Data
Título
Take
13.9.14

Realidades expostas!

 

O maior trunfo de Coherence é encontrar coerência no absurdo, pelo menos é o que à partida grande parte dos espectadores irá julgar. A primeira obra de James Ward Byrkit foi concebida inicialmente como ideia a de concretizar um filme sem equipa técnica e argumento, tendo como set a sala de estar do próprio realizador. Contudo, o dito argumento surgiu de pára-quedas a Byrkit (que também escreveu o filme), que fascinado pela raciocínio cientifico, decide então executar o guião para o grande ecrã, dando origem a uma complexa obra que desafia as próprias leis da industria cinematográfica do género.

 

 

Em Coherence não encontramos nenhuma distopia evidente, nem mesmo uma revisita aos lugares-comuns. Tudo se resume a um filme de baixo orçamento muito limitado em recursos e com atores sob o efeito do improviso, mas munidos por um trunfo: um argumento eficaz em conceber uma credível explicação ao sucedido - mesmo quando se trata de mexer em temas como física quântica, metafísica e outras teorias difíceis de engolir. Muitas dessas disciplinas soam como "chinês" para a maioria dos espectadores, mas tais são adaptadas de uma forma concebível e perceptível. É o conceito de Schrödinger (as diferentes realidades e possibilidades em convivência lado-a-lado) levado ao grande ecrã, em comunidade com a fantasia descrita por Byrkit.

 

 

Coherence é uma pequena surpresa no seu campo. Envolvente, astuto, quase sem falhas na sua concepção, com um elenco que consegue aperfeiçoar as suas respectivas personagens, com principal destaque para Emily Baldoni (uma actriz quase condenada a pequenos papéis televisivos), e atmosférico o suficiente para nos transportar para a sua realidade (um ponto a favor na música composta por Kristin Øhrn Dyrud). Ou seja, eis um exercício cientifico posto e transitável à prova. Uma recomendação: para quem é aficionado por ficção cientifica inteligente, mas saturado do histerismo cinematográfico do costume, não pode perder este Coherence.

 

Filme visualizado no MOTELx 2014: Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa

 

Real.: James Ward Byrkit / Int.: Emily Baldoni, Maury Sterling, Nicholas Brendon

 

 

7/10

publicado por Hugo Gomes às 23:05
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Anne Hathaway em novo fil...

Rabid terá remake!

Robert Pattinson trabalha...

Ira Sachs filmará em Port...

Den of Thieves contará co...

Melissa McCarthy em filme...

Sony pode "desistir" de p...

Uwe Boll acusa Paul Thoma...

Morreu Jóhann Jóhannsson,...

Morreu John Gavin, ator q...

últ. comentários
Notícia triste, mais um talento do qual nos desped...
Ridículo. Não são os únicos posters desta "naturez...
A Vida Íntima de Sherlock Holmes: 5*Acho o filme e...
Estava convencido que fosse o There Will Be Blood....
Para mim, The Master.
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO