Data
Título
Take
2.6.14

De volta aos Monstros!

 

Com o anúncio de uma nova versão de Godzilla em Hollywood, muito se questionou sobre a criatividade (ou melhor, a falta dela) no cinema comercial norte-americano, cada vez mais reduzido a sequelas, spin-offs, prequelas, reboots e outras fidelidades com já concretizadas matérias-primas. Todavia, a opinião pública mudou, talvez um pouco, com um outro anuncio - Gareth Edwards, a prova viva de talento artístico deste início de década com Monsters, encontrava-se anexado ao projecto. Tendo a noção que desde sempre o cinema de monstros, ou filmes kaijus (denominação popular no Japão), sempre fora desejo do jovem e promissor cineasta, então talvez este ressuscitar do Rei dos Monstros tenha algo mais do que o pressuposto.

 

 

Criado em 1954 pelos estúdios Toho como uma alternativa ficcional de retratar os horrores e consequências das radiações nucleares, como também "exorcizar" os fantasmas de Hiroshima, cedo Godzilla se converteu num ícone, num herói nacional, uma metáfora social que com o tempo dá lugar a uma veia acentuada do trash. Os americanos sempre foram fascinados na relevância desta figura cinematográfica, ansiosos para transporta-lo para o panorama norte-americano. Contudo essa transgressão deu-se em 1998 com Roland Emmerich, saído do êxito de Independence Day, a abordar o monstro japonês como um primo afastado da tendência Jurassic Park de Spielberg e todo um enredo banalizado por estereótipos e os suspeitos do costume que transformaram-no num filme repudiante para os fãs e não só. Godzilla de Emmerich foi mais tarde homenageado num novo capítulo da original saga japonesa, Godzilla: The Final Wars (2004), como Zilla, um antagonista que na intriga acusa directamente os americanos de o terem confundido com o monstro original. Por estas e outras razões um revisitar às terras hollywoodescas seja motivo que chegue para que qualquer aficionado torcer o nariz, mas o resultado é mais directo e sincero que o previsto, aliás é a vertente mais série Z das sequelas oficiais que mais salienta-se aqui.

 

 

Gareth Edwards abandona as produções de baixo orçamento e revigora os efeitos visuais (e sonoros, excelentes nesse campo) para sintetizar o conhecimento aprofundado pela saga em questão (o medo da radiação foi actualizado para alusões ao desastre de Fukushima). Contudo um dilema deve ser feito para que não acha confusões - Godzilla de Edwards sobrevive dos efeitos visuais? Sim, sobrevive. E nisso o filme é claro desde o início, aliás este é um daqueles e escassos casos em que os seus defeitos fílmicos, alguns deles mais que banalizados nas produções deste género, tornam-se nas suas virtudes. A começar pela fraca aptidão de personagens, um leque secundário nulo e inútil que não são mais do que meras chaves de acesso na intriga, o arranque deste segue neles. São estereótipos ou figuras generalizadas que se encontram no filme com um simples propósito de informar o espectador do que se está decorrer (como no caso dos personagens de Ken Watanabe e Sally Hawkins), de guiar o protagonista ao enredo (Bryan Cranston) ou para simplesmente humanizar e salientar o lado heróico dos humanos (Aaron Taylor-Johnson) como manda a tradição dos blockbusters sérios de Verão.

 

 

Ou seja, tudo está lá para um motivo apenas, conduzir o guião até o grande atractivo do filme, que é esse mesmo - Godzilla - arrastado para segundo plano, bem que Gareth Edwards prova nisso ser conhecedor dos filmes de monstros e não só, como executando um veio influente de Jaws de Steven Spielberg, onde o tubarão antagonista é revelado apenas no último acto do filme. A partir daqui é fácil um grande fã da criatura sentir pele de galinha, os efeitos visuais são incríveis, as sequências de destruição são avassaladoras e respeitosas à tensão requerida e por fim, Gareth Edwards sob o argumento da entrega, não se cede ao descalabro gratuito, e tal como havia feito em Monsters, o efeito de sugestão (mesmo que mais reduzido) está presente. Godzilla está vivo e indiscutivelmente continua como título de Rei dos Monstros, tributado como uma criatura digital que verdade seja dita, tem tanta personalidade como qualquer vestimenta de borracha.

 

 

Este é um filme modesto na sua promessa, sem grandes aspirações de se tornar algo mais do que bigger than life, e possuir de uma astúcia algo rara no cinema industrializado norte-americano nos dias de hoje. Apesar da inexistência de personagens, Godzilla de Gareth Edwards é já guilty pleasure deste ano.       

 

The arrogance of men is thinking nature is in their control and not the other way around. Let them fight.”

 

Real.: Gareth Edwards / Int.: Aaron Taylor-Johnson, Bryan Cranston, Ken Watanabe, David Strathairn, Sally Hawkins, Elizabeth Olsen, Juliette Binoche

 

 

Ver também

Godzilla (1998)

Gojira (1954)

 

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 16:05
link do post | comentar | partilhar

1 comentário:
De Carolina MP a 3 de Junho de 2014 às 00:31
BOA GODZILLA!!!!!! XD


Comentar post

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Harvey Weinstein expulso ...

Arnaud Desplechin com nov...

Arranca hoje o 22º Cine'E...

Seguimos de viagem com o ...

Falando com José Pedro Lo...

The Foreigner (2017)

TRAÇA apresenta segunda e...

Luc Besson tem novo proje...

Le Fils de Jean (2016)

Novos actores na sequela ...

últ. comentários
Boas biopics são os verdadeiros e honestos retrato...
Boa Tarde; enviei-lhe um email para o seu email. O...
Uma Jóia do Cinema. O Kubrick sempre foi muito sub...
Já tinha visto este trailer e antes de ver fiquei ...
O Nuno Lopes tem anunciado no Instagram e no Faceb...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO