.

the-handmaiden-trailer-del-esperado-regreso-de-par

O humor pautado e subliminar enche os frames desta narrativa contada em três vozes, duas perspetivas que complementam-se a um só olhar (terceiro acto), por entre twists e quebras-cabeças emocionais. É certo que podemos acusar de plasticidade Chan-Wook Park frente ao verdadeiro sentido da intriga. Como uma decorada "casa de bonecas", é essa conexão com o olhar do espectador que The Handmaiden adquire a sua atmosférica façanha; é negro e colorido quanto basta. Sedutor e traiçoeiro como ninguém, uma clara alusão à perversão e repreensão sexual na cultura japonesa que cria, ou apenas "educa" fetichistas de imaginações infinitas.

 

The-Handmaiden-10-620x413.jpg

 

Com belezas ditadas de Kim-Tae-ri e da estrela sul-coreana Min-hee Kim (Right Now, Wrong Then), Chan-Wook Park recria uma das melhores obras de teor erótico dos últimos anos; corajoso ao apresentar em plenas terras da Riviera Francesa um filme que contrai um portento fascínio pela luxúria e pelo obsessivo prazer.

 

Filme visualizado no 69º Festival de Cannes

 

Real.: Chan-Wook Park / Int.: Kim-Tae-ri, Jung-woo Ha, Min-hee Kim

 

the-handmaiden-is-an-upcoming-south-korean-film-ba

7/10

publicado por Hugo Gomes às 13:00
link do post | comentar | partilhar

13.5.16

Eu, Daniel Blake.jpg

 

Todo o proletário tem um nome!

 

Ken Loach continua a sua luta pelos direitos da classe operária, tentando denunciar um sistema falível de Segurança Social e o peão dessa sua experiência propagandista é Daniel Blake (Dave Johns, um sério candidato ao prémio de Melhor Actor em Cannes), um carpinteiro de meia-idade sob graves problemas cardíacos que luta contra a burocracia em prol dos seus direitos enquanto cidadão. Neste caso uns "trocos" para a renda semanal era mais que bem-vindo, mas uma realidade cada vez mais difícil perante uma sociedade que não integra nem deixa integrar. Não é mais uma citação de "este país não é para velhos", trata-se sim da busca pelo orgulho do proletário, e toda a propaganda que é assim afinada, não validando, portanto, a emoção dita cinematográfica, quase emprestado aos grandes crowd pleasures de Hollywood.

 

648x415_daniel-blake-ken-loach.jpg

 

No ano passado, assistíamos igualmente na competição de Cannes, La Loi du Marché, de Stephane Brizé, um filme muito apegado ao realismo que reduzia o actor Vincent Lindon ao desespero enquanto desempregado. Ao contrário dessa obra, Ken Loach apela à emoção como veiculo de luta e o seu apoio neste teor contrai maravilhas para o espectador. Em simultaneamente com os vínculos de realidade formal que esboça nesta desesperante jornada de um homem que acima de tudo deseja ser tratado como tal e não, como é referido a certa altura, num cão.

 

i-daniel-blake-cannes-2016.png

 

Mais do que um ensaio precário à lá Laurent Cantent, I, Daniel Blake apresenta-nos outras importantes questão na nossa sociedade, entre os quais a apresentação da tecnologia não como um facilitismo, mas como um obstáculo para a população mais envelhecida, e o facto desses sistemas de Segurança Social apoiarem quase exclusivamente no informático. Existe particularmente uma sequência onde Daniel Blake revela uma cassete de música a uma criança, sendo que esta desconhece por completo tal formato físico. Isto tudo para dizer que os tempos constantemente mudam e não tréguas a quem continua presente no "século passado". Emotivo e igualmente furioso.

 

Filme visualizado no 69º Festival de Cannes

 

Real.: Ken Loach / Int.: Dave Johns, Natalie Ann Jamieson, Colin Coombs

1228536_I Daniel Blake.jpg

 

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 08:49
link do post | comentar | partilhar

15.3.16

Posto Avançado do Progresso.jpg

Períodos desconhecidos recontados sob descrença!

 

É sabido que Portugal tanto invoca e de maneira gloriosa, os tempos dos Descobrimentos, nomeadamente as conquistas ao desconhecido continente africano, mas pouco se fala da "manutenção" dessas colónias assim declaradas. Enquanto que a História nacional tenta apagar desse registo de "ouro" de tão negro período, Hugo Vieira da Silva, um realizador que tem dado nas vistas desde a sua estreia além-fronteiras em 2006, com Body Rice, apela ao retorno a esses capítulos esquecidos, propositadamente, do nosso currículo enquanto país, e o faz através da inspiração do pequeno conto de Joseph Conrad - An Outpost of Progress - publicado em 1897.

 

thumb.jpg

 

Esta transcrição de uma alusiva ficção para outra, indicia-nos um mundo infinito que traduz na mística vastidão da Floresta Tropical do Congo, hoje descrito como um dos locais terrestres menos explorados e, há séculos passados, um lugar povoado por fantasmas e outras fantasias apenas existentes em folclore e na imaginação. Porém, em Posto Avançado do Progresso, os fantasmas são os portugueses, os dois colonizadores que chegam a um entreposto comercial congolense munidos pelos seus fatos brancos que reluzem nas sombras, trazendo consigo ordens e ideologias que não são deste Mundo. Mesmo assim, a dupla protagonista diverge, quanto às suas doutrinas e à respectiva relação com os nativos.

 

HG_postoavancadodoprogresso_destaque.jpg

 

João de Mattos (Nuno Lopes) acredita numa superiorização de "raças" e a urgência de transportar para África o muito da civilização moderna dita europeia, enquanto que Sant'anna (Ivo Alexandre) demonstra fascínio por estes mesmos "selvagens", assim como um afecto por estas terras amaldiçoadas. Essas referidas diferenças serão confrontadas com o próprio magnetismo do Congo, assombrando as suas almas com alucinações e distúrbios para além do visível. Outro contraponto do Posto Avançado do Progresso é a imagem exposta dos colonizados, que traduzem uma organização hierárquica diferente daquilo que os portugueses julgam possuir, duas verdades desafiadas que só o espectador aperceberá das particularidades e das limitações dos homens ocidentais em entender a cultura que forçosamente tentam integrar e moldar.

 

1031422.jpg

 

Nesse sentido, Hugo Vieira da Silva induz nas personagens africanas algo mais que apenas apreços etnográficos ou meramente decorativos, mas sim em figurações da civilização europeia, dando a entender e a preservar a realeza africana, vista e discutida como uma "casta" inferior, mas eventualmente comparada à hierarquização portuguesa. Esse método reduz-se na referência literária e social da época ou simplesmente da História, desde Padre António e o misticismo envolto até citações ao escritor Almeida Garret - "O meu nome é Ninguém" - Posto Avançado do Progresso funde dois mundos distintos, divididos pelo Mar Mediterrâneo, porém, intrinsecamente cúmplices do próprio rumo mundial.

 

1118full-posto--avançado-do-progresso-screenshot.

 

A desordem é somente um engodo para que os "intrusos", aqueles que proferem o direito pelas terras "achadas", se percam na vastidão daquele indomável mundo, não pertencente a nativos, nem a forasteiros. E é nesse caos que personifica numa entidade fantasmagórica, abanando dois mundos e afrontando as convenções anteriormente estabelecidas. As alucinações, a possessão selvagem, o desespero, o "progresso" nunca cumprido nem nunca encontrado, elementos que deambulam nas selvas congolenses como animais sedentos pelas suas presas.

 

thumb (1).jpg

 

Os fatos dos portugueses, sobrenaturalmente cintilantes, perdem o seu brilho, assim como a razão destes viajantes protagonistas. Hugo Vieira da Silva transforma este relato sobre a animalidade do "homem branco" numa demanda cinematográfica cujas referências e homenagens estão presentes como fenómenos. Desde Luis Buñuel, passando pela comédia slapstick muda de um Laurel and Hardy, ou até mesmo a atmosférica sexualidade e estranheza do cinema de João Pedro Rodrigues, tudo amontoa num biótopo criado e erguido pelo mistério, o contra-campo e a sugestão.

 

1.jpg

 

Depois de Swans, Vieira da Silva cumpre um retrato compulsivo da nossa ligação inerente com África, o continente arrancado da nossa História através do conflito bélico, mas que mesmo assim produz em nós, um amor proibido, nunca esquecido, mesmo com o decorrer de Gerações. O cinema tem contribuído para esse fascino, para essa essência magnética, Hugo Vieira da Silva apenas reafirma essa dilecção.

 

Real.: Hugo Vieira da Silva / Int.: Nuno Lopes, Ivo Alexandre, David Caracol

 

thumb (2).jpg

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 09:25
link do post | comentar | partilhar


sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Jackie (2016)

American Pastoral (2016)

Nocturnal Animals (2016)

Le Divan de Staline (2016...

Cruzeiro Seixas: As Carta...

Exil (2016)

Les Innocentes (2016)

O Cinema, Manoel de Olive...

31 (2016)

The Wailing (2016)

últ. comentários
Se a Disney tem " daddy issues" voce aparenta ter ...
"Será que vemos em Guardiões da Galáxia os ensinam...
Este filme promete. Já é uma pena que se façam seq...
A década de 90 foi uma das melhores, mas especific...
Juntamente com Terminator 2 e com The Matrix, Jura...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
3 comentários
3 comentários
2 comentários
2 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO