Data
Título
Take
26.8.12

O labirinto perdido de Jim Henson!

 

Anos 80, duas décadas antes das conversões para os grandes ecrãs da trilogia de Tolkien, The Lord of the Rings, e da saga Harry Potter, da autoria de J.K. Rowlings, assistíamos a uma expansão do género de fantasia nos cinemas e um dos responsáveis por essa “explosão” foi Jim Henson, o celebre “pai dos Marretas”. Porém, não tendo disponível a mesma tecnologia que dispomos nos dias de hoje, a criação desses mundos e das criaturas fantásticas que apenas existem na imaginação de cada um, eram limitadas na sua recriação por métodos tradicionais e alguns deles primordiais, Henson como manipulador e criador de marionetas ultrapassou essa dificuldade à sua maneira. 

 

jennifer-connelly-and-david-bowie-in-labyrinth-198

 

Depois de ter transportado as suas criações (The Muppets: Os Marretas) para o grande ecrã em 1979 e de seguidas em outras aventuras cinematográficas, Jim Henson estreou-se no género com The Dark Crystal (1982), onde é visualizado um mundo magico completamente controlado por marionetas e com claras influências ao universo de Tolkien. Apesar de ter sido mal recebido nos cinemas norte-americanos, a fita, que por cá recebeu o título de O Cristal Encantado, tornou-se gradualmente num êxito em cinemas europeus e japoneses e num culto que ainda perdura. Passados quatro anos, o autor, que mesmo assim persiste, aposta em mais uma longa-metragem fora das suas criações de The Muppets e Sesame Street, voltando-se de novo para a fantasia com Labyrinth,  sob a produção de George Lucas. Contudo, desta vez a acção não é exclusiva para as suas marionetas. 

 

 

Labyrinth remete-nos a uma adolescente de nome Sarah (uma jovem Jennifer Connely), obcecada pelos seus contos de fadas que numa noite é retida em casa para tomar conta do seu meio-irmão bebé, Toby.  Revoltada com o facto, a jovem deseja que os “goblins” levem o seu meio-irmão para bem longe. Por magia, as ditas criaturas surgem, levando com é esperado, o bebé. Arrependida pelo seu acto egoísta, Sarah terá que atravessar um gigantesco e mágico labirinto num prazo de treze horas até chegar ao palácio do Rei Goblin (David Bowie), e enfrentá-lo, antes que o seu meio-irmão se converta também num “goblin” à mercê deste impiedoso monarca. 

 

labyrinth_movie_image_jennifer_connelly.jpg

 

Labyrinth: Labirinto é de um esplendor técnico, mesmo que hoje seja considerado obsoleto na sua mesma. Os cenários são ricos, induzidos por influências a Lewis Carrol, Grimms e até L. Frank Baum, cujas mesmas marcas contagiaram o próprio enredo (argumento escrito por Terry Jones, um dos Monty Pythons). Jim Henson é um especialista nas suas marionetas, conseguindo assim transpor movimentos quase perfeitos destas suas criações no ecrã, como também em gerar personagens que não envergonham em nada o seu legado. Mesmo sob uma imaginação fértil e uma recriação fora do comum, "inocentemente" mágica portanto, Labyrinth possui diversas falhas, e essas, são cada vez mais agravantes com o passar dos anos. É evidente que a fita de Henson envelheceu mal. Mas já lá vamos!

 

 

A interpretação de Jennifer Connely é demasiado "apagada", por vezes forçada à sua pueril personagem. Todavia, a sua prestação tende em melhorar com o desenrolar da fita, assim como a composição da sua personagem, que acaba por adquirir alguma maturidade. Mas apesar disso, perde obviamente quando é confrontada com o "excêntrico" David Bowie. O actor / cantor faz de tudo para permanecer o vilão na ala “bowiana”. Um personagem distinto, de facto. Até porque a fita Labyrinth parece ter sido concretizado envolto da sua figura flexível e aristocrata, e a relação que transpira sexualidade e o constante "flirt" para com a protagonista, uma combustão que expanda a narrativa deste enredo nada "labiríntico". A banda sonora roda em torno do seu próprio ego como também da sua natureza musical, uma composição (da autoria de Trevor Jones) que nada tem de simbiótico com o espírito sugerido pelo filme, nem mesmo como acompanhante da história. Entre os títulos musicais, o main theme - Underground - sobrevive do leque como o mais atmosférico da trilha sonora, albergando essa aura "bowiana" logo no seu arranque.  

 

 

Labyrinth pode muito bem funcionar como uma referência ao conto de fadas, mas tudo indica que Jim Henson esteve mais preocupado em vender o seu produto e compensar a má recepção atribuída a The Dark Crystal do que propriamente recriar um exercício de fantasia memorável e sólida. Com atributos técnicos invejáveis e raros nos dias de hoje (sobretudo com o facilitismo e a dependência do CGI e do chroma key), o filme funciona como uma ideia úbere, por vezes prejudicialmente imatura. Esse sufoco, evita uma ênfase trágica que o Labyrinth parece nos levar a passos do seu desfecho. É uma obra do seu tempo, que nos dias que decorrem é quase difícil perder-nos nele.

 

"I ask for so little. Just fear me, love me, do as I say and I will be your slave."

 

Real.: Jim Henson / Int.: David Bowie, Jennifer Connelly, Toby Froud

 

 

5/10
tags: , ,

publicado por Hugo Gomes às 15:50
link do post | comentar | partilhar

sobre mim
pesquisar
 
arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


recentemente

The Shape of Water (2017)

Wonder Wheel (2017)

Molly's Game (2017)

"Life find a way": Traile...

Ryan Reynolds será Pikach...

Quentin Tarantino vai rea...

Novo trailer de Bad Inves...

No Escurinho do Cinema: a...

Conheçam os vencedores do...

Isle of Dogs abre 68º Fes...

últ. comentários
Uma das maiores surpresas do ano, mesmo sendo do W...
I bought Raytheon on this site, I do not know whet...
Muito ansioso, especialmente por ser do Wes Anders...
ou seja, uma bosta de comentario de quem nao enten...
Obrigado pelo reparo, corrigido ;)
Takes
10/10 - Magnífico
9/10 - Imprescindível
8/10 - Bom
7/10 - Interessante
6/10 - Razoável
5/10 - Medíocre
4/10 - Muito Fraco
3/10 - Mau
2/10 - Péssimo
1/10 - De Fugir
0/10 - Nulidade
stats counter
HTML Hit Counter
counter
links
mais comentados
25 comentários
20 comentários
13 comentários
12511335_1084470088250815_732384524_o
subscrever feeds
blogs SAPO