Data
Título
Take
7.9.17

Suicide-Squadblu-12132016.jpg

Gavin O'Connor (The AccountantWarrior) foi o escolhido para realizar e escrever o segundo filme da saga Esquadrão Suicida (Suicide Squad), substituindo assim David Ayer. Recordamos que na lista de candidatos encontravam-se nomes como Mel Gibson e Jaume Collet-Serra. Quanto ao elenco, o regresso de Margot Robbie, Jared Leto e Will Smith estão confirmados. 

 

Baseado numa banda-desenhada que originalmente surgiu em The Brave and the Bold, Esquadrão Suicida foca-se inicialmente na história de um grupo de vilões recrutados para combater uma terrível ameaça. O primeiro filme estreou ano passado e apesar das péssimas críticas, conseguiu arrecadar mais de 745 milhões de dólares em todo o Mundo.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

tags:

publicado por Hugo Gomes às 01:47
link do post | comentar | partilhar

6.9.17

Colin_Trevorrow-1536x864-271106481971.jpeg

O The Hollywood Reporter avançou que Colin Trevorrow encontra-se fora da realização de Star Wars: Episódio IX. O comunicado oficial da Lucasfilm apontou divergências criativas entre o estúdio e o realizador:

 

A Lucasfilm e Colin Trevorrow decidiram mutuamente encerrar a parceria em Star Wars: Episódio IX. Colin foi um excelente colaborador no processo de desenvolvimento, mas foi concluído que as nossas visões para o projecto são dispares. Desejamos o melhor para Colin e anunciaremos em breve mais informações sobre o filme.

 

Segundo a fonte, o principal motivo do conflito encontrou-se no argumento concebido pelo próprio Trevorrow. Porém, rumores apontam que a má recepção do seu filme, The Book of Henry, com Naomi Watts e Jacob Tremblay, poderá ter sido um dos motivos do afastamento.

 

A Lucasfilm prometeu revelar um novo realizador em breve, existe especulações que Rian Johnson poderá repetir a façanha, visto estar por detrás do episódio anterior. Star Wars: Episode IX tem estreia prevista para Maio de 2019.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 15:04
link do post | comentar | partilhar

4.9.17

1475068330804.jpg

A Sony poderá preparar um filme baseado na personagem Nightwatch, apelidado pelos fãs dos comics como o Spawn da Marvel.

 

Este projecto irá integrar uma série de spin-offs envolventes do Universo de Spider-Man (Homem-Aranha). Universo, esse, despertado pelo sucesso da colaboração Sony com a Marvel Studios, Spider-Man: Homecoming [ler crítica]. Segundo algumas fontes, o próprio Spike Lee poderá escrever e dirigir esta incursão cinematográfica, o estúdio não desmente os rumores.

 

Recordamos que neste "Universo" já se encontra agendado um filme sobre Venom, o grande vilão de Homem-Aranha, que será encarnado por Tom Hardy, e ainda Silver & Black, sobre as anti-heroínas Silver Sable e Black Cat, com direcção de Gina Prince-Bythewood (Love & Basketball).

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 14:41
link do post | comentar | partilhar

Os segredos que a Cal esconde, Luciana Cabral e Lu

Arranca hoje o 20º Festival Brasileiro de Cinema Universitário (FBCU). A cidade de Rio de Janeiro e Niterói recebe até dia 10 de Setembro, uma mostra de curtas-metragens de estudantes de universidades e de escolas de Cinema de todo o Brasil.

 

É um importante evento que para além de realçar e revelar as futuras novas gerações de cineastas do país, tende também em incentivar a produção cinematográfica no Brasil, em confronto com a actualidade cultural que se vive (recordamos que em 2016 a edição foi interrompida face a tais conturbações). “Actualmente no Brasil, um festival de cinema chegar à vigésima edição é motivo de comemoração. E é bom lembrar que este ano tudo está sendo realizado como um verdadeiro ato de resistência”, afirma Aleques Eiterer, um dos coordenadores da FBCU.

 

O público poderá nesta 20ª mostra mais de 81 filmes, concorrendo para várias secções competitivas. Este ano, o festival terá a Sessão Acessível e a Mostra Cineclube nas Escolas, com produções de alunos da rede municipal do Rio.

 

Para mais informação, ver aqui

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 13:42
link do post | comentar | partilhar

luismiguelcintra_silvestre.png

Fica o desafio, será que existe actor tão familiar no Cinema Português que Luís Miguel Cintra? É com base nessa “familiaridade”, que a Cinemateca Portuguesa dedica um ciclo em homenagem a uma das caras, corpo e voz, mais presentes da nossa cinematografia, o predileto de muitos cineastas como Manoel de Oliveira ou Paulo Rocha, assim como do teatro, tão vincando na fundação da Cornucópia. Ciclo, esse, que arrancará já nesta segunda-feira (04/09) com as suas colaborações com João César Monteiro (Quem Espera por Sapatos de Defunto Morre Descalço) e com Solveig Nordlund (Nem Pássaro Nem Peixe), que serão projetados numa única sessão, a ter inicio às 21h30 na Sala M. Félix Ribeiro.

 

Um “aperitivo” para um tributo que se prolongará neste mês de Setembro, com sessões dedicadas à sua filmografia, passando pelo seu trabalho no cinema nacional, assim como internacional (The Dancer Upstairs de John Malkovich). Para além destes, a Cinemateca dará Carta Branca ao actor para escolher alguns dos filmes que mais influenciaram o seu percurso como artista, entre os quais destaca-se The Birds de Alfred Hitchcock, o Acto da Primavera de Manoel de Oliveira, e The Immortal Story de Orson Welles.

 

Mais informações, ver aqui.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 01:51
link do post | comentar | partilhar

1.9.17

makk_kaaroly.jpg

Um dos mais prestigiados cineastas húngaros, Károly Makk, morreu no passado dia 30 de Agosto (esta quarta-feira). Tinha 91 anos, deixando para trás uma carreira plena, mas não devidamente laureada.

 

Nascido a 22 de Dezembro, de 1925, Makk perseguiu o sonho de uma carreira no Cinema desde cedo. Estudou História de Arte na Universidade de Pázmány Péter, mas trocou esse percurso para realizador, licenciando-se na Academia de Artes Dramáticas e Cinematográficas em Budapeste. O seu primeiro filme foi Gyarmat a föld alatt (1951), porém, só iria receber reconhecimento três anos depois com a comédia Liliomfi (1954) e quase duas décadas depois com Love (Amor, 1971), um filme que marcou em cheio uma Hungria comunista e que conquistou o Prémio de Júri do Festival de Cannes. Festival, esse, que Károly Makk concorreria diversas vezes à Palma de Ouro, apenas conseguindo, para além do referido prémio anterior, o de Melhor Atriz em 1984 para Jadwiga Jankowska-Cieślak no filme Another Way (Outra Forma de Amar). O seu Cats' Play (Macskajáték, 1972) obteve uma nomeação ao Óscar de Filme de Língua Estrangeira em 1974.

 

Na sua carreira destaca-se ainda a sua adaptação do Jogador de Fyodor Dostoevsky (1997), uma produção falada inglês com Michael Gambon, A Long Weekend in Pest and Buda (Egy hét Pesten és Budán, 2003), que teve as honras de abrir o Festival de Moscovo, e o seu último filme, o pouco conhecido The Way You Are (Így, ahogy vagytok, 2010). Até à altura da sua morte, exercia o cargo de presidente da Academy de Literatura e de Artes de Széchenyi.

 

Károly Makk (1925 - 2017)

 


publicado por Hugo Gomes às 17:53
link do post | comentar | partilhar

8459c7de-6ae2-41b8-9694-47215f88b3cd.jpg

Arranca hoje o 4º Ciclo Topografias Imaginárias, um programa de cinema ao ar livre e visionamentos comentados sob o tema "Lisboa, cidade do Sul".

 

Organizado pelo Arquivo Municipal de Lisboa - Videoteca e, sendo este ano, integrado no Passado e Presente - Lisboa, Capital Ibero-Americana de Cultura 2017, Topografias Imaginárias irá se realizar nos primeiros dois fins-de-semana de Setembro (dias 1, 2, 3, 8, 9 e 10), num percurso de seis paragens em locais menos óbvios da capital (Ponte Vasco da Gama, o Museu da Carris, a Quinta do Alto, em Alvalade, o Vale Fundão, em Marvila, o Miradouro de Santo Amaro e o Teatro de Carnide).

 

illusion-travels-by-streetcar-1954.jpg

Aí, serão exibidos mais de onze filmes, interligados por uma experiência sensorial por uma outra Lisboa, aquela cidade longe dos olhos dos turistas e dos postais de visita, e unificado pelo Cinema. O público será guiado por alguns dos próprios realizadores dos filmes inseridos,  de José Filipe Costa, Salomé Lamas e Dominga Sottomayor, passado também por investigadores, críticos e historiadores (como Eduardo Victorio Morettin, João Mário Grilo, Tiago Baptista, Olivier Hadouchi, Maria do Carmo Piçarra, entre outros). No programa serão vistos e revistos excertos dos filmes, que em conformidade com os comentários exercidos prepararão o público para uma viagem onde é possível imaginar e topografar o Sul, sendo mais tarde devidamente explorado nas sessões de cinema ao ar livre. A entrada é livre e o transporte gratuito.

 

Entre os filmes podemos contar com El Dorado XXI de Salomé Lamas, O Caso J. de José Filipe Costa, O Outro País de Sérgio Tréfaut, Zéfiro de José Álvaro de Morais, e ainda os clássicos La illusión viaja en tranvia de Luís Buñuel e O Descobrimento do Brasil de Humberto Mauro.

 

A programação completa e mais informações podem ser consultadas aqui e aqui.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 12:15
link do post | comentar | partilhar

30.8.17

38115-Palazzo_del_Cinema_2017_Set_up____La_Biennal

Está tudo de olhos postos em Veneza. O festival de cinema mais antigo do Mundo comemora a sua 74ª edição com uma programação mediática e, como já parece ser tradição, com “palpites” para alguns dos candidatos aos Óscares de 2018. Depois de Cannes ter falhado na sua seleção norte-americana que segundo as más línguas se deveu ao facto de Thierry Frémaux, o delegado-geral, ter estado demasiado envolvido na promoção do seu livro do que supostamente na procura destes filmes, cujo os olheiros de Veneza não deixaram que se tivessem perdido. Resultado, Alexander Payne, George Clooney, Darren Aronofsky, Paul Schrader e Guillermo Del Toro, serão os braços fortes de Hollywood a competir pelo cobiçado Leão de Ouro.

 

Mas a tarefa não será fácil para os americanos, muito se espera das novas produções de Abdellatif Kechiche, que após ter falhado Cannes promete ser um “osso duro de roer” no certame veneziano, o nipónico do momento Koreada Hirakazu, e os conterrâneos Paolo Virzi, Sebastiano Risio e os irmãos Manetto. Salienta-se também a curiosidade em torno do documentário do artista plástico e ativista Ai Weiwei, Human Flow, sobre a crise dos refugiados, tema que costuma vingar neste tipo de Festivais.

 

zama.jpg

 

Apesar de não existir nenhuma produção portuguesa nas principais secções, teremos uma promissora presença, a do o director de fotografia Rui Poças que se encontra envolvido na cinematografia de Zama, a mais recente longa-metragem de Lucrecia Martel, uma adaptação da novela histórica de Antonio Di Benedetto em Fora de Competição.

 

Um dos destaques desta 74ª programação é a entrega do Leão de Carreira para os actores Robert Redford e Jane Fonda, algumas das mais icónicas faces da Nova Hollywood. A entrega decorrerá no dia 1 de Setembro, depois da exibição de Our Souls at Night, do realizador indiano Ritesh Batra (A Lancheira), um filme original da Netflix que se encontra presente Fora de Competição. Protagonizado pela dupla em questão, a obra remete-nos a dois viúvos que conviveram como vizinhos durante anos, assombrados pelas suas escolhas do passado e unidos pela compaixão mutua.

 

650_1200-0.jpg

 

Apesar do clima festivo, a celebração do cinema, quer das mais recentes apostas contemporâneas, quer das ligações com o passado (a projecção de cópias restauradas de filmes de Godard, Mizoguchi, Antonioni, Whale, Klimov, Landis, entre outros), o Festival de Veneza encontra-se assombrado pelo fantasma do terrorismo. De forma a prevenir qualquer desses cenários, o festival deste anos reforçou a sua segurança, com uma aumento significativo de 30% de agentes da autoridade, vários deles à paisana, câmaras, assim como novas medidas de segurança e de prevenção.

 

O 74º Festival de Veneza arranca hoje prolongando até 9 de Setembro.

 

downsizing.jpg

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

 


publicado por Hugo Gomes às 11:49
link do post | comentar | partilhar

28.8.17

mireille-darc-photo-429680-0@1x.jpeg

Morreu nesta segunda-feira (28 /08), a actriz Mireille Darc, um dos ícones dos cinema francês dos anos 60, com carreira plena na década de 70. Tinha 79 anos.

 

Mireille Aigroz (nome de baptismo) iniciou a sua carreira em 1960, ano que é lançado um telefilme (Du côté de l'enfer), uma curta-metragem (La Revenante) e o seu grande passo, Les Distractions, de Jacques Dupont, um filme protagonizado pelo na altura ascendente Jean-Paul Belmondo. Depressa, Mireille Darc (adoptou esse nome artístico em homenagem à sua heroína Joana D'Arc) tornou-se hiperactiva, tendo vingando sobretudo no género da comédia francesa, destacando a sua colaboração com o realizador Roger Vadim (La Bride sur le Cou / Uma Mulher sem Freio, ao lado da mega-estrela Brigitte Bardot) e nos enésimos trabalhos ao lado do cómico Louis de Funès (Le diable et les 10 commandements, Pouic-Pouic).

 

MV5BMTQzNTg5OTgxN15BMl5BanBnXkFtZTgwOTY0NTM1NTE@._

 

Contudo, tornou-se numa presença habitual na filmografia de Georges Lautner, tendo trabalhando com o realizador mais de 13 vezes, e ainda foi a protagonista de Week End, do proeminente Jean-Luc Godard. Foi companheira por mais de 15 anos com Alain Delon, a sua carreira sofreu uma interrupção nos anos 80 (em 1989 dirigiu uma longa-metragem, Le Barbare, sem êxito), tendo regressando com diversos papeis televisivos na década seguinte até ao fim dos seus dias.

 

Foi distinguida em 2006 com a Legião de Honra, a actriz  tornou-se a 'madrinha' da associação La Chaîne de l'Espoir, tendo dedicado nos seus últimos anos a acções de caridade.

 

Mireille Darc (1938 - 2017)

 


publicado por Hugo Gomes às 13:57
link do post | comentar | partilhar

27.8.17

tiehooper3.jpg

Tobe Hooper, o lendário realizador de O Massacre do Texas, morreu. Tinha 74 anos e a causa da morte ainda não foi confirmada.

 

Nascido em Austin, Texas, em 1943, no dia 25 de Janeiro, Hooper começou a sua carreira no Cinema como documentarista, sendo Eggshell (1963), uma viagem psicadélica e hippie na sua primeira longa-metragem. Contudo, o realizador iria entrar na História do Cinema com Texas Chainsaw Massacre (O Massacre no Texas, 1974), um conto gore inspirado no serial killer Ed Gein que chocou tudo e todos, mas mesmo assim teve uma brilhante apresentação no Festival de Cannes. De baixo orçamento, efeitos quase caseiros e um equipa muito reduzida trabalhando em condições adversas, o filme o levou ao estatuto de promessa, não apenas do género, mas do cinema cada vez mais libertino que despertava na década de 70.

 

3016628-poster-p-1-leatherface-speaks-chainsaw-mas

Tobe Hooper iria mais tarde regressar ao tema com Eaten Alive (1976), obra em plena fase de revisionismo, e a sequela de Texas Chainsaw Massacre em 1986, hoje tido como um dos apogeus do comedy horror dos anos 80. Mas antes de regressar ao Texas sangrento depois de outras variações com algum sucesso (a versão televisiva de Salem's Lot em 1979, e Fun House em 1981), havia trabalhado com Steven Spielberg no muito atribulado Poltergeist (1982), que apesar de tudo consistiu num grande êxito de bilheteira.

 

O realizador passou por uma "fase de outro mundo", mais precisamente em 1985 e 1986, com Lifeforce e Invaders from Mars respectivamente, duas peculiares versões de invasões alienígenas, e após apostar na televisão no final da década de 80, tenta regressar ao território do terror com o Spontaneous Combustion (1990), Night Terrors (1993) e The Mangler (1995), e mais tarde, Toolbox Murders (2004), Mortuary (2005) e Djinn (2013), mas sem sucesso. O terror havia transformado e Tobe Hooper não tinha lugar no antigo "lar", que apesar dos seus esforços em reafirmar-se no género, seria para sempre recordado de forma saudosista como o "criador de Massacre no Texas", reputação que o perseguiria até ao fim dos seus dias.  

 

Tobe Hooper (1943 - 2017)

 


publicado por Hugo Gomes às 12:31
link do post | comentar | partilhar

26.8.17

destaque-1503655193.jpg

A actriz, e agora realizadora Vanessa Redgrave, vai estar presente em Lisboa durante a Festival Internacional de Cultura de Cascais, assim como para a apresentação do seu documentário, Sea Sorrow.

 

Tendo estreia especial no último Festival de Cannes, o filme assumiu-se como uma meditação pessoal da actriz para a com a crise dos refugiados, uma espécie de testemunho do seu trabalho solidário e activista. A sessão, terá lugar no cinema Medeia Monumental no dia 19 de Setembro, contará também com a presença do produtor Carlo Nero e ainda de Lord Alfred Dubs, membro e antigo deputado do Partido Trabalhista, como também activista dos direitos dos refugiados e ex-presidente do Conselho para os Refugiados.

 

Sea Sorrow estreará nos cinemas nacionais a 28 de Setembro.

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 14:32
link do post | comentar | partilhar

23.8.17

DCDesigner_Joker_Bolland_v01_r01_thumb_58952835670

Vem aí um novo filme sobre Joker, desta vez contando com produção de Martin Scorsese e realização de Todd Phillips (A Ressaca, War Dogs). Segundo a Deadline, este projeto sob a alçada da Warner / DC terá como foco a origem do famoso vilão de Batman, centrando a acção nos anos 80 em um estilo muito confundível do género crime / drama.

 

Apesar de Jared Leto ter vestido a pele do “palhaço criminoso” em Suicide Squad (e que repetirá na possível sequela), não irá regressar a este filme, a fonte adianta que Todd Phillips procura de momento uma “cara nova”, até porque este Joker não irá fazer parte do atual Universo Partilhado.

 

Phillips e Scott Silver serão os autores do argumento.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 01:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

20.8.17

1_Tjl2SrJ.jpg

Adeus Jerry Lewis, mais que um cómico, um génio cinematográfico que proliferou na comédia mais do que um mero artificio de gargalhadas, um dispositivo narrativo, morreu este domingo (20 de Agosto) na sua casa em Las Vegas. Tinha 91 anos, e para trás deixa um legado inimitável.

 

Tornou-se famoso com o programa que co-protagonizava com Dean Martin, Martin & Lewis, mas foi no Cinema que converteu-se num ícone. Talvez um autor, como era referido na imprensa europeia, mais do que um comediante. Era rigoroso nas suas temáticas, sempre com desejo de controlar tudo, desde a natureza dos gags, cenários e realização (nesse ramo tornou-se um pioneiro técnico e de técnica). Dirigiu mais de 13 filmes incluindo os bem-sucedidos The Nutty Professor, The Bellboy e Cinderfella. Quanto a The Day the Clown Cried, a história de um palhaço aprisionado pelos Nazis que levava as crianças judias para a câmara de gás, um filme que ainda permanece por lançar, devido à insatisfação de Lewis pelo projecto.

 

Jerry Lewis ainda trabalhou com Martin Scorsese, em The King of Comedy, ao lado de Robert DeNiro. Apresentou os Óscares por mais de 3 vezes. Recebeu em 2009, o Jean Hersholt Humanitarian Award, um Óscar atribuído a personalidades muito dedicadas a causas humanitárias.

 

Jerry Lewis (1926 - 2017)

 


publicado por Hugo Gomes às 20:40
link do post | comentar | partilhar

18.8.17

alec-guinness-star-wars-obi-wan.jpg

O universo de Star Wars irá expandir mais uma vez. Foi anunciado a preparação de um spin-off de Obi-Wan Kenobi, a célebre personagem desempenhada por Alec Guiness na trilogia original e por Ewan McGregor nas três prequelas de George Lucas.

 

Segundo as fontes ouvidas por The Hollywood Reporter, Stephen Daldry (Billy Elliot, The Hours) encontra-se em negociações para dirigir e trabalhar no argumento. Ewan McGregor expressou publicamente interesse em repetir o papel, porém, pelas palavras do próprio “nenhuma proposta ainda foi feita”.

 

Não existe mais informações acerca do filme, nem sequer de que fase da vida de Obi-Wan Kenobi irá retratar.

 

Recordamos que Kenobi é uma das personagens-chaves do universo Star Wars, tendo sido o mestre Jedi de Anakin Skywalker, que mais tarde iria tornar-se no emblemático Darth Vader, e ainda treinou e orientou Luke Skylwalker (Mark Hamill) no filme original de 1977.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.


publicado por Hugo Gomes às 00:38
link do post | comentar | partilhar

16.8.17

sasha-lane.jpg

Sasha Lane, a jovem estrela de American Honey, vai integrar o elenco da nova versão de Hellboy, que terá David Harbour (da série Stranger Things) no papel do homónimo herói. A actriz desempenhará Alice Monaghan, o interesse amoroso do nosso Hellboy.

 

Com a assinatura de Neil Marshall (The Descent, Doomsday), esta nova produção do Universo Hellboy tem o início das filmagens marcado para Setembro. Aron Coleite está presentemente a reescrever o guião original assinado por Andrew Cosby, Christopher Golden e Mike Mignola. Ian McShane será o Professor Bloom, o pai adoptivo de Hellboy, e Milla Jovovich será a vilã, Nimue, também conhecida como a Rainha de Sangue, a maior feiticeira britânica e discípula de Merlin.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

 


publicado por Hugo Gomes às 17:47
link do post | comentar | partilhar

wnCRp2UhVA1x.jpg

Cate Blanchett encontra-se em negociações para interpretar lado de Jack Black em The House with a Clock in its Walls, que contará com direcção de Eli Roth (Hostel, Knock Knock).

 

Baseado numa colecção de livros infanto-juvenis de John Bellair, com ilustrações de Edward Gorey, The House with a Clock in its Walls remete-nos às aventuras de um órfão que passa a viver com o seu tio, descobrindo a sua verdadeira identidade, que se trata de um medíocre bruxo e que um dos seus relógios pode trazer o armagedão. Jack Black vai interpretar o referido tio e Blanchett poderá desempenhará a vizinha e também bruxa.

 

A obra será produzida por Brad Fischer, James Vanderbilt e Eric Kripk.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 12:28
link do post | comentar | partilhar

15.8.17

anya_taylor-joy_split_interview.jpg

A jovem actriz Anya Taylor-Joy (Split) voltará a trabalhar com Robert Eggers (The Witch) num remake de Nosferatu, um clássico do expressionismo alemão de 1922 assinado por F.W. Murnau que se inspira no Conde Drácula para contar a história de um vampiro (o Conde Orlok) que se apaixona perdidamente por uma mulher e traz o terror à cidade dela.

 

Esta nova versão será produzida pela Studio 8 e pelos produtores Jeff Robinov, Jay Van Hoy e Lars Knudsen. Para além do cargo de realizador, Eggers é também autor do argumento, prometendo uma uma "adaptação visceral" do famoso filme mudo protagonizado por Max Schreck.

 

 

Vale a pena lembrar que, em 1979, Werner Herzog levou aos cinemas Nosferatu: Phantom der Nacht. Embora a história seja baseada em Drácula de Bram Stoker, o filme é uma homenagem ao clássico de Murnau, no qual foi criada a personagem Nosferatu pois os produtores não conseguiram os direitos da história original.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 10:12
link do post | comentar | partilhar

11.8.17

7905d79b47e699e18c02d26159532fae.jpg

Em entrevista ao site brasileiro Cine Pop, Luc Besson em promoção ao seu Valerian and the City of a Thousand Planets [ler crítica] expressou nitidamente a sua saturação ao subgénero dos filmes de super-heróis:

 

"Estou completamente cansado. Quero dizer, foi bom há 10 anos quando vimos o primeiro Homem-Aranha e Homem de Ferro. Mas agora, são para aí uns cinco, seis e sete; temos super-heróis a trabalhar com outros super-heróis, mas não são da mesma família. Estou perdido. Mas o que me incomoda mais é eles existem para mostrar a supremacia dos EUA e como são grandes."

 

Em termos particulares, o realizador não poupou as críticas a um herói - Capitão América e a sua envolvência na propaganda norte-americana:"Qual é o país do mundo que teria a coragem de chamar um filme "Capitão do Brasil" ou "Capitão da França"? Quero dizer, ninguém! Ficamos tão envergonhados que até dizemos: 'Não, não, vamos, não podemos fazer isso.' Eles podem. Eles podem chamá-lo de "Capitão América", e todos acham normal. Não estou aqui para propaganda, estou aqui para contar uma história ".

 

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 


publicado por Hugo Gomes às 16:52
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar

8.8.17

3ea050ef57ca0929a9de257cde31d496c7cc4b28445fbd0c3e

Ruth Negga (Loving) junta-se a Brad Pitt e Tommy Lee Jones no elenco de Ad Astra, o filme de ficção cientifica a ser preparado por James Gray (The Lost City of Z, The Immigrant, We Own the Night).

 

Recordamos que o projecto foi anunciado pelo próprio realizador durante uma entrevista à Collider. A intriga acompanhará a viagem espacial de um engenheiro autista, no âmbito de reencontrar o seu pai, desaparecido há anos após partir numa expedição para Neptuno em busca de vida extraterrestre.

 

Em declaração, Gray salientou que no seu novo filme iria criar uma ficção cientifica realista de forma a dar a ideia do Espaço como o ambiente mais hostil para o ser humano. O realizador é autor do argumento, ao lado de Ethan Ross.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 14:15
link do post | comentar | partilhar

7.8.17

Cate_Lucille.jpg

A actriz Cate Blanchett vai interpretar a celebrizada actriz norte-americana Lucille Ball num filme biográfico escrito por Aaron Sorkin (The Social Network) e produzido por Lucie Arnaz e Desi Arnaz Jr., filhos da antiga estrela de I Love Lucy (série transmitida entre 1951 a 1957, e nos dias de hoje é seguida por uma gigantesca legião de fãs).

 

Segundo o The Wrap, o filme irá focar o seu casamento com o actor e co-protagonista de I Love Lucy, Desi Arnaz, até ao seu divórcio nos anos 60. De momento, o projecto ainda não tem realizador, titulo, ou data prevista de estreia, mas é sabido que os direitos foram detidos pela Amazon.

 

Recordamos que esta não será a primeira vez que Blanchett desempenha uma antiga estrela de Hollywood: o seu primeiro Óscar como Melhor Actriz Secundária foi conquistado com a sua encarnação de Katherine Hepburn, no filme The Aviator, a cinebiografia do magnata Howard Hughes que foi assinada por Martin Scorsese em 2004.

 

Acompanha-nos no Facebook, aqui, e no Twitter, aqui.

 

tags:

publicado por Hugo Gomes às 21:24
link do post | comentar | partilhar


sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Harvey Weinstein expulso ...

Arnaud Desplechin com nov...

Arranca hoje o 22º Cine'E...

Seguimos de viagem com o ...

TRAÇA apresenta segunda e...

Luc Besson tem novo proje...

Novos actores na sequela ...

Morreu António de Macedo,...

Morreu Hugh Hefner, o "pa...

Mais um novo projecto da ...

últ. comentários
Boas biopics são os verdadeiros e honestos retrato...
Boa Tarde; enviei-lhe um email para o seu email. O...
Uma Jóia do Cinema. O Kubrick sempre foi muito sub...
Já tinha visto este trailer e antes de ver fiquei ...
O Nuno Lopes tem anunciado no Instagram e no Faceb...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO