Data
Título
Take
12.5.16

Vertical, Na.jpg

O conto de fadas de Guidaurie!

 

Com fortes traços "Bressianos", Alain Guiraudie continua a sua jornada pela inaturalidade (a maneira como as personagens falam, atuam e reagem, bem como as situações que acontecem), da mesma forma que vincula com a natureza quase animalesca das imagens. Esse factor natural continua presente na sua obra, a água como elemento de fuga, o bosque como retiro espiritual e emocional e a "besta" como um crescente incógnito.

 

459787.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

 

Para o realizador, este Staying Vertical é uma alusão ao conto de fadas, aos cavaleiros andantes e a suas intermináveis cruzadas, neste caso um jovem cineasta, Leo (Damian Bonnard), que procura lobos no Sul da França, deixando-se seduzir por uma pastora de espírito livre, Marie (India Hair). Nove meses depois, nasce uma criança, fruto dessa relação, mas em consequência de uma depressão pós-parto, Leo torna-se unicamente responsável pelo seu filho. Aprendendo a ser um pai "à força", o nosso protagonista terá que lidar com todas as adversidades que lhe surgem no caminho no intuito de proteger o seu "rebento", porém, existem fantasias internas que teimam em não desaparecer.

 

staying-vertical.jpg

 

São fantasias, essas, que atribuem à fita o seu "quê" de onírico, aquela aceitação com o primitivismo natural e a fusão desta com a real narrativa tornam Staying Vertical num tremendo trabalho "exquisite", de rara beleza. Mas Guiraudie tem falhas, e muitas, neste retrato de estranheza e de visuais explícitos. O enredo é desfeito pela divagação nesse mesmo "mundo" e a inverosimilhança, aqui indiciada, contrai um humor "involuntário", demasiado negro, sabendo que não são esses os propósitos de um filme assumidamente poético.

226717.jpg-r_1280_720-f_jpg-q_x-xxyxx.jpg

 

Entre o enxugamento sexual e a ousadia do politicamente incorrecto, Staying Vertical adquire grandeza na sua sequência final, que comprova as compaixões entre "bestas" e a não divergência entre eles e nós. O nosso mundo é animalesco e Guiraudie sabe perfeitamente disso, só é pena que não consiga transmitir essa referida selvajaria sem o requerimento da provocação fácil. Infelizmente, não é outro L’ Inconnu du Lac (Desconhecido do Lago [ler crítica]).

 

Filme visualizado na 69ª edição do Festival de Cannes

 

Real.: Alain Guidaurie / Int.: Damien Bonnard, Christian Bouillette, Laure Calamy, India Hair

 

thumb_3358_media_image_586x370.jpg

4/10

publicado por Hugo Gomes às 12:20
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Harvey Weinstein expulso ...

Arnaud Desplechin com nov...

Arranca hoje o 22º Cine'E...

Seguimos de viagem com o ...

Falando com José Pedro Lo...

The Foreigner (2017)

TRAÇA apresenta segunda e...

Luc Besson tem novo proje...

Le Fils de Jean (2016)

Novos actores na sequela ...

últ. comentários
Boas biopics são os verdadeiros e honestos retrato...
Boa Tarde; enviei-lhe um email para o seu email. O...
Uma Jóia do Cinema. O Kubrick sempre foi muito sub...
Já tinha visto este trailer e antes de ver fiquei ...
O Nuno Lopes tem anunciado no Instagram e no Faceb...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO