Data
Título
Take
26.1.15

The-Dark-Valley-poster.jpg

Entre os vales da morte!

 

A história da mais recente aposta cinematográfica de Andreas Prochaska decorre nos longínquos Alpes, num obscuro vale onde encontramos uma remota vila, governada de forma tirânica por uma família de irmãos. Certo dia, nas vésperas da chegada do Inverno, um desconhecido chega à referida vila em busca de asilo. Visto com desconfiança por parte dos habitantes, o desconhecido fica assim instalado, mas sob constante observação por parte dos irmãos Brenner. Pouco tempo depois deste episódio, começam a ocorrer misteriosos crimes no sombrio vale, ficando o desconhecido associado aos mesmos.

 

the-dark-valley-4.jpg

 

Das Finstere Tal (O Vale Negro) funciona como uma vasta menção de referências, quer cinematográficas ou literárias, para que no fundo opere como um simples filme de vingança, onde o estético é sobretudo salientado. Tudo começa com uma invocação do western profundo (neste caso podemos apelidar de "eastern", tendo a origem da produção), convertendo gradualmente numa variação à memória de Agatha Christie, tentando até certo ponto elaborar um "whodunit", até se moldar ao referido desfecho. Contudo, o seu trajecto é desenvolvido de forma pausada e pouco apressada, ao mesmo tempo que incute um ritmo estilístico na sua narrativa.

 

the-dark-valley-3.jpg

 

O Vale Negro beneficia ainda da paisagem envolvente, cujo longínquo vale é simbiótico em transmitir uma aura de desolação e silenciosa misericórdia. No centro desta intriga encontramos Sam Rilley, o actor inglês que desempenha o sujeito desconhecido, dotado de poucos diálogos (o actor teve que falar alemão). É carismático o suficiente para conduzir o espectador a tornar-se o seu cúmplice. Uma cumplicidade que nos fará esquecer moralidades, maniqueísmos e  "politiquices" correctas, inquestionavelmente ligadas ao leque de "malfeitores", roçando o pastiche.

 

the-dark-valley.png

 

Para terminar esta jornada que termina por ser igual a tantos outros filmes, não se deve negar a sua envolvência emocional. É a sua banda sonora, principalmente os trechos de One Two Three and A Tiger e de Lana Sharp que transmitem uma essência mais alternativa a estes "vales da morte". Um agradável entretenimento, sem duvida.

 

Filme visualizado no KINO – Mostra de Cinema de Expressão Alemã 2015

 

Real.: Andreas Prochaska / Int.: Sam Riley, Tobias Moretti, Helmuth Häusler

 

20148117.jpg

 

6/10
tags: , ,

publicado por Hugo Gomes às 21:18
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Jean-Pierre Verscheure na...

KINO regressa com a sua 1...

Trailer de Ghostland, o n...

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

Jeanne! será o próximo fi...

Pop Aye (2017)

Quote #8: All Abou Eve (J...

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO