Data
Título
Take
12.5.16

Vertical, Na.jpg

O conto de fadas de Guidaurie!

 

Com fortes traços "Bressianos", Alain Guiraudie continua a sua jornada pela inaturalidade (a maneira como as personagens falam, atuam e reagem, bem como as situações que acontecem), da mesma forma que vincula com a natureza quase animalesca das imagens. Esse factor natural continua presente na sua obra, a água como elemento de fuga, o bosque como retiro espiritual e emocional e a "besta" como um crescente incógnito.

 

459787.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

 

Para o realizador, este Staying Vertical é uma alusão ao conto de fadas, aos cavaleiros andantes e a suas intermináveis cruzadas, neste caso um jovem cineasta, Leo (Damian Bonnard), que procura lobos no Sul da França, deixando-se seduzir por uma pastora de espírito livre, Marie (India Hair). Nove meses depois, nasce uma criança, fruto dessa relação, mas em consequência de uma depressão pós-parto, Leo torna-se unicamente responsável pelo seu filho. Aprendendo a ser um pai "à força", o nosso protagonista terá que lidar com todas as adversidades que lhe surgem no caminho no intuito de proteger o seu "rebento", porém, existem fantasias internas que teimam em não desaparecer.

 

staying-vertical.jpg

 

São fantasias, essas, que atribuem à fita o seu "quê" de onírico, aquela aceitação com o primitivismo natural e a fusão desta com a real narrativa tornam Staying Vertical num tremendo trabalho "exquisite", de rara beleza. Mas Guiraudie tem falhas, e muitas, neste retrato de estranheza e de visuais explícitos. O enredo é desfeito pela divagação nesse mesmo "mundo" e a inverosimilhança, aqui indiciada, contrai um humor "involuntário", demasiado negro, sabendo que não são esses os propósitos de um filme assumidamente poético.

226717.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

 

Entre o enxugamento sexual e a ousadia do politicamente incorrecto, Staying Vertical adquire grandeza na sua sequência final, que comprova as compaixões entre "bestas" e a não divergência entre eles e nós. O nosso mundo é animalesco e Guiraudie sabe perfeitamente disso, só é pena que não consiga transmitir essa referida selvajaria sem o requerimento da provocação fácil. Infelizmente, não é outro L’ Inconnu du Lac (Desconhecido do Lago [ler crítica]).

 

Filme visualizado na 69ª edição do Festival de Cannes

 

Real.: Alain Guidaurie / Int.: Damien Bonnard, Christian Bouillette, Laure Calamy, India Hair

 

thumb_3358_media_image_586x370.jpg

4/10

publicado por Hugo Gomes às 12:20
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Cannes! Here I go.

Trailer: Claire's Camera,...

Sónia Braga será Irmã Lúc...

Conheçam o Palmarés do 14...

Trailer da sequela de Bue...

Primeiras imagens do novo...

Trailer de «Jeannette», u...

Morreu Nelson Xavier

Falando com Paul Vecchial...

King Arthur: Legend of th...

últ. comentários
Malick não anda bem. Não acho que seja preguiça. S...
Vi. Infelizmente. Ridículo. Excalibur de John Boor...
Um grande ator também do teatro brasileiro.
A Sônia Braga é fantástica! Esperemos que seja mel...
Mais um filme estrangeiro para a lista!
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO