Data
Título
Take
18.1.13
18.1.13

Heróis fragilizados!

 

Em 1945, Billy Wilder compunha a autodestruição de uma vida dependente do álcool de uma forma envolvente e única, fortificada pela prestação de Ray Milland, uma cooperação que ainda resultou na distinção de 4 Óscares da Academia incluído de Melhor Filme e Melhor Actor Principal e surgiu num tempo em que o tema do alcoolismo era pouco explorado e recorrido em termos dramáticos. Com o decorrer de 67, o argumento foi estudado e banalizado quer no cinema como na televisão e talvez seja por esses motivos que mesmo sob virtudes destacáveis á vista de todos, Flight – Decisão de Risco, a fita que marca o regresso de Robert Zemeckis (Back in the Future, Forrest Gump) á acção real (parece ter enfadado com o motion-capture depois do fiasco de Mars Need Moms), nos soe tão … telefilme.

 

 

E é pena porque a sua nova fita até inicia bastante bem com uma sequência formidável de uma aterragem miraculosa de um avião em vias de despenhar-se e por um leque de actores que davam o melhor de si, a começar por Denzel Washington a transmitir confiança e ao mesmo tempo fragilidades na sua personagem. John Goodman faz uma “entrada a pés juntos” e a fermentar no espectador uma nução de vê-lo mais vezes (prestação esquecida nos Óscares). Chegamos a Kelly Reilly a desistir do secundário dos dois Sherlock Holmes de Guy Ritchie para concentrar em algo mais consistentemente dramático e por fim a aparição do não tão conhecido James Badge Dale a protagonizar por completo uma marcante cena no corredor do Hospital.

 

 

Mas com a chegada do segundo acto, Flight que apesar de não chega a despenhar-se, enceta numa “planagem constantemente baixa” enquanto percorre os lugares mais comuns da ficção envolvente ao alcoolismo, invoca o moralismo e apoia-se por completo na prestação de Washington que se comporta como um “Atlas”, mas esquece de aprofundar o drama do enredo de maneira a não cair no facilitismo novelesco e não reduzir-se como aconteceu aqui a uma pura previsibilidade “bonitinha” de “livro de auto-ajuda”. Até ficamos com a sensação de que Robert Zemeckis depois de tanta animação CGI esqueceu-se por completo como dirigir um filme de acção real. Puro telefilme!

 

“Nobody could've landed that plane like I did.”

 

Real.: Robert Zemeckis / Int.: Denzel Washington, Don Cheadle, Kelly Reilly, Bruce Greenwood, John Goodman, Melissa Leo, James Badge Dale



 

6/10
tags: ,

publicado por Hugo Gomes às 15:00
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

Agnès Varda trabalha em n...

Versão live-action de Swo...

My French Film Festival, ...

Jean-Pierre Verscheure na...

KINO regressa com a sua 1...

Trailer de Ghostland, o n...

Clive Owen junta-se a Wil...

Leonardo DiCaprio protago...

John Wick será série de t...

Quote #09: Body Snatchers...

últ. comentários
Este gênero nunca foi um dos meus preferidos, póre...
Concordo, "Índice Médio de Felicidade" e "Malapata...
O "São Jorge" é até agora o meu preferido, mantend...
Vi hoje, Robert Pattinson no seu melhor! Que venha...
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO