Quarta-feira, 31 de Agosto de 2016
31.8.16

Ben-Hur.jpg

O "épico" de hoje?

 

Não, de maneira nenhuma precisaríamos de outra versão cinematográfica de Ben-Hur, a história ficcional cruzada com um dos mais importantes capítulos bíblicos, mas visto que temos que "gramar" com mais um … cá vamos então! Tudo começou com um livro escrito pelo devoto General Lew Wallace que chegou ao grande ecrã, pela primeira vez, em 1925. Durante o espaço (desde a sua criação literária a este "embrião" de épico que assistimos em 2016), surgiu a epopeia de 1959, um colosso filme de William Wyler que revelou-se numa mostra de grandeza de uma Hollywood agregada a majors e produções sem precedentes.

 

556137.jpg

 

Protagonizado por Charlton Heston, que viria a tornar-se no galã de épicos de longo fôlego, esse Ben-Hur fez História dentro do circuito cinematográfico da altura, arrecadou uns impressionantes 11 Óscares, um feito que seria mais tarde "batido" por James Cameron e o seu trágico naufrágio ao som de Celine Dion. Obviamente que este novo Ben-Hur não irá triunfar com a mesma dezena de estatuetas (uma piada fácil que fora optada pela imprensa norte-americana), porém, seria de esperar um outro tipo de tratamento em relação às tão famosas adaptações.

 

872e5d926afa7d6fe303bb2c58bc9e09.jpg

 

Sim, heresias à parte, este equivoco de Timur Bekmambetov é o mais tolerável das versões cinematográficas por um simples facto - é em comparação com os outros três o menos evangélico, cristalizado, e o mais ambíguo no que requer ao retrato "demonizado" dos romanos, os perfeitos antagonistas e … pagãos, como é referido no filme de 1925. Claramente, que essa faceta "humanitária" deriva de um século (hoje vivido), em que questionamos e pensamos sobre o fundamento da religião e das ideologias dos de crença oposta. Nesse termo, são pequenas as provocações (tal como sucedera em Exodus, de Ridley Scott), mas é evidente que esta tentativa de afastar-se o quanto possível do cristianismo intolerante das obras anteriores é, não um feito, mas um esforço que faz com que Ben-Hur seja readaptado às mais diferentes audiências. Aliás, esse vector de pensamento é evidente no, por fim, vislumbre de Jesus Cristo (aqui interpretado por Rodrigo Santoro), uma figura ocultada pelas produções anteriores porque simplesmente seria blasfémia atribuir uma cara ao Nazareno em uma história ficcional do século passado.

 

ben-hur-movie-pic.jpg

 

Todavia, vamos ser sinceros, mesmo que fraudulento e movido com a maior das preguiças (a edição é uma lastima), este Ben-Hur ganha aos pontos à adorada versão Wyler pela naturalidade (ou pela aproximação) nos desempenhos. Afastando-se do exagero overacting, e do charlatão Charlton Heston. Mas perde, novamente na comparação, no ponto menos improvável - qualidade de produção - Ben-Hur de 1959 continua imbatível nesses termos; numa realização orgânica, uma edição monstruosa e quase sem falhas (a corrida continua, depois destes anos todos, no auge da acção cinematográfica) e os cenários construídos que atribuem uma textura impressionável. Agora, com o de 2016, face aos avanços tecnológicos, temos um produto estival, demasiado corriqueiros e igualmente desastrado. Quanto à famosa e mortal corrida no coliseu … nada a fazer … uma sequência "engasgada" onde ninguém parece perceber bem o quê.

 

entretenimento-filme-ben-hur-rodrigo-santoro-20160

 

Certamente, não iríamos apostar num "novo clássico", mas o filme de Timur Bekmambetov não deixa dúvidas - o épico morreu em Hollywood - e ninguém parece importar com qualidade produtivas (actualmente o único a operar efectivamente em grandes produções hollywoodianas é Christopher Nolan, fica a provocação). Uma afronta para actores (Toby Kebbel condenado a outro "flop" de Verão), aos envolvidos (penso que ninguém se orgulhará proclamar que fez parte da produção) e ao público que cresceu a "venerar" a versão de William Wyler e que encontra aqui um tremendo e prolongado videoclipp narrado por Morgan Freeman. Ah! Já me ia esquecendo, quanto a evangelizações, este Ben-Hur tem outro ponto contra, possui o final mais moralmente "tosco" das mencionadas três versões.

 

Real.: Timur Bekmambetov / Int.: Jack Huston, Toby Kebbell, Rodrigo Santoro, Nazanin Boniadi, Morgan Freeman, Haluk Bilginer, Pilou Asbæk, James Cosmo

 

A4xbEpe9LevQCdvaNC0z6r8AfYk.jpg

 

4/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 22:48
link do post | partilhar

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Poirot não descansa! Avan...

Ghost Dog terá sequela!

A Liga da Justiça decepci...

Primeiro vislumbre da seq...

Arranca o 11º LEFFEST – L...

The Square (2017)

Pedro Pinho avança com no...

Justice League (2017)

Hitman será série de tele...

Vem aí novo spin-off de S...

últ. comentários
Nice. Ansioso por ler a crítica e a entrevista ent...
Rapaz, o Lucky já o vi em visionamento de imprensa...
Em quais sessões estás interessado? Amanhã vou ver...
Ando por lá, sim, nem que seja só para entrevistas...
Aquela música, meu! Voltei a ser criança. Hugo, pe...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO